Roubaix: um conto de Natal (em Novembro)

| 5 Nov 20

Filme Roubaix, Misericórdia, Arnaud Desplechin

Imagem de Roubaix, Misericórdia, de Arnaud Desplechin.

 

Ao ler uma entrevista (Público/Ípsilon, 11 de setembro) do realizador Arnaud Desplechin, ainda antes de ir ver o filme, houve logo duas coisas que me fizeram pensar no Papa Francisco e no caminho que ele insistentemente propõe aos baptizados. Essa impressão foi agora, no momento em que escrevo, alargada pela leitura da sua nova encíclica Todos Irmãos (Fratelli Tutti).

“Como é que faz com a miséria?”, pergunta Louis a Daoud. “Ela ilumina-se”, responde ele. Daoud é o chefe da esquadra e Louis o seu tenente, acabado de formar e ainda pouco experiente.

Alguém pergunta a Daoud: “Como é que sabes se alguém é culpado ou inocente?” Ele responde que se coloca na posição do outro e nunca se engana.

Estou a falar do filme Roubaix, Misericórdia, mas que, em francês, tem um título “complementar”: Roubaix, uma luz.

Roubaix é a terra natal do realizador, uma das cidades mais pobres de França, marcada por crimes e violência. É aqui que se passa o filme, nascido de um documentário que o realizador viu, por acaso, uma noite ao chegar a casa. O documentário, feito para o canal 3 da televisão francesa, em 2002, retratava o dia-a-dia na esquadra da polícia da cidade, recolhendo sobretudo as confissões dos que eram apanhados. A certa altura, duas mulheres confessam ser as autoras do assassinato da sua vizinha idosa, que tinha sido encontrada asfixiada na cama.

É este caso que vai levar Arnaud a realizar o filme. Mas não lhe interessa o crime como sintoma social ou passional nem fazer um filme policial. O que lhe importa é o crime como testemunha da existência e da opacidade do Mal. O que lhe interessa é a redenção daquelas duas mulheres que cometeram um crime tão abjecto e cruel, por quase nada, a não ser o estarem perdidas. E é esse longo e dilacerante caminho de redenção, que tem o seu momento culminante na repetida e ritualizada reconstituição do crime, até as duas conseguirem chegar à verdade delas mesmas, que faz deste filme uma luz e uma misericórdia. “São duas mulheres que não se sabem amar”, diz o realizador.

E a luz é esse chefe da esquadra. “Daoud escuta os outros e devolve-os a si próprios. Há misericórdia em Daoud, que é um sentimento cristão e não se espera que possa ser o centro de uma personagem muçulmana… Daoud nunca pergunta ‘porquê’, não é um cristão, ele pergunta ‘como’. É assim que restitui as pessoas a si mesmas. Há santidade na vida, acredito nisso.” São palavras do realizador na referida entrevista a quem, diz ele, amigos e críticos telefonaram dizendo, por exemplo: “É magnífico, é a história de um padre que se tornou polícia”; “Não, não, Daoud é um anjo. Viste as Asas do Desejo?”

Daoud é o milagre de Natal que se faz homem (a acção desenrola-se na altura do Natal). Onde ele aparece a luz acende-se.

De facto, o que está em causa para Daoud é a redenção daquelas duas mulheres que não sabem amar-se, é a alma escondida no meio de tanta miséria. Di-lo o realizador de maneira sublime, no filme e nas palavras: “Aquelas duas mulheres não sabem amar-se e no fim, quando são encaminhadas para a prisão, a personagem de Sara adormece, a de Léa olha para a janela. E de repente são elas mesmas e escapam às definições em que as poderíamos enclausurar: por exemplo, a mulher alcoólica, que tem uma criança… Não. Ela é mais do que isso. Ela é Claude. E Marie que adormece é Marie. Elas transcendem as etiquetas que os sociólogos lhes destinam. É isso, afinal, o que faz Daoud: devolve-lhes as coisas.”

Porque “o outro nunca há-de ser circunscrito àquilo que pôde ter dito ou feito, mas deve ser considerado pela promessa que traz em si mesmo” (Todos Irmãos, 228).

Prometi a mim mesmo que iria tentar perguntar sempre “como”, a ver se também consigo ser um pouco anjo, um pouco luz, um pouco misericórdia. Foi por tudo isto que o filme me fez lembrar tanto o Papa Francisco e o Evangelho segundo Jesus.

 

Roubaix, Misericórdia, de Arnaud Desplechin
Título original: Roubaix, une lumière
Drama; M/14; 2019, Cores, 119 min.

 

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Esmoriz (Ovar); o texto foi inicialmente publicado na revista Mensageiro de Santo António, de Novembro de 2020.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Os Dias da Semana – Um mau poema suja o mundo

Os Dias da Semana – Um mau poema suja o mundo

Bons espíritos sustentam que a poesia ocidental fala quase exclusivamente de amor e de morte. Não seria, também por isso, de estranhar o tema do poema inédito de Joan Margarit, que poderá ter sido escrito no período em que o autor teve de enfrentar o cancro que o vitimaria.

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Cardeal Tolentino vence Prémio Universidade de Coimbra

O Prémio Universidade de Coimbra foi atribuído ao cardeal José Tolentino Mendonça, anunciou a instituição nesta quinta-feira, 25. O reitor, Amílcar Falcão, referiu-se ao premiado como “uma figura ímpar, uma pessoa de cultura com uma visão social inclusiva.”

Recolha de bens e fundos para Pemba continua em Braga até 31 de março

O Centro Missionário Arquidiocesano de Braga – CMAB decidiu prolongar até 31 de março a campanha para recolha de bens a enviar para Moçambique, onde serão geridos e distribuídos pela Diocese de Pemba, para apoiar “o meio milhão de pessoas deslocadas que fogem das suas aldeias atacadas por um grupo sem rosto.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Prémio para trabalhos académicos sobre templos cristãos

Um prémio no valor de 1.000 euros e uma bolsa de estudo para um estágio de três meses no atelier Meck Architekten (Munique) vai ser atribuído pela Fundação Frate Sole à melhor tese de licenciatura, mestrado ou de doutoramento sobre uma igreja de culto cristão.

Entre margens

Servir: lavar as mãos, lavar os pés, lavar o coração novidade

Depois de alguma leitura, aquela conversa não me saía da cabeça. Lembrei-me do ritual do “Lava pés”, que teve lugar na última ceia de Jesus Cristo, na qual Ele ensinou-nos, entre outras coisas, a partilhar o pão e o vinho (a comida) e a servir (lavou os pés aos seus discípulos). Lembrei-me também de uma tradição ocidental, segundo a qual quando alguém vai à casa de outrem pela primeira vez, a dona de casa deve servir ao visitante o “primeiro copo”. Por ser de “bom tom”, é cortês. E é, porque abre o à vontade ao visitante.

Como o “bicho” mexe com a prática religiosa

A verdade é que um de cada três cristãos praticantes americanos parou de frequentar a igreja com a pandemia, apesar da evidência de que a comunidade de fé exerce um efeito integrativo do ponto de vista social, de estabilização emocional e promove o encorajamento e a esperança dos indivíduos. Curiosamente, as gerações mais novas apresentaram mais dificuldades na substituição das celebrações presenciais pelas online, eventualmente devido a uma maior necessidade gregária.

Direitos Humanos das Pessoas Idosas. Importa-se de repetir?

Todos os textos são incontroversos, lembram que os idosos têm direito a trabalhar ou a ter uma fonte de rendimento, a viver com dignidade e segurança, a poder residir em casa pelo máximo de tempo possível, a formar associações que defendam os seus interesses ou a aceder a programas educacionais próprios; e reafirmam que os mais velhos contribuem para o desenvolvimento das sociedades de que fazem parte (tem o seu quê de irónico, dada a média etária dos “líderes mundiais”).

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This