Santa Sofia novamente mesquita

| 18 Jul 2020

Santa Sofia novamente mesquita

| 18 Jul 20

Façam o que fizerem, Ele permanece o seu Senhor

 

Está decidido: Erdogan decidiu reconverter Santa Sofia em mesquita, revertendo a decisão de 1934 que a tinha secularizado e transformado em museu. Foi mandada construir em 537, pelo imperador Justiniano, um exímio reorganizador do Império Romano, empreendedor do célebre Corpus Iuris Civilis, para ser a catedral de Constantinopla. Após a conquista da cidade pelos otomanos, em 1453, a catedral foi transformada em mesquita. Permaneceu como lugar de culto islâmico até 1934.

De uma grandiosidade imparável, nela se encontram, ou encontravam, inúmeras relíquias, alguns mosaicos restantes, dos quais se destaca o Pantocrator. Apesar da natureza an-icónica do islão, algumas destas imagens ainda persistem. É emocionante notar como no exterior, relegado a um canto, está o púlpito onde terá pregado São João Crisóstomo. Quantos padres, quantas comunidades cristãs rezaram e entoaram hinos ao Senhor, dentro daquelas grandiosas paredes. Hagia Sophia (Santa Sabedoria) é dedicada ao Logos, a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, com festa de dedicação a 25 de Dezembro.

Cristo Pantocrator, mosaico da Catedral de Santa Sofia

 

A história da Igreja antiga não pode ser olvidada. Grande parte dos lugares pujantes do cristianismo primitivo foram subjugadas ao islão, um dos fenómenos mais tristes da história da Igreja. Não podemos reverter os fatos. No entanto, podemos encontrar semelhanças em relação à perda do património espiritual, eclesial da velha Europa cristã, agora subjugada ao materialismo e à indiferença da pós-verdade.

O momento presente pode ser uma oportunidade fecunda de oração e conhecimento, de encontro autêntico com o Senhor. Roland Barthes (1915-1980) definiu a sabedoria “como nenhum poder, um pouco de sabor, um pouco de inteligência e quanto mais sabor possível”. E, continua, “existe uma idade em que se ensina aquilo que se sabe, mas depois vem outra em que se ensina aquilo que não se sabe: a isto se chama procurar”.

Ao cristianismo hodierno falta-lhe profundidade. Muitos cristãos instalaram-se na modernidade. Há necessidade de procurar novos desertos, como fizeram os monges durante a instalação do cristianismo na política do Império Romano (380). Por isso, muitos procuram outros caminhos que, no entanto, não encontram na Igreja-instituição.

E ainda mais, como muito bem descreve Tomás Halík, “há seres humanos cuja parte consciente, visível e audível da personalidade está de todo saturada, mais ainda, empanturrada de religião… mas quando se conhecem mais de perto não conseguimos defender-nos da impressão de que a sua religião está apenas ali, à superfície. No seu coração estão fechadas, são frias, egoístas, incrédulas.” (Tomás Halík, O Abandono de Deus, p. 52, ed. Paulinas). Segundo a psicologia da profundidade, têm religião, mas não Cristo.

Não será este o maior desafio da nossa pastoral? Se continuarmos na superficialidade, na ausência de Cristo, muitas mais igrejas se tornarão mesquitas, museus ou bibliotecas. Uma das tragédias da Europa é o esquecimento da sua memória, da sua identidade. Não é mais um acontecimento, é um sinal, um alerta. Mas ainda nos resta a esperança de que Ele será sempre o Senhor das comunidades nascidas e alimentadas dentro daquelas paredes.

 

Hélder Miranda Alexandre é padre católico e reitor do Seminário Episcopal de Angra do Heroísmo

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Bairro é embaixador dos ODS

No Zambujal, vai nascer um mural para defender a gestão sustentável da água

O Bairro do Zambujal, localizado na freguesia de Alfragide (Amadora), está cada vez mais perto de se tornar “o primeiro bairro embaixador dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”. Com cinco dos seus edifícios a servir já de tela para uma série de murais que ilustram esses mesmos objetivos, prepara-se agora para receber a próxima pintura, dedicada à defesa do “ODS 6 – Água Potável e Saneamento”. Os trabalhos iniciais foram revelados nesta sexta-feira, 22 de março, data em que se assinala o Dia Mundial da Água.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Sílvia Duarte: Como uma cabeleireira descobriu na corrida um modo de ser solidária

Nova iniciativa dia 17

Sílvia Duarte: Como uma cabeleireira descobriu na corrida um modo de ser solidária novidade

Esta é uma história feita de acasos, se é que eles existem: a protagonista acha que fazem parte do “plano de Deus”. Inclui paixão por correr, doenças graves, maratonas sem sair do lugar, uma subida ao Evereste, amizades que se cruzam, e uma enorme vontade de tornar o mundo num lugar melhor. E ainda não terminou. No próximo dia 17 terá mais um episódio – no Estoril, mas com os olhos postos em Moçambique – em que todos podem participar: basta irem cortar e tratar os cabelos para assegurarem que mais crianças têm o que comer.

É notícia

Entre margens

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Cuidar do outro com humanidade

Cuidar do outro com humanidade novidade

A geração nascida em meados do século passado foi ensinada a respeitar os mais velhos, a escutá-los e seguir os seus ensinamentos, dada a sua condição de anciãos e, por tal, sabedores daquilo que é melhor para a família, para cada comunidade e para a sociedade em geral. Era assim que se preparavam as novas gerações para aprenderem a respeitar o outro, os seus pais, irmãos e avós, cuidando deles e uns dos outros, desde a nascença até à morte. [Texto de Caseiro Marques]

Retiro na Casa Daniel Faria: o silêncio do mistério inefável

Retiro na Casa Daniel Faria: o silêncio do mistério inefável

Decorreu no passado fim-de-semana 6 e 7 de julho o “Um retiro em julho, soa-vos bem?” que o 7MARGENS noticiou, o que fez engrossar as fileiras dos participantes na iniciativa, gente sedenta do Silêncio e do Belo que toque vidas, as reerga pelo lado bom. E foi, sim, uma espantosa novidade: na Casa Daniel Faria, houve um acolhimento pensado ao pormenor pela singeleza e o bom gosto no chamamento. [Texto Vera Constantino]

Cultura e artes

“A ‘espantosa realidade’ da História” celebra a obra de José Mattoso

Mostra na Biblioteca Nacional

“A ‘espantosa realidade’ da História” celebra a obra de José Mattoso

“Medievalista consagrado, existe um antes e um depois a partir da sua obra sobre a formação do reino português, sobre a História Social, Política, Cultural e Religiosa do Portugal da Idade Média”, diz a Biblioteca Nacional ao divulgar a mostra A ‘espantosa realidade’ da História que dedica ao historiador José Mattoso, assinalando um ano da sua morte.

Uma “oportunidade única” para descobrir os “tesouros” da Real Irmandade de Mafra

Exposição com entrada gratuita

Uma “oportunidade única” para descobrir os “tesouros” da Real Irmandade de Mafra

O que têm em comum a camisa que o rei Luís XV de França usou na sua sagração em Paris em 1722, a cruz com quase cinco metros que D. João V mandou vir de Roma em 1740 para a Procissão da Penitência da Ordem Terceira de São Francisco, e a coroa que a imagem de Nossa Senhora da Soledade “ganhou” aquando da sua coroação pontifícia, em setembro passado? Mais do que possa parecer.

Da anamnesis à poíesis

Posfácio ao livro de Frederico Dinis

Da anamnesis à poíesis

O 7MARGENS publica o Posfácio da autoria do Pe Joaquim Félix ao livro de Frederico Dinis, “A performatividade da memória em lugares religiosos”, editado pela UCP Editora. Quase em tempo de férias, muitas pessoas que visitam edifícios religiosos podem lucrar muito com a leitura deste livro.

Sete Partidas

Trabalho nunca será fácil

Trabalho nunca será fácil

Esta semana, enquanto despia a farda, para regressar a casa depois do dia de trabalho, subitamente assaltou-me uma ideia “a minha vida profissional nunca vai ficar fácil”. Incomodou-me o pensamento. Felizmente ninguém se cruzou comigo, saí e pude caminhar à sombra, até ao próximo “a fazer” do dia. As palavras, primeiro de sabor azedo, foram fazendo o caminho comigo. Dispersas e intrigantes. [Texto de Inês Patrício, Berlim]

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga

Decreto de extinção a marcar passo?

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga novidade

A pouco mais de três meses de se completar um ano, prazo dado pelo Vaticano para extinguir a Comunidade Loyola, um instituto de religiosas fundado por Ivanka Hosta e pelo padre Marko Rupnik, aparentemente tudo continua como no início, com as casas a funcionar normalmente. No caso da comunidade de Braga, para onde Ivanka foi ‘desterrada’ em meados de 2023, por abusos de poder e espirituais, a “irmã” tem mesmo estado a desenvolver trabalho numa paróquia urbana, incluindo como ministra extraordinária da comunhão, com a aparente cobertura da diocese.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This