Retrospectiva

| 9 Mai 20

Annapolis, 16 de Fevereiro de 2020: “Uma bela cidade piscatória, a capital do estado de Maryland, onde residimos.” Foto © Ana Luísa Pimentel

 

Muitas vezes na minha fé sou encorajada a olhar para trás no tempo para perceber o que me trouxe aqui, e hoje no meio de tantas incertezas faço novamente esse exercício de olhar para a minha história e entender o porquê de estar aqui, neste preciso momento.

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Em Janeiro de 2020 aterramos em Washington DC, Estados Unidos, para ficarmos por uns anos. Não foi uma decisão de ânimo leve, mas foi uma decisão tomada em plena liberdade e com plena consciência das perdas que isso representava – a perda da proximidade da família e amigos, a perda da segurança e previsibilidade do estilo de vida escandinavo, nova interrupção da minha vida profissional, além dos abalos no dia-a-dia escolar dos miúdos. Mas viemos tão simplesmente em busca da alegria, em busca de um sentido renovado, amantes da mudança como somos.

Para exprimir o meu optimismo, recordo uma conversa com a minha filha mais velha, de 13 anos, a quem dizia: “tenho um bom ‘feeling’ em relação a 2020, acho que este ano nos vai trazer experiências muito boas!” Olhando em retrospectiva, e sabendo o que sabemos hoje da pandemia COVID-19, parece uma afirmação ridícula. Mas já nessa altura, a minha filha surpreendentemente consciente do mundo que a rodeia, se escandalizou: “Mãe, como é que podes dizer uma coisa dessas perante os incêndios (naquela altura ainda activos) na Austrália, o rescaldo do maior incêndio de sempre na Amazónia, e o Trump ter estado tão perto de provocar o início da 3ª guerra mundial contra o Irão?!”

Orgulho-me da sua consciência global e ambiental, algo que me era tão distante nos meus 13 anos de idade! No entanto, e sem querer desresponsabilizar-me pela ordem mundial das coisas, senti-me impelida a reafirmar o meu optimismo e resgatar a alegria dos pequenos gestos que estão ao nosso alcance. Disse-lhe que também estava preocupada, e irreflectidamente prometi-lhe que o resto do ano seria melhor…

Em Fevereiro de 2020, depois de encontrarmos alguma ordem cá em casa, depois de desempacotar dezenas de caixotes, sentimos uma nova energia e vontade de conviver, conhecer as tradições locais, celebrámos o Super Bowl, assistimos entusiasmados ao nosso primeiro jogo de basketball, emocionámo-nos na Estátua da Liberdade mediante a história dos primeiros imigrantes americanos, deslumbrámo-nos com a beleza do Mount Vernon junto ao rio Potomac, local histórico onde viveu o primeiro presidente americano George Washington. E isto era apenas o começo…

Annapolis, 16 de Fevereiro de 2020. Foto © Ana Luísa Pimentel

 

Nessa altura propus-me encontrar uma orquestra amadora onde continuar a minha actividade musical, e fui calorosamente acolhida por uma orquestra local,formada pelos funcionários do Instituto Nacional de Saúde (NIH). Por volta da mesma altura, dediquei-me a explorar igrejas e comunidades religiosas nas redondezas de DC e Maryland, e cheguei a participar numa celebração de um pequeno grupo de pessoas que reúne a cada domingo sob a liderança alegre de Roxanne S., no pitoresco bairro de Brookmont, Bethesda, para celebrar a palavra, meditar e participar na vida espiritual daquela comunidade.

No início de Março de 2020 inacreditavelmente o mundo parou, para nos protegermos uns aos outros de uma pandemia. Sobre a forma como temos vivido este período incerto já muito se escreveu. Olhando para trás em retrospectiva entendo que a busca de uma vida melhor, com mais sentido, foi aquilo que aqui me trouxe, por mais que haja momentos em que este parece ser o sítio errado para estar, na hora errada. É a esperança afinal aquela que nos traz sempre a novos lugares, é a esperança afinal que continuará a guiar-nos.

 

Ana Luísa Pimentel vive em Washington DC, Estados Unidos da América, é psicóloga, natural de Lisboa e viveu 10 anos na Dinamarca na sua primeira experiência de expatriada. É mãe de três filhos e casada com o Luís. Considera “casa” o lugar onde se sente bem acolhida.

Artigos relacionados

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Quem conhece o Enzo Bianchi, quem já se refletiu naqueles olhos terríveis de fogo, como são os olhos de um homem “que viu Deus”, sabe do seu caráter enérgico, por vezes tempestuoso, firme, de quem não tem tempo a perder e que por isso urge falar sempre com parresía, isto é, com franqueza, com verdade. Enzo habitou-nos a isso, habituou os monges e as monjas de Bose a isso. O exercício da autoridade, a gestão do governo e o clima fraterno da Comunidade sempre tiveram a sua marca, esta marca.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Alemanha: Mulheres querem permissão para pregar nas eucaristias novidade

A Comunidade Católica das Mulheres (KFD) da diocese de Münster, na Alemanha, enviou uma carta ao seu bispo, Felix Genn, pedindo-lhe que aprove a pregação por parte de leigos nas eucaristias, o que permitiria às mulheres assumir essa função, até agora exercida exclusivamente por diáconos e padres.

Escuteiros angariaram 66 toneladas de alimentos para o Banco Alimentar Contra a Fome novidade

O Corpo Nacional de Escutas (CNE), através dos agrupamentos de escuteiros espalhados por todo o país, reuniu um total de 66 toneladas de alimentos para apoiar o Banco Alimentar Contra a Fome, instituição que este ano se viu impossibilitada de realizar a sua habitual campanha nos supermercados devido à pandemia de covid-19, e à qual têm chegado cada vez mais pedidos de ajuda.

Alemanha: número de crimes contra judeus é o mais elevado desde 2001

A Alemanha registou no ano passado o número mais elevado de crimes motivados pelo antissemitismo desde que os mesmos começaram a ser contabilizados, em 2001. Os líderes da comunidade judaica daquele país prevêem que a situação continue a piorar com o surgimento de uma nova vaga de “teorias da conspiração” associadas aos judeus, na sequência da pandemia de covid-19.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

As casas de repouso eterno novidade

As notícias chegam-nos em catadupa. Os nossos entes queridos que já não podiam viver connosco porque a vida frenética que levamos não nos permite cuidar deles e que, por amor, por compaixão e por comodidade, os colocámos nas casas de repouso, estão a morrer às dezenas. Os remorsos invadem-nos o espírito, sem que possamos encontrar uma solução e não vale a pena estar a acusar as instituições ou os funcionários que fazem tudo o que podem para os cuidar.

Peste Malina

Não, não é O Ano da Morte de Ricardo Reis, mas é o ano d’A Peste. As Ondas de pequenos monstros transformaram a terra num Vasto Mar de Sargaços. Qualquer Coisa Como um Lugar de Massacre. Nada vai voltar a ser como O Mundo em que Vivi. Sim, Os Dias Tranquilos acabaram, Os Anjos desfizeram As Estrelas Propícias (se é que, na verdade, alguma vez existiram). Agora, a vida está Em Frente da Porta, do Lado de Fora e toda a gente está confinada aos Pequenos Delírios Domésticos.

Afinal, quem são os evangélicos?

A maior parte dos que falam de minorias religiosas como os evangélicos nada sabem sobre eles, incluindo políticos e jornalistas. Em Portugal constituem a maior minoria religiosa, e a Aliança Evangélica Mundial conta com mais de 600 milhões de fiéis em todo o mundo.

Cultura e artes

Diálogos com Paulo Freire

Trata-se de dois livros inspirados na filosofia de Pauloreire, a quem de há largos anos chamo meu “Mestre”: o primeiro, de Christopher Damien Auretta, Diz-me TU quem EU sou: Diálogo com Paulo Freire. O segundo, do mesmo autor com João Rodrigo Simões: Autobiografia de uma Sala de Aula: Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (Epistolografia).

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

Sete Partidas

O “fecho” de uma Casa Geral aberta “urbi et orbi”

Acabou o encontro dos novos Superiores Maiores dos Missionários Espiritanos vindos dos quatro cantos do mundo a Roma para “aprender” algumas ferramentas de liderança e espiritualidade. Partiram na véspera do “fechamento” do espaço aéreo. Caiu-nos em cima o estado de emergência que nos blindou em casa, com o lock down, a 9 de março.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco