Homenagem no Parlamento

Roménia reconhece massacres contra judeus

| 2 Jul 2021

Monumento de homenagem às vítimas do pogrom de Iasi. Foto © Wikimedia Commons

Monumento de homenagem às vítimas do pogrom de Iasi. Foto © Wikimedia Commons.

 

O Parlamento romeno prestou homenagem às vítimas do pogrom contra os judeus, em Iasi, em 1941, numa comemoração sem precedentes: durante anos, o país negava a sua participação no genocídio da II Guerra Mundial e a Roménia era identificada por vezes como a Shoah esquecida.

A homenagem de quarta-feira, 30, é o ponto de chegada de um trabalho de memória de vários anos. “Temos de reconhecer que o nosso passado nem sempre foi glorioso”, afirmou o primeiro-ministro Florin Citu, referindo-se ao “inimaginável sofrimento, crueldade e selvageria”, conforme conta o jornal protestante La Réforme.

O massacre de judeus foi liderado pelo marechal pró-nazi Ion Antonescu na cidade de Iasi (Nordeste da Roménia, junto á fronteira com  Moldávia) e vitimou quase 15.000 pessoas, ou seja, um terço da população judaica daquela cidade universitária.

Florin Citu destacou, por isso, o “dever de verdade e justiça para assegurar que tal tragédia não se repita”. Na cerimónia participaram os últimos sobreviventes do massacre, bem como vários membros do Governo e diplomatas.

Ao comemorar este trágico episódio, o pior da história moderna da Roménia, o Parlamento do país “está a lançar as bases para a reconciliação”, afirmou entretanto o representante do Governo para a memória do Holocausto, Alexandru Muraru, numa declaração citada pela mesma fonte.

O Yad Vashem – Centro para a Memória do Holocausto, em Jerusalém, assinala que a Roménia, aliada da Alemanha nazi entre 1940 a 1944, tinha uma população judaica de cerca de 757.000 habitantes antes da Segunda Guerra Mundial.

“As tendências antissemíticas extremas, há muito evidentes no país, aumentaram nas vésperas da guerra.” Em Junho de 1941, poucas semanas depois da invasão da então União Soviética pela Alemanha nazi e pelo exército romeno (já sob a ditadura de Antonescu), o exército romeno, com a cooperação parcial do Einsatzgruppe D alemão, e ainda de uma parte da população local, massacrou entre 100 mil e 120 mil pessoas judias na Bessarábia e Bucovina do Norte.

Massacres semelhantes, assinala ainda o Yad Vashem, foram levados a cabo pelo exército romeno na Ucrânia Ocidental e especialmente na cidade de Odessa. Antes disso, já se tinham verificado pogrons em Iasi e várias outras cidades.

Deportação de judeus em Briceva, na Bessarábia, em 1941. Foto © Arquivo do Yad Vashem (58451)

Deportação de judeus em Briceva, na Bessarábia, em 1941. Foto © Arquivo do Yad Vashem (58451).

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Ucrânia tem direito à defesa, mas só meios militares é um risco”

Comissões Justiça e Paz da Europa

“Ucrânia tem direito à defesa, mas só meios militares é um risco” novidade

“O direito da Ucrânia a defender-se é indiscutível e todos os fornecimentos de armas que permitam a sua defesa no quadro dos imperativos da proporcionalidade e do direito humanitário internacional são legítimos”, diz a plataforma católica Justiça e Paz Europa. No entanto, “os meios militares, por si só, não podem trazer uma paz duradoura”.

A hermenêutica de Jesus (3): Jesus e as Parábolas

A hermenêutica de Jesus (3): Jesus e as Parábolas novidade

O ensino das sagradas escrituras na época de Jesus era uma prática comum entre o povo judeu. Desde cedo, os rabinos ensinavam às crianças a leitura e escrita da Torá e a memorizar grandes porções da mesma. Entre as várias técnicas de ensino, estava a utilização de parábolas.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This