Em França

Retórica anti-islão marca campanha presidencial

| 27 Mar 2022

Imagem de um Auqarto Crescente, símbolo do Islão, através de uma janela. Foto © Ricardo Perna

As críticas ao Islão têm sido usadas pelos candidatos de extrema-direita às presidenciais francesas para tentar subir nas sondagens. Foto © Ricardo Perna

 

A campanha presidencial em França tem conhecido um endurecimento do discurso anti-islão, o que provoca o risco de criar uma “espiral de ódio”, considera o reitor da mesquita de Paris, Chems-eddine Hafiz.

O facto de Emmanuel Macron estar a liderar as sondagens tem feito com que alguns candidatos optem por focar os seus discursos na imigração e no islão como forma de subirem nas sondagens. “Estamos numa sociedade fraturada e em busca de si mesma, uma sociedade enfraquecida e com medo após a pandemia. O facto de procurar um bode expiatório – houve precedentes para isso: em 1930, quando o dedo começou a ser apontado para os judeus que se tornaram ‘o problema de toda uma sociedade’… Hoje não são os judeus, são os muçulmanos… Sempre pensei que no século XXI estaríamos livres deste tipo de discurso.”

Candidatos como Eric Zeemour, Marine Le Pen e até Valérie Pécresse, que concorre pelo partido conservador de direita de Nicolas Sarkozy e afirmou num comício em Paris que iria limitar o uso do véu muçulmano em alguns espaços públicos, incluindo a atletas em eventos desportivos, têm endurecido o seu discurso, visando a comunidade muçulmana e a antiga teoria da “substituição”, pela qual os muçulmanos estavam a chegar e em breve seriam a maioria da população em França.

Chems-edinne Hafiz disse ao The Guardian que, apesar das principais preocupações dos eleitores franceses serem questões como enfrentar as suas despesas, tornou-se “quase moda” para os candidatos “criticar o islão e os muçulmanos, vê-los como indesejáveis, perigosos ou que trazem insegurança”.

Anne Hidalgo, a candidata do Partido Socialista, que está a baixar nas sondagens, visitou a mesquita de Paris recentemente, onde alertou contra os candidatos presidenciais que usam os muçulmanos como bodes expiatórios. E disse que estava extremamente preocupada com o discurso político “de ódio” que prejudica a “fraternidade” em França.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This