Do Quirguistão para Portugal

Resistir em casar à força – a história de Selima

| 20 Jul 21

Não, não é uma novela camiliana. Em pleno século XXI, em muitos pontos do globo, tais factos acontecem com a conivência de todos, inclusive das autoridades. No Expresso de 02/07, no artigo “O triste destino das noivas à força”, o jornalista Mauro Mondello fazia uma reportagem no Quirguistão sobre esse assunto e entrevistava mulheres e activistas que pretendem consciencializar as raparigas para esta bárbara realidade. 

Por coincidência, uma jovem mulher desse país que já conhecia há uns anos, em Portugal, contou-me recentemente toda a história da sua vida que reafirma o conteúdo do artigo que lera no Expresso. A meu pedido, prontificou-se a relatá-la. 

Selima Quirguistão

“Selima [nome fictício], tenho 33 anos e cheguei a Portugal em 2012.”

Chamo-me Selima [nome fictício], tenho 33 anos e cheguei a Portugal em 2012. Infelizmente, o meu pai faleceu quando eu tinha 10 anos. Sou a mais nova de quatro irmãos. Aos 13 anos, fugi de casa para a Rússia porque os meus tios queriam-me casar. Na Rússia, podia viver sem documentos por ser do Quirguistão. Queria estudar lá, mas não pude porque era menor e estava só no país. Fui trabalhar na restauração durante uns seis ou sete meses.

 

Ameaça, fuga, castigo e um curso

Quis regressar ao meu país, mas os meus tios disseram ao meu irmão mais velho – que sempre me protegeu, tal como a minha mãe – que se voltasse, podia ser lapidada. Os meus “protectores” defenderam-me e eu regressei. No Quirguistão continuei a estudar e quando tinha 15 anos, os meus tios voltaram ao mesmo.

Fugi para o Cazaquistão e lá trabalhei também em restaurantes. Mas sentia-me só e quis novamente regressar, embora tivesse muito medo de morrer. Mais uma vez o meu irmão mais velho e a minha mãe tomaram a minha defesa e eu regressei. Mas fui castigada: fiquei presa em casa, durante dois meses; não podia sair. Depois, continuei a estudar.

Fiz o curso de enfermagem e trabalhei num centro hospitalar. Aos 22 anos, os meus tios voltaram a querer-me casar. Fugi novamente para a Rússia e lá conheci um rapaz da mesma idade e da minha etnia e engravidei. Quando ele soube que estava grávida, desapareceu. Continuei a viver lá e a trabalhar. Um amigo ajudou-me muito. Não podia contar com a minha família, pois estava grávida e podiam-me mesmo matar. Também não podia abortar porque já tinha cinco meses de gravidez. Chegou a hora do parto, o meu amigo levou-me ao hospital e aí desmaiei. Quando acordei os médicos disseram-me que o bebé morrera porque eu tinha a tensão alta.

 

Novas fugas e Portugal

Regressei ao Quirguistão, com a ajuda do meu irmão mais velho e da minha mãe, mas nunca disse o que acontecera. Continuei a trabalhar no hospital e novamente me queriam casar. Fugi para a Lituânia. Cuidei de crianças, trabalhei na restauração. Mas não tinha documentos e regressei ao meu país. E mais uma vez os dois membros da minha família tomaram a minha defesa. Novamente surge a proposta de casamento e eu desta vez fugi para a Espanha, mas não consegui nada e regressei. O meu irmão mais novo disse então: “Ou casas ou vais para Portugal e nunca mais voltas cá.”

Porquê Portugal? Porque tinha cá família. Aqui conheci um rapaz que não era muçulmano e foi um escândalo. A família que vivia aqui telefonou para a minha mãe, irmãos, tios, discutiram todos esta minha nova rebeldia. Entretanto, comecei a viver com esse rapaz e engravidei. Os meus trabalhos não acabaram aqui. Comecei a ver que ele não me ligava muito – sobretudo, estando eu grávida – e decidi, com a apoio da minha mãe, ir para a Rússia para a casa de uma pessoa da minha família que não ligava a estas coisas de ser ou não muçulmano.

Eu necessitava de ajuda e ele, já velhote, dava-ma. Retomei o trabalho na restauração, a minha barriga começou a crescer… e eis que um primo meu, no restaurante, conheceu-me e foi logo contar a história a toda a minha família do Quirguistão. A minha mãe telefonou-me e antes do parto regressei ao Quirguistão para ter o bebé. O menino nasceu e então os meus tios e irmão mais novo acharam que era mesmo altura de eu casar … tirando-me o bebé recém-nascido para o dar a um casal sem filhos porque os homens, nesta situação, não querem filhos de outro.

Recusei e disse-lhes – e era verdade – que o pai do meu filho me ajudara monetariamente. Perante isso, eles cederam e eu regressei a Portugal. Continuei a viver com ele, nasceu outro filho. A pandemia não ajudou nada e o facto de ter um bebé de meses impediu-me de trabalhar. Vamos a ver se agora, quando ele crescer mais um bocadinho e for para a creche, eu endireito a minha vida. Já fiz aqui trabalho doméstico em casas particulares e gostaram de mim.”

 

O segundo apagamento de Aristides

Comentário

O segundo apagamento de Aristides novidade

“Mesmo que me destituam, só posso agir como cristão, como me dita a minha consciência; se estou a desobedecer a ordens, prefiro estar com Deus contra os homens do que com os homens contra Deus.” Esta afirmação de Aristides de Sousa Mendes, cônsul de Portugal em Bordéus em 1940, confirmada por muitas outras de cariz semelhante, mostra bem qual foi o fundamento para a sua decisão de, contra as ordens expressas de Salazar, conceder indiscriminadamente vistos de passagem a milhares de pessoas em fuga do terror nazi.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Vaticano

Mundo não pode ignorar sofrimento de haitianos novidade

O mundo não pode mais ignorar o sofrimento do povo do Haiti, uma ilha que há séculos é explorada e pilhada por nações mais ricas, apontou o arcebispo Vincenzo Paglia, presidente da Pontifícia Academia para a Vida. “O grito de ajuda de uma nação não pode passar despercebido, especialmente pela Europa.”

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This