Rumi, Al-Sistani e o Papa Francisco

| 19 Mar 21

A Suas Simplicidades,
o Ayatollah Al-Sistani e o Papa Francisco,
um belo poema de Rumi, poeta e místico sufi

Uma ilustração representando o poeta Yalal ad Din Muhammad Rumi. 

 

O sufismo designa a diversificada corrente mística do Islão, que surgiu logo no início em consequência das lutas de sucessão no poder a seguir a Maomé (Muhammad). Foi alimentado pelo platonismo e cristianismo, nomeadamente pela ideia de Logos e pela vida ascética dos Padres do Deserto. Contudo, Maomé não favorecia o desapego místico para com o mundo: defendia a luta (interior e exterior) pelo bem e contra o mal, manifesta na melhor organização da sociedade.

Algumas das tendências espirituais que se encontram em diversas escolas sufistas: não procurar êxtases; Deus transforma o momento de cada vida; Deus é o guia interior das nossas boas acções; experiência de Deus (mais ou menos visionária); obediência estricta; Deus encontra-se no trabalho de cada dia.

O poeta sufi Rumi (1207-1273) deixou algumas frases célebres:

“A minha religião é viver pelo amor.” “A minha morte são as minhas núpcias com a eternidade.” “Se o teu espelho te mostra uma cara feia, não adianta nada espatifar o espelho com o teu punho.”

Formou um grupo à sua volta, guiado pela simplicidade, alegria e amor.

A propósito do encontro entre o Papa Francisco e o Ayatollah Ali al-Sistani, no Iraque, traduzo este poema da tradução inglesa sobre o original, que já referia a dificuldade de penetrar nesse mundo interior. Esforcei-me por manter uma fundamentada empatia e um fraseado elegante. Utilizei especialmente as seguintes obras: The Religious Experience of Mankind (Ninian Smart, Collins, 1971); The Message and the Book (John Bowker, Yale University Press, 2012 – donde o poema, p. 156-157):

Se andas à procura, vem alegre ter connosco
Pois nós vivemos no reino da alegria.
A nada mais deixes entregue o coração
Senão ao amor que traz plena alegria.
Nem te deixes perder nos arrabaldes do desespero.
Em toda a parte há esperança: ela é real, ela existe.
Eu te juro: em toda a parte existe sol.

 

“A longa viagem começa por um passo”, recriemos…

“A longa viagem começa por um passo”, recriemos… novidade

Inicio o meu quarto ano de uma escrita a que não estava habituada, a crónica jornalística. Nos primeiros três anos escrevi sobre a interculturalidade. Falei sobre o modo como podemos, por hipótese, colocar as culturas moçambicanas e portuguesa a dialogarem. Noutras vezes, inclui a cultura judaica, no diálogo com essas culturas. De um modo geral, tenho-me questionado sobre a cultura, nas suas diferentes manifestações: literatura, costumes, comportamentos sociais, práticas culturais, modos de ser, de estar e de fazer.

125 padres e católicos alemães assumem publicamente condição LGBTQI

Manifesto inédito em todo o mundo

125 padres e católicos alemães assumem publicamente condição LGBTQI

Um total de 125 pessoas, incluindo vários padres, trabalhadores a tempo inteiro ou voluntários na Igreja Católica nos países de língua alemã, anunciam hoje a sua condição LGBTQI+. A iniciativa tem o título #OutInChurch. Por uma Igreja sem medo e acompanha, também, a emissão de um documentário televisivo. É a primeira vez na história, em todo o mundo, que um grupo de crentes se assume deste modo, colectivamente, na praça pública.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia

Há tempos, numa visita a uma adega nacional conhecida, em turismo, ouvi uma curiosa explicação da nossa guia que me relembrou imediatamente da vida de fé e das questões dos tempos modernos. Dizia-nos a guia que é hábito encontrar roseiras ao redor das vinhas como salvaguarda: quando os vitivinicultores encontravam algum tipo de doença nas roseiras, algum fungo, sabiam que era hora de proteger a vinha, de a tratar, porque a doença estava próxima.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This