China

Repressão aos muçulmanos passa por destruir cúpulas de mesquitas

| 4 Nov 2021

Foram deitadas abaixo as cúpulas da Grande Mesquita de Dongguan, em Xining, na China. Foto © Hiroki Ogawa, CC BY 3.0, via Wikimedia Commons.

 

A República Popular da China tem vindo a multiplicar os constrangimentos à prática religiosa de diferentes religiões. No caso dos muçulmanos, além da prisão de praticantes desta religião e do condicionamento de escritores e estudiosos, surge agora a notícia de que as autoridades estão a remover as cúpulas das mesquitas, a fim de as “sinizar” (tornar mais “chinesas”).

São milhares as mesquitas cujas cúpulas e minaretes em todo o país estão a ser removidos, de acordo com uma recente reportagem da NPR, a rádio pública dos Estados Unidos. As autoridades consideram que as cúpulas são manifestações da influência religiosa estrangeira e estão a derrubar a arquitetura mais abertamente islâmica como parte de um esforço para “sinizar” grupos étnicos historicamente muçulmanos, para torná-los mais tradicionalmente chineses.

O caso mais recente é o da mesquita de Dongguan, no noroeste do país. Ao longo de quase 700 anos de existência, este espaço, já assumiu, logo no período da construção, o estilo de um palácio imperial chinês, com coberturas de telhas e sem cúpulas. Vários séculos depois, já decorado com símbolos budistas, a mesquita quase ficou destruída por negligência durante um tumulto político, no início do século XX. Na década de 1990, as autoridades substituíram as telhas de cerâmica originais no telhado e minaretes por cúpulas verdes. E foram estas que já no corrente ano deitaram abaixo.

Ali, um camponês muçulmano que vendedor nas imediações da mesquita de Dongguan, disse à correspondente da NPR que “o governo diz que quer que nós tenhamos as nossas mesquitas ao estilo chinês, para que se pareçam mais com a Praça Tiananmen de Pequim”.

600 membros de grupo religioso detidos em diferentes províncias chinesas

Entretanto, vinha a público a notícia de que as autoridades chinesas acabam de prender 600 membros da Igreja do Deus Todo-Poderoso, no quadro de um clima de intensificação da repressão. 

Esta Igreja, que está proibida na China devido às suas posições antigovernamentais, viu centenas de membros seus em todo o país serem condenados a penas que vão de seis meses a sete anos de prisão, disse a agência católica asiática UCA News, citando o blog Bitter Winter, especializado em questões religiosas chinesas.

Entre os condenados estão pessoas com menos de 20 anos e mais de 67 anos. Uma mulher de 80 anos foi condenada a dois anos e quatro meses. Mais tarde, foi autorizada a cumprir a pena fora da prisão devido à sua idade.

 

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra

Carta nos dois anos da guerra na Ucrânia

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra novidade

No momento em que passam dois anos sobre a invasão russa e o início da guerra na Ucrânia, quatro académicos do Centro de Estudos Cristãos Ortodoxos da Universidade de Fordham, nos Estados Unidos da América, dirigiram esta semana uma contundente carta aberta aos líderes das igrejas cristãs mundiais, sobre o papel que as confissões religiosas têm tido no conflito.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This