Núncio apostólico na Ucrânia

Rezar para não ficarem “iguais ao agressor”

| 15 Ago 2022

O núncio apostólico na Ucrânia pede que o diálogo, ou o contacto, não se percam, a fim de se procurar a paz. Foto © Vatican Media

O núncio apostólico na Ucrânia pede que o diálogo, ou o contacto, não se percam, a fim de se procurar a paz. Foto © Vatican Media

 

O núncio apostólico na Ucrânia, Visvaldas Kulbokas, esteve em Odessa a presidir às celebrações da Assunção de Nossa Senhora naquela cidade, que viu recentemente sair os primeiros navios com cereais desde que a guerra no país teve início. Ao Vatican News, o núncio fala de um “passo muito cansativo, porque a Ucrânia não conseguiu assinar nenhum acordo direto com a Rússia”. “Este passo foi alcançado de maneira muito difícil, mas como disse o Papa, é algo positivo tanto em nível global quanto local. Portanto, é um sinal de esperança”, referiu o prelado.

Sobre o conflito, que se mantém muito ativo, mesmo que “os holofotes do mundo se atenuem um pouco sobre ele”, o que Visvaldas Kulbokas considera “compreensível”. “O cardeal Zenari, que é núncio na Síria, também me disse algo semelhante: lá a situação continua dramática, mas o mundo não fala mais sobre isso”.

O núncio apostólico no país, que acabou por nunca abandonar a Ucrânia, mesmo quando responsáveis diplomáticos de outros países o fizeram, fala de uma “grande dor, grande sofrimento” nos testemunhos que vai ouvindo, em número tão grande que “não é possível ouvir todos”. “A situação é dramática, há tantas atrocidades, há torturas, há até mesmo ataques feitos de propósito contra ambulâncias, contra hospitais, contra crianças: atrocidades tais que há a tentação humana de ficar com raiva e perder essa paz interior enchendo-se com ódio”, considera o bispo.

Por isso, é importante, como tem ouvido de vários sacerdotes no terreno, “rezar muito para não nos tornamos iguais ao agressor, para não nos tornarmos iguais aos que semeiam a morte, porque se a vítima se enche de ódio, perdeu de um ponto de vista espiritual”, sustenta.

Visvaldas Kulbokas considera que “a mensagem mais importante do Santo Padre” é de que é “importante fazer todo o possível, o que está na força humana, para que se estabeleça cada vez mais um clima, se não de diálogo, pelo menos de contacto”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil

Apelo internacional

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil novidade

Com o objetivo de “aumentar a assistência humanitária às comunidades afetadas pelas devastadoras inundações no Rio Grande do Sul, no Brasil”, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) lançou um “apelo de emergência de cerca de oito milhões de euros”, anunciou a Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), na última quarta-feira, 22 de maio.

A Dignidade da pessoa humana como prioridade

A Dignidade da pessoa humana como prioridade novidade

Na semana depois de Pentecostes é oportuno recordar a publicação da declaração Dignitas Infinita sobre a Dignidade Humana, elaborada durante cinco anos e divulgada pelo Dicastério para a Doutrina da Fé, pondo a tónica na dimensão universal, filosófica e antropológica, do respeito pela pessoa humana enquanto fator de salvaguarda dos direitos humanos, do primado da justiça e do reconhecimento de que todos os seres humanos como livres e iguais em dignidade e direitos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This