[Nas margens da filosofia – LII]

Rezar ao ritmo da terra

| 18 Mar 2023

Casa Velha

Foi com enorme satisfação que participei, durante alguns dias, num grupo de cristãos que se propunha “rezar ao ritmo da terra”.” Foto © site “Casa Velha-Ecologia e Espiritualidade”

 

Nestas últimas semanas temos vivido tempos difíceis, nos quais dolorosamente percebemos o significado real da expressão, muitas vezes ouvida, “uma Igreja santa e pecadora”. É-nos fácil reconhecer a sua santidade, não só porque é constantemente lembrada nos grandes textos do cristianismo, mas também porque o convite que permanentemente nos é feito se concretiza na exortação “Sede perfeitos como o vosso Pai é perfeito” (Mt 5, 48). A exigência deste apelo é muitas vezes esquecida pois aceitamos com naturalidade o facto de nos sentirmos, e de facto sermos, pecadores.

Em criança aprendi no Catecismo que “há pecados que bradam aos céus”, algo que nessa altura nunca percebi e para o qual me davam explicações vagas. Hoje sei que os abusos sobre as crianças ou sobre os elementos mais frágeis de uma comunidade podem integrar-se nesse rol. E na situação que presentemente vivemos, coloco-me ao lado de todo(a)s que não só têm denunciado essas situações, como também daquele(a)s que exigem reparação – e não se trata de uma questão de vingança mas sim de justiça para com as vítimas.

Nos dias que ultimamente vivemos senti-me traída pela displicência, confusão e superficialidade com que a hierarquia da Igreja respondeu a esta situação. E orgulhosa com o facto de ter havido vozes críticas das bases, denunciando esse modo de agir (ou de não agir). Tornava-se-me necessário um tempo de reflexão e de distanciamento. Assim, foi com enorme satisfação que participei, durante alguns dias, num grupo de cristãos que se propunha “rezar ao ritmo da terra”. O local foi a Casa Velha, em Ourém; os participantes eram maioritariamente jovens, algumas crianças, e um pequeno grupo de gente mais velha, no qual me incluí. Presidiu a este encontro um padre que, para além das celebrações, também trabalhou a terra, cavando, podando e abrindo valas, como toda a gente.

A proposta para iniciarmos o trabalho nos campos foi tratar do que era necessário e simultaneamente fruir da beleza em que estávamos integrados, contemplando, sem no entanto deixar de agir, pois o trabalho era muito e urgente. Assim, cortámos ervas daninhas, podámos árvores e plantas, envasámos, construímos uma horta e tratámos de outras, num ambiente de cooperação em que o mais forte ajudava o mais fraco e o mais sabedor o ignorante. Embora as nossas tarefas fossem bem delimitadas – nas mais das vezes implicando arrancar e destruir muita coisa inútil e prejudicial –, todas estas actividades nos davam um sentido de pertença a um todo no qual também nos integrávamos. E muitas vezes me lembrei do meu filósofo preferido, Baruch de Espinosa, para quem Deus e a Natureza se identificam – Deus sive Natura (Deus ou a Natureza) – escreveu ele na sua Ética.

Nesses três dias que passámos a cuidar da terra houve troca de experiências, partilha de testemunhos, orações cantadas e rezadas. “Ao Ritmo da Terra” foi o slogan que acompanhou este encontro. Atendendo a esta proposta procurámos reencontrar o nosso próprio ritmo, integrando-o neste momento particularmente difícil que a vida da Igreja portuguesa atravessa. Mas tal como na natureza há morte e ressurreição, foi-nos lembrado, como proposta de meditação, um excerto do Eclesiastes:

“Para tudo há um momento e um tempo para cada coisa que se deseja debaixo do céu: tempo para nascer e tempo para morrer, tempo para plantar e tempo para arrancar o que se plantou, tempo para matar e tempo para curar, tempo para destruir e tempo para edificar, (…) tempo para amar e tempo para odiar, tempo para a guerra e tempo para a paz. (Eclesiastes 3, 1-8).

Esperamos que este tempo em que rezámos ao ritmo da terra possa ser uma ajuda para a reconciliação da nossa Igreja e de nós mesmos com ela.

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é professora catedrática (aposentada) de Filosofia da Faculdade de Letras de Universidade de Lisboa.

 

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral”

Susana Réfega, do Movimento Laudato Si'

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral” novidade

A encíclica Laudato Si’ foi “determinante para o compromisso e envolvimento de muitas organizações”, católicas e não só, no cuidado da Casa Comum. Quem o garante é Susana Réfega, portuguesa que desde janeiro deste ano assumiu o cargo de diretora-executiva do Movimento Laudato Si’ a nível internacional. Mas, apesar de esta encíclica ter sido publicada pelo Papa Francisco há precisamente nove anos (a 24 de maio de 2015), “continua a haver muito trabalho por fazer” e até “algumas resistências à sua mensagem”, mesmo dentro da Igreja, alerta a responsável.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This