“Rezar no Coração” – o discípulo pergunta, o mestre responde

| 17 Mar 19

Em Rezar no Coração, Tomáš Špidlík, jesuíta checo, utiliza o método dos antigos mestres da espiritua

lidade com os seus discípulos – o discípulo pergunta e o mestre vai respondendo, sendo cada resposta um convite a nova pergunta. É este cenário de proximidade que encontramos nesta obra singular, com uma linguagem simples e fundamentada, onde o fio condutor é a oração.

Entre as perguntas a que responde o autor – criado cardeal em 2003 e com um percurso pastoral no relacionamento entre as Igrejas cristãs do Oriente e do Ocidente – podemos referir algumas: há uma necessidade em rezar? O que devemos, em concreto, pedir a Deus? A quem devemos dirigir a oração? Rezar no espírito ou também no corpo? O gesto mais conhecido é o sinal da cruz; desde quando se usa? Nas orações da Igreja, os salmos têm um lugar privilegiado; mas não se trata de orações hebraicas, da antiga aliança? Em que consiste a meditação? Mas todos os contemplativos são místicos? O que é a mística? Como rezar incessantemente? O que é a “oração de Jesus”?

O leitor encontrará, neste livro, um excelente auxílio que se vai desenrolando paulatinamente ao encontro da cadência das inquietações do coração que, segundo Špidlík, «ocupa um lugar central na mística, na religião e na poesia de todos os povos. Como a pupila do olho é, por assim dizer, o ponto de contacto entre dois mundos – o externo e interno –, do mesmo modo deverá existir no ser humano, segundo os autores espirituais, um ponto misterioso através do qual Deus entra na vida do ser humano com todas as suas riquezas. A definição clássica de oração (elevação da mente a Deus), foi assim, já nos Padres da Igreja, modificada no sentido do coração a Deus»

Rezar no Coração, de Tomáš Špidlík; ed. Apostolado da Oração, 96 páginas

Artigos relacionados

Breves

Governo português decreta que imigrantes passam a estar em situação regular novidade

O Governo português decretou que, a partir de 18 de Março (dia da declaração do Estado de Emergência Nacional), todos os imigrantes e requerentes de asilo que tivessem pedidos de autorização de residência pendentes no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) passam a estar em situação regular, com os mesmos direitos que todos os outros cidadãos, incluindo nos apoios sociais.

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Apesar de tudo, a liberdade

Sinto a doença à minha volta e à volta dos meus. E, nesta reclusão involuntária, lembro-me de Trujillo e de suas altas torres. Não de todas, mas de uma que, na sua delgada altivez, se assumiu como mirante.

Uma experiência de sinodalidade – a Igreja Católica no Terceiro Milénio

Há dias, chamou-me à atenção, no 7MARGENS, um artigo intitulado Um sínodo sobre a sinodalidade para dar eficácia à ideia de participação. Li o artigo com entusiasmo, sobretudo, porque revivi a minha experiência de paroquiana numa igreja da cidade de Lisboa. Foram tempos de Alegria e Graça, os anos de 2000 a 2019, sob a “batuta” do padre e cónego Carlos Paes.

Cultura e artes

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo novidade

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

Sete Partidas

Um refúgio na partida

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco