“Rezar no Coração” – o discípulo pergunta, o mestre responde

| 17 Mar 19 | Cultura e artes, Literatura e Poesia, Newsletter, Sem categoria, Silêncio e Meditação, Últimas

Em Rezar no Coração, Tomáš Špidlík, jesuíta checo, utiliza o método dos antigos mestres da espiritua

lidade com os seus discípulos – o discípulo pergunta e o mestre vai respondendo, sendo cada resposta um convite a nova pergunta. É este cenário de proximidade que encontramos nesta obra singular, com uma linguagem simples e fundamentada, onde o fio condutor é a oração.

Entre as perguntas a que responde o autor – criado cardeal em 2003 e com um percurso pastoral no relacionamento entre as Igrejas cristãs do Oriente e do Ocidente – podemos referir algumas: há uma necessidade em rezar? O que devemos, em concreto, pedir a Deus? A quem devemos dirigir a oração? Rezar no espírito ou também no corpo? O gesto mais conhecido é o sinal da cruz; desde quando se usa? Nas orações da Igreja, os salmos têm um lugar privilegiado; mas não se trata de orações hebraicas, da antiga aliança? Em que consiste a meditação? Mas todos os contemplativos são místicos? O que é a mística? Como rezar incessantemente? O que é a “oração de Jesus”?

O leitor encontrará, neste livro, um excelente auxílio que se vai desenrolando paulatinamente ao encontro da cadência das inquietações do coração que, segundo Špidlík, «ocupa um lugar central na mística, na religião e na poesia de todos os povos. Como a pupila do olho é, por assim dizer, o ponto de contacto entre dois mundos – o externo e interno –, do mesmo modo deverá existir no ser humano, segundo os autores espirituais, um ponto misterioso através do qual Deus entra na vida do ser humano com todas as suas riquezas. A definição clássica de oração (elevação da mente a Deus), foi assim, já nos Padres da Igreja, modificada no sentido do coração a Deus»

Rezar no Coração, de Tomáš Špidlík; ed. Apostolado da Oração, 96 páginas

Artigos relacionados

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

“Albino não morre, só desaparece”? E se fôssemos “bons samaritanos”?

A primeira frase do título não é nova, nem em Moçambique, nem fora do país. Lembrei-me dela, quando li/vi que o secretário-geral da ONU, António Guterres visitou Moçambique, em Julho último. Desse périplo, dois eventos prenderam a minha atenção: a sua ida à Beira, para se inteirar das consequências do ciclone Idai, e o seu encontro com pessoas com albinismo, e onde destacou que ninguém pode ser descriminado por causa da sua aparência física.

Refugiados e salgalhada de desinformação

O objetivo deste texto é combater alguns mitos, facilmente derrubáveis, sobre a questão dos refugiados com meia dúzia de dados, de forma a contribuir para uma melhor e mais eficaz discussão sobre o tema. Porque não acredito que devamos perder a esperança de convencer as pessoas com os melhores dados e argumentos.

Cultura e artes

Uma exposição missionária itinerante, porque “parar é retroceder”

Um altar budista do Tibete; uma barquinha em chifres, de Angola; um calendário eterno dos aztecas; crucifixos de África ou da Índia; uma cuia da Amazónia; uma mamã africana e uma Sagrada Família, de Moçambique; uma placa com um excerto do Alcorão; e um nilavilakku , candelabro de mesa indiano – estas são algumas das peças que podem ser vistas até sábado, 19 de Junho, na Igreja de São Domingos, em Lisboa (junto ao Rossio).

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco