China

Repressão aos muçulmanos passa por destruir cúpulas de mesquitas

| 4 Nov 2021

Foram deitadas abaixo as cúpulas da Grande Mesquita de Dongguan, em Xining, na China. Foto © Hiroki Ogawa, CC BY 3.0, via Wikimedia Commons.

 

A República Popular da China tem vindo a multiplicar os constrangimentos à prática religiosa de diferentes religiões. No caso dos muçulmanos, além da prisão de praticantes desta religião e do condicionamento de escritores e estudiosos, surge agora a notícia de que as autoridades estão a remover as cúpulas das mesquitas, a fim de as “sinizar” (tornar mais “chinesas”).

São milhares as mesquitas cujas cúpulas e minaretes em todo o país estão a ser removidos, de acordo com uma recente reportagem da NPR, a rádio pública dos Estados Unidos. As autoridades consideram que as cúpulas são manifestações da influência religiosa estrangeira e estão a derrubar a arquitetura mais abertamente islâmica como parte de um esforço para “sinizar” grupos étnicos historicamente muçulmanos, para torná-los mais tradicionalmente chineses.

O caso mais recente é o da mesquita de Dongguan, no noroeste do país. Ao longo de quase 700 anos de existência, este espaço, já assumiu, logo no período da construção, o estilo de um palácio imperial chinês, com coberturas de telhas e sem cúpulas. Vários séculos depois, já decorado com símbolos budistas, a mesquita quase ficou destruída por negligência durante um tumulto político, no início do século XX. Na década de 1990, as autoridades substituíram as telhas de cerâmica originais no telhado e minaretes por cúpulas verdes. E foram estas que já no corrente ano deitaram abaixo.

Ali, um camponês muçulmano que vendedor nas imediações da mesquita de Dongguan, disse à correspondente da NPR que “o governo diz que quer que nós tenhamos as nossas mesquitas ao estilo chinês, para que se pareçam mais com a Praça Tiananmen de Pequim”.

600 membros de grupo religioso detidos em diferentes províncias chinesas

Entretanto, vinha a público a notícia de que as autoridades chinesas acabam de prender 600 membros da Igreja do Deus Todo-Poderoso, no quadro de um clima de intensificação da repressão. 

Esta Igreja, que está proibida na China devido às suas posições antigovernamentais, viu centenas de membros seus em todo o país serem condenados a penas que vão de seis meses a sete anos de prisão, disse a agência católica asiática UCA News, citando o blog Bitter Winter, especializado em questões religiosas chinesas.

Entre os condenados estão pessoas com menos de 20 anos e mais de 67 anos. Uma mulher de 80 anos foi condenada a dois anos e quatro meses. Mais tarde, foi autorizada a cumprir a pena fora da prisão devido à sua idade.

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This