Após tentativa de assalto falhada

Padre morre carbonizado na Nigéria

| 15 Jan 2023

O padre Isaac Achi morreu no incêndio provocado por assaltantes que procuravam entrar em sua casa. Foto © Vatican Media

O padre Isaac Achi morreu no incêndio provocado por assaltantes que procuravam entrar em sua casa. Foto © Vatican Media

 

O padre Isaac Achi, um sacerdote nigeriano, morreu quando um grupo de assaltantes largou fogo à sua casa após uma tentativa de assalto que foi mal sucedida. O sacerdote morreu no incêndio.

No mesmo assalto, um outro sacerdote, padre Collins, foi ferido nas costas enquanto tentava fugir dos assaltantes e foi levado para o hospital para receber tratamento. O comissário de Polícia, do Comando do Estado, Ogundele Ayodeji, enviou uma equipa de reforço para a área “e esforços estão a ser feitos para prender os agressores. Foi iniciada uma investigação sobre o trágico ataque”, noticiou o Vatican News.

Confirmando o violento e trágico ataque, ocorrido por volta das 3h da manhã, o chefe de relações públicas da polícia do Estado, Wasiu Abiodun, declarou que “os bandidos tentaram entrar na residência, mas não conseguiram, atearam fogo à casa, e o sacerdote morreu carbonizado”. Equipas táticas da polícia de Kafin-Koro, relatou Abiodun, “foram imediatamente enviadas ao local, mas os bandidos fugiram antes de elas chegarem”.

 

A Loucura do Bem Comum

A Loucura do Bem Comum novidade

O auditório está quase cheio e no pequeno palco alguém inicia a conferência de abertura. Para me sentar, passo frente a quem chegou a horas e tento ser o mais discreta possível. Era o primeiro tempo do PARTIS (Práticas Artísticas para a Inclusão Social) de 2024 na Fundação Gulbenkian. O tema “Modelos de escuta e participação na cultura” desafiou-me a estar e ganhei esse tempo! [Texto Ana Cordovil]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

O regresso da sombra da escravidão

O regresso da sombra da escravidão novidade

Vivemos um tempo de grande angústia e incerteza. As guerras multiplicam-se e os sinais de intolerância são cada vez mais evidentes. A fim de ser concreta também a nossa Quaresma, o primeiro passo é querer ver a realidade. O direito internacional e a dignidade humana são desprezados. [O texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This