Roma: distinção católica para um filme sobre a coragem solidária das mulheres

| 7 Jan 19

O filme Roma – realizado pelo mexicano Alfonso Cuarón -, que venceu o Leão de Ouro, prémio principal do Festival de Cinema de Veneza, foi galardoado também com o prémio da Signis – Associação Católica Mundial para a Comunicação, na 75ª edição do certame, que terminou no passado dia 8 de setembro.

Os jurados da Signis realçaram o “estilo ao mesmo tempo clássico e inovador e um uso sábio do preto e branco”, acrescentando que o realizador “constrói uma sugestiva e poética narrativa sobre o México dos anos 70”. “O filme captura as fraturas de uma sociedade que sofre mudanças profundas do ponto de vista familiar, e sublinha o papel essencial das mulheres, capazes de reagir com coragem e solidariedade face às dificuldades constantes. Roma ilustra brilhantemente as capacidades artísticas de Cuarón, com uma mise en scènerica e pessoal”, pode ler-se na nota divulgada à comunicação social.

O cineasta ganhou em 2014 o Óscar para melhor realizador com Gravidade, filme que obteve sete estatuetas. Para Roma, escreveu o argumento e co-assinou a fotografia e a montagem. Ao receber os prémios em Veneza, elogiou o elenco “por ter retratado as mulheres que [o] criaram”.

A Signis participa há 70 anos no Festival de Veneza e é representada em Portugal pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura. O júri daquele organismo foi constituído por Magali Van Reeth (França, presidente), Ivan Giroud (Cuba), Guido Convents (Bélgica), Massimo Giraldi e Sergio Perugini (Itália).

Fica a seguir o trailer do filme:

 

Breves

Boas notícias

Outras margens

Cultura e artes

O Karimojong português novidade

O padre Germano Serra, um missionário comboniano português, acaba de publicar o dicionário mais completo da língua karimojong, uma tribo semi-nómada do Uganda por que se apaixonou há quase quatro décadas.

Precisamos de nos ouvir (22) – António Durães: Talvez a arte nos possa continuar a salvar novidade

Por força não sei de que determinação, o meu mundo, o mundo teatral, divide-se, também ele, em duas partes. Não há Tordesilhas que nos imponha o mundo assim, mas a verdade teatral determina-o: o mundo da sala e o mundo do palco. A cortina de ferro divide esses dois mundos de forma inexorável. Por razões de segurança, mas também por todas as outras razões. E esses dois mundos apenas se comunicam, quando o Encontro, como chamavam alguns antigos ao espectáculo, se dá.

CRC promove homenagem a Luís Salgado Matos

O Centro de Reflexão Cristã promove no próximo dia 10 de março um encontro de homenagem a Luís Salgado de Matos, falecido a 15 de fevereiro, autor com um largo contributo para o estudo da história religiosa contemporânea com muitas obras e artigos.

Pessoas

O Karimojong português

O Karimojong português novidade

O padre Germano Serra, um missionário comboniano português, acaba de publicar o dicionário mais completo da língua karimojong, uma tribo semi-nómada do Uganda por que se apaixonou há quase quatro décadas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Arte de rua: amor e brilho no olhar novidade

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade novidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This