Prémio Árvore da Vida no Indie

Rosinha e o tenebroso espelho para onde nos custa olhar

| 7 Mai 2023

Imagem do cartaz de promoção de Rosinha e outros bichos do mato.

Imagem do cartaz de promoção de Rosinha e outros bichos do mato.

 

“Um filme que perscruta a ideia de ‘racismo suave’ e como esta vem beber ao enaltecido colonialismo português” é o ponto de partida de Rosinha e outros bichos do mato, que ganhou o Prémio Árvore da Vida, atribuído desde 2010 pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC) no festival de cinema independente IndieLisboa.

“A Rosinha titular é uma nativa guineense que se torna no símbolo da primeira exposição colonial portuguesa apresentada pelo Estado Novo em 1934. Uma viagem ao passado para entender o presente”, lê-se na sinopse deste documentário Rosinha e outros bichos do mato (2023, 101 minutos), da realizadora Marta Pessoa.

A referida exposição colonial de 1934 levou aos jardins do Palácio de Cristal, no Porto, “a recriação das aldeias indígenas e ‘exemplares’ dos povos que as habitavam. Rosinha veio com ela da Guiné e está presente em vários filmes e imagens oficiais”.

O filme lança o debate sobre “quem é Rosinha?” e “quem são as rosinhas históricas que nos fizeram acreditar na lição do Estado Novo e que talvez expliquem de que modo chegámos aos nossos dias a acreditar que ‘Portugal não é um país racista’”. 

No texto de apresentação do filme, Margarida Moz (programadora que fez parte do comité de seleção desta 20.ª edição do IndieLisboa) defende que, “ao longo deste documentário, a história da propaganda fascista surge como um tenebroso espelho para onde nos custa olhar. Portugal é um país com uma História por contar, e este filme é uma belíssima forma de contrariar esse silêncio”.

O argumento é assinado por Marta Pessoa, Rita Palma e a produtora Três Vinténs, que compõem igualmente o elenco, a par de Binete Undonque, alunos da Escola Profissional de Marvila, Grupo Etnográfico de Areosa e Paulo Pinto.

“O vencedor do Prémio Árvore da Vida é uma investigação ao nosso passado colonial, ao discurso político, à ideia que temos de nós e do Outro, uma viagem à dignidade humana e a algumas indignidades através do trabalho de arquivo e da imaginação”, assinalam os jurados.

O júri do Prémio Árvore da Vida, Pedro Mexia, antigo subdiretor e diretor interino da Cinemateca Portuguesa, poeta, escritor e crítico, e Rui Martins, do SNPC, decidiu também conceder uma menção honrosa a As Lágrimas de Adrian (2023, 18 minutos), curta-metragem de Miguel Moraes Cabral. “A partir de imagens de arquivo, tece-se uma improvável história de um menino que não parava de chorar, tanto criando cheias como paraísos”, explica a sinopse. “A menção honrosa é atribuída a um filme de montagem que, usando imagens de arquivo, faz uma ligação poética entre o sofrimento individual e os grandes movimentos do mundo e da História”, anotam os jurados.

Com o valor de dois mil euros, o Prémio Árvore da Vida distingue um dos filmes selecionados pela organização do IndieLisboa para a secção Competição Nacional, tendo como critério os seus valores espirituais e humanistas, a par das qualidades cinematográficas.

 

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses

Sucedendo a José Diogo Ferreira Martins

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses novidade

A psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da direção nacional da Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP). A médica, que trabalha na Casa de Saúde do Telhal (Sintra) e é uma das responsáveis pelo Gabinete de Escuta do Patriarcado de Lisboa, foi eleita por unanimidade no passado sábado, 13 de abril, para o triénio 2024-2026.

Cristianismo e democracia

Cristianismo e democracia novidade

Em tempo de comemoração dos cinquenta anos da revolução de 25 de abril, penso dever concluir que o maior legado desta é o da consolidação do Estado de Direito Democrático. Uma consolidação que esteve ameaçada nos primeiros tempos, mas que se foi fortalecendo progressivamente. Esta efeméride torna particularmente oportuna a reflexão sobre os fundamentos éticos da democracia. [Texto de Pedro Vaz Patto]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Alfredo Teixeira em conferência dia 16

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã novidade

Podem algumas canções de intervenção ligadas à Revolução de 25 de Abril de 1974 relacionar-se com o catolicismo? O compositor e antropólogo Alfredo Teixeira vai procurar mostrar que há uma “afinidade” que une linguagem bíblica e cristã à música de Zeca, José Mário Branco, Lopes-Graça, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho e outros.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This