Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

| 10 Ago 2022

Sobreviventes da bomba atómica de Nagasaki, lançada a 9 de agosto de 1945, percorrendo as ruas da cidade nesse mês. Foto © National Archives at College Park, Public domain, via Wikimedia Commons.

Sobreviventes da bomba atómica de Nagasaki, lançada a 9 de agosto de 1945, percorrendo as ruas da cidade nesse mês. Foto © National Archives at College Park, Public domain, via Wikimedia Commons.

 

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, na carta do Compromisso pela Paz lida durante as cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

A carta pode ser lida em tradução inglesa no diário japonês The Mainichi de dia 9 de agosto e inclui uma crítica definitiva à teoria do equilíbrio atómico, desafiando o país “a declarar uma Zona Livre de Armas Nucleares do Nordeste Asiático, cumprir estritamente o Artigo 9 da sua Constituição e assinar e ratificar o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares” que entrou em vigor no ano passado.

Recordando a guerra na Ucrânia, Takashi Miyata escreve: “As sirenes de alerta de ataque aéreo que soaram na Ucrânia”, no dia 24 de fevereiro, “inspiraram-me o mesmo medo que aquela bomba atómica” de 9 de agosto de 1945 sobre Nagasaki. Um ataque tão impiedoso e indiscriminado lembra-me o bombardeamento atómico de há 77 anos, que causou o sofrimento de muitas pessoas inocentes”. Sim, “já se passaram 77 anos após a Segunda Guerra Mundial”, continua Miyata, “mas a Rússia deu a entender que usaria armas nucleares, expondo o mundo à ameaça de guerra nuclear. É algo que absolutamente não pode ser tolerado”.

O representante dos sobreviventes do ataque atómico sobre Nagasaki termina lembrando: “Os hibakusha viveram esses 77 anos superando o sofrimento e a dor. Continuaremos a perseverar e cooperar com a sociedade civil global, acreditando num futuro brilhante, esperançoso e livre de armas nucleares. Nesta nova era trazida pelo Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares, prometemos comprometer- nos a transmitir os nossos desejos para a realização de um mundo livre de armas nucleares aos nossos filhos e aos filhos dos nossos filhos.”

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Gratuito e universal

Documentário sobre a Laudato Si’ é lançado a 4 de outubro

O filme A Carta (The Letter) será lançado no YouTube Originals no dia 4 de outubro, anunciou, hoje, 21 de setembro, o Movimento Laudato Si’. O documentário relata a história da encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e defensores da sustentabilidade do planeta e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco.

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco

Terminou o encontro em Assis

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco novidade

“Espero por vocês em Assis.” Assim terminava a carta que o Papa escreveu aos jovens em maio de 2019, convidando-os a participar na Economia de Francisco. Apesar de uma pandemia o ter obrigado a adiar dois anos este encontro, e ainda que as dores no joelho o tenham impedido de vir pelo seu próprio pé, Francisco cumpriu a sua promessa, como só os verdadeiros amigos sabem fazer. Este sábado, 24, logo pela manhã, chegou à cidade de Assis para se juntar aos mil participantes do encontro A Economia de Francisco. Escutou atentamente os seus testemunhos e preocupações, deu-lhes os conselhos que só um verdadeiro amigo sabe dar, selou com eles um pacto e até reclamou por não terem trazido cachaça (bem sabemos que é próprio dos amigos rabujar e fazer-nos rir). Mas sobretudo provou-lhes que acredita neles e que é com eles que conta para fazer do mundo um lugar melhor.

Agenda

Fale connosco

Autores