Obras deixam rasto de polémica

Rupnik passou a ser ex-jesuíta, mas mantém-se padre, para já sem diocese

| 18 Jul 2023

Marko Ivan Rupnik, padre jesuíta, arte

Marko Ivan Rupnik já não é jesuíta mas, para já, mantém-se como padre. Foto © Centroaletti, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

O presbítero e artista Marko Rupnik foi declarado expulso da Companhia de Jesus, devido à sua “recusa repetida” de abordar com os responsáveis da congregação as alegações de abuso sexual e de cumprir as restrições que lhe foram impostas.

A informação acaba de ser prestada pelo superior direto de Rupnik, o padre Johan Verschueren, que não fez, por ora, qualquer comentário a uma posição do Centro Aletti, onde o artista trabalhava, segundo a qual o próprio Rupnik havia solicitado a sua saída dos jesuítas, já em 21 de janeiro deste ano, “observando todas as condições canónicas exigidas”.

Em qualquer caso, o desfecho passaria pela saída do padre. De acordo com a posição da Companhia, ele tinha até sexta-feira passada, dia 14, para recorrer da decisão de expulsão, tornando-se esta efetiva, caso não houvesse resposta, o que aconteceu.

A separação da Companhia de Jesus não acarreta o abandono do ministério presbiteral, ainda que Marko Rupnik precise de encontrar um bispo que aceite acolhê-lo e incardiná-lo na sua diocese, para que possa exercer como padre.

Com a saída de Rupnik há vários aspetos que se mantêm indefinidos. Um deles, que o padre Verschueren não referiu, é o que acontecerá aos restantes padres jesuítas que trabalhavam com Rupnik no Centro Aletti e que, segundo a diretora desta instituição artística e editorial, Maria Campanelli, tinham pedido igualmente para abandonar a Companhia.

Por outro lado, o Centro Aletti, fundado por Rupnik em meados dos anos 90, ocupa um edifício que foi doado aos jesuítas para dar vida e desenvolvimento ao projeto artístico, ao passo que a instituição que nele funciona passou a ser uma “associação pública de fiéis”, reconhecida e dependente da arquidiocese de Roma. O cardeal vigário, que representa o Papa Francisco como bispo, prometeu, há alguns meses, dar a conhecer oportunamente decisões que teriam de ser tomadas quanto ao Centro, não o tendo feito até agora, pelo menos publicamente.

 

“Acusações difamatórias e não provadas”

Jesus, Caná, Arte, Marko Ivan Rupnik, Lourdes, Basílica de Nossa Senhora do Rosário

Milagre de Jesus nas bodas de Caná. Obra de Rupnik na fachada da basílica de Lourdes (França), cujo destino o bispo local está a avaliar . Foto © António Marujo/7Margens

 

Finalmente, cabe referir que a carta de defesa de Rupnik, divulgada no último mês pela diretora do Centro Aletti, considerava as múltiplas e graves denúncias de abusos sexuais e de poder por parte daquele padre “uma campanha mediática baseada em acusações difamatórias e não provadas”. Negava, assim, pelo menos dois processos apreciados e julgados na então Congregação para a Doutrina da Fé, um dos quais foi arquivado por prescrição, em 2022, e outro resultou em reconhecimento de excomunhão automática (latae sententiae), em maio de 2020, levantada umas semanas depois em circunstâncias não totalmente esclarecidas.

De qualquer modo, segundo a responsável do Aletti, terá sido a credibilidade manifestada pelos superiores dos jesuítas à referida “campanha mediática” que terá levado Rupnik a tomar a iniciativa de pedir para abandonar a congregação.

O comunicado de Maria Campanelli silencia, porém, a recusa do padre Rupnik a corresponder a várias tentativas do seu superior, Johan Verschueren, para dialogar com ele, desde finais de 2022.

Um outro tema que continua a desencadear polémica diz respeito às muitas dezenas de obras em mosaico (fala-se em mais de 200) da autoria de Rupnik e da sua equipa, espalhadas um pouco por todo o mundo, as quais, em alguns casos, têm suscitado problemas. Há quem entenda que uma coisa é o artista e outra a sua obra e que esta não se pode questionar a partir de eventuais “pecados”, mesmo que graves, do seu autor. Mas há situações problemáticas. Várias vítimas de abusos insurgiram-se contra o facto de o santuário de Nossa Senhora de Lourdes, em França, ter vários painéis de Rupnik e o bispo local criou uma comissão para ponderar o que fazer. Numa basílica polaca toda decorada pela equipa do ex-jesuíta, um grupo de vítimas que aí se reunia regularmente para rezar teve de procurar outro local, por se sentir incomodado com os trabalhos de um abusador. Noutros locais, discute-se a possibilidade de manter os painéis, mas colocar uma legenda a explicar quem foi o seu autor. [ver 7MARGENS]

Recorde-se que, desde a basílica da Santíssima Trindade, em Fátima, ao santuário da Senhora Aparecida, no Brasil, passando pela capela Redemptoris Mater no Vaticano, algumas das obras de Rupnik se destacam pela sua imponência e visibilidade, sendo difícil ou mesmo impossível a quem ali frequenta o culto ou simplesmente visita esses locais fazê-lo sem ruído e alguma perturbação.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This