Homenagem no Parlamento

Roménia reconhece massacres contra judeus

| 2 Jul 2021

Monumento de homenagem às vítimas do pogrom de Iasi. Foto © Wikimedia Commons

Monumento de homenagem às vítimas do pogrom de Iasi. Foto © Wikimedia Commons.

 

O Parlamento romeno prestou homenagem às vítimas do pogrom contra os judeus, em Iasi, em 1941, numa comemoração sem precedentes: durante anos, o país negava a sua participação no genocídio da II Guerra Mundial e a Roménia era identificada por vezes como a Shoah esquecida.

A homenagem de quarta-feira, 30, é o ponto de chegada de um trabalho de memória de vários anos. “Temos de reconhecer que o nosso passado nem sempre foi glorioso”, afirmou o primeiro-ministro Florin Citu, referindo-se ao “inimaginável sofrimento, crueldade e selvageria”, conforme conta o jornal protestante La Réforme.

O massacre de judeus foi liderado pelo marechal pró-nazi Ion Antonescu na cidade de Iasi (Nordeste da Roménia, junto á fronteira com  Moldávia) e vitimou quase 15.000 pessoas, ou seja, um terço da população judaica daquela cidade universitária.

Florin Citu destacou, por isso, o “dever de verdade e justiça para assegurar que tal tragédia não se repita”. Na cerimónia participaram os últimos sobreviventes do massacre, bem como vários membros do Governo e diplomatas.

Ao comemorar este trágico episódio, o pior da história moderna da Roménia, o Parlamento do país “está a lançar as bases para a reconciliação”, afirmou entretanto o representante do Governo para a memória do Holocausto, Alexandru Muraru, numa declaração citada pela mesma fonte.

O Yad Vashem – Centro para a Memória do Holocausto, em Jerusalém, assinala que a Roménia, aliada da Alemanha nazi entre 1940 a 1944, tinha uma população judaica de cerca de 757.000 habitantes antes da Segunda Guerra Mundial.

“As tendências antissemíticas extremas, há muito evidentes no país, aumentaram nas vésperas da guerra.” Em Junho de 1941, poucas semanas depois da invasão da então União Soviética pela Alemanha nazi e pelo exército romeno (já sob a ditadura de Antonescu), o exército romeno, com a cooperação parcial do Einsatzgruppe D alemão, e ainda de uma parte da população local, massacrou entre 100 mil e 120 mil pessoas judias na Bessarábia e Bucovina do Norte.

Massacres semelhantes, assinala ainda o Yad Vashem, foram levados a cabo pelo exército romeno na Ucrânia Ocidental e especialmente na cidade de Odessa. Antes disso, já se tinham verificado pogrons em Iasi e várias outras cidades.

Deportação de judeus em Briceva, na Bessarábia, em 1941. Foto © Arquivo do Yad Vashem (58451)

Deportação de judeus em Briceva, na Bessarábia, em 1941. Foto © Arquivo do Yad Vashem (58451).

 

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This