Um dos "pais" da União Europeia

Robert Schuman: Vaticano reconhece “virtudes heroicas” para a beatificação

| 19 Jun 21

Robert Schuman

Robert Schuman. Foto: Direitos reservados.

 

O Papa Francisco deu este sábado, 16, luz verde ao processo de beatificação de Robert Schuman, um dos arquitetos da União Europeia. O decreto que a Congregação para a Causa dos Santos foi autorizada a assinar inclui também o nome da monja espanhola María Stella de Jesús (1889-1982).

Schuman, que nasceu no Luxemburgo mas viveu grande parte da vida em França, sonhou, juntamente com Jean Monet, com uma Europa sem fronteiras. Começou por confrontar-se com os inconvenientes das fronteiras no seu quotidiano, quando era jovem e tinha de submeter-se quase quotidianamente ao controlo para circular de bicicleta na zona em que habitava, como revelou o seu amigo Robert Muller, numa entrevista que o 7MARGENS publicou recentemente.

Pode dizer-se que “as virtudes heroicas” que foram tidas em conta para o processo de beatificação agora assumido pelo Vaticano são, neste caso, as inerentes à atividade e ao compromisso de Schuman no campo da política.

Segundo a Igreja Católica em França, que instruiu localmente o processo de beatificação em 2004, foi o bispo de Metz, um alemão, que, no final da Grande Guerra 1914-18, o convenceu a meter-se na vida política, marcada pelo anticlericalismo, ele que era um católico convicto.

Em 1940, Schuman foi deportado para a Alemanha, mas conseguiu escapar-se e regressar a França para se juntar à Resistência contra os nazis. Abraçou a atividade política, que passou por assumir o cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros, como se se tratasse de “um apostolado”. Dotado de uma profunda vida interior que iluminava a sua ação, ficou na memória de alguém com quem partilhou responsabilidades governamentais, como “o tipo de verdadeiro democrata, imaginativo e criador, combativo na sua doçura, sempre respeitoso da pessoa, fiel a uma vocação interior que dava sentido à vida”.

 

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

Vários ataques no Nordeste do país

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria novidade

O último episódio de violência na Nigéria, com contornos políticos, económicos e religiosos, descreve-se ainda com dados inconclusivos, mas calcula-se que, pelo menos, duas centenas de pessoas perderam a vida na primeira semana de Janeiro no estado de Zamfara, Nigéria, após vários ataques de grupos de homens armados a uma dezena de aldeias. Há bispos católicos a sugerir caminhos concretos para pôr fim à violência no país, um dos que registam violações graves da liberdade religiosa. 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Papa doa 200 mil euros para ajudar migrantes e vítimas de tufão

Preocupado com Bielorrússia e Filipinas

Papa doa 200 mil euros para ajudar migrantes e vítimas de tufão novidade

O Papa Francisco enviou uma contribuição de 100 mil euros à Igreja das Filipinas, para ajudar o país asiático a minimizar as consequências do tufão Rai, que segundo dados das Nações Unidas provocou pelo menos 400 mortos, dezenas de desaparecidos, tendo afetado 8 milhões de pessoas em 11 regiões. Quantia equivalente foi destinada aos “grupos de migrantes bloqueados entre a Polónia e a Bielorrússia e em auxílio da Cáritas Polaca para enfrentar a emergência migratória na fronteira entre os dois países, devido à situação de conflito que já dura mais de 10 anos”, informou o Vaticano esta terça-feira, 18 de janeiro.

O Senhor a receber das mãos do servo

O Senhor a receber das mãos do servo novidade

Sendo hoje 6 de Janeiro (19 de Janeiro no calendário gregoriano), no calendário juliano (seguido por grande parte dos cristãos ortodoxos em todo o mundo), celebramos a Festa da Teofania de Nosso Senhor Deus e Salvador Jesus Cristo, isto é, a festa da manifestação ou revelação ao mundo da Sua divindade, no mistério do Seu Baptismo no rio Jordão, das mãos de São João Baptista.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This