Santa Sofia novamente mesquita

| 18 Jul 20

Façam o que fizerem, Ele permanece o seu Senhor

 

Está decidido: Erdogan decidiu reconverter Santa Sofia em mesquita, revertendo a decisão de 1934 que a tinha secularizado e transformado em museu. Foi mandada construir em 537, pelo imperador Justiniano, um exímio reorganizador do Império Romano, empreendedor do célebre Corpus Iuris Civilis, para ser a catedral de Constantinopla. Após a conquista da cidade pelos otomanos, em 1453, a catedral foi transformada em mesquita. Permaneceu como lugar de culto islâmico até 1934.

De uma grandiosidade imparável, nela se encontram, ou encontravam, inúmeras relíquias, alguns mosaicos restantes, dos quais se destaca o Pantocrator. Apesar da natureza an-icónica do islão, algumas destas imagens ainda persistem. É emocionante notar como no exterior, relegado a um canto, está o púlpito onde terá pregado São João Crisóstomo. Quantos padres, quantas comunidades cristãs rezaram e entoaram hinos ao Senhor, dentro daquelas grandiosas paredes. Hagia Sophia (Santa Sabedoria) é dedicada ao Logos, a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, com festa de dedicação a 25 de Dezembro.

Cristo Pantocrator, mosaico da Catedral de Santa Sofia

 

A história da Igreja antiga não pode ser olvidada. Grande parte dos lugares pujantes do cristianismo primitivo foram subjugadas ao islão, um dos fenómenos mais tristes da história da Igreja. Não podemos reverter os fatos. No entanto, podemos encontrar semelhanças em relação à perda do património espiritual, eclesial da velha Europa cristã, agora subjugada ao materialismo e à indiferença da pós-verdade.

O momento presente pode ser uma oportunidade fecunda de oração e conhecimento, de encontro autêntico com o Senhor. Roland Barthes (1915-1980) definiu a sabedoria “como nenhum poder, um pouco de sabor, um pouco de inteligência e quanto mais sabor possível”. E, continua, “existe uma idade em que se ensina aquilo que se sabe, mas depois vem outra em que se ensina aquilo que não se sabe: a isto se chama procurar”.

Ao cristianismo hodierno falta-lhe profundidade. Muitos cristãos instalaram-se na modernidade. Há necessidade de procurar novos desertos, como fizeram os monges durante a instalação do cristianismo na política do Império Romano (380). Por isso, muitos procuram outros caminhos que, no entanto, não encontram na Igreja-instituição.

E ainda mais, como muito bem descreve Tomás Halík, “há seres humanos cuja parte consciente, visível e audível da personalidade está de todo saturada, mais ainda, empanturrada de religião… mas quando se conhecem mais de perto não conseguimos defender-nos da impressão de que a sua religião está apenas ali, à superfície. No seu coração estão fechadas, são frias, egoístas, incrédulas.” (Tomás Halík, O Abandono de Deus, p. 52, ed. Paulinas). Segundo a psicologia da profundidade, têm religião, mas não Cristo.

Não será este o maior desafio da nossa pastoral? Se continuarmos na superficialidade, na ausência de Cristo, muitas mais igrejas se tornarão mesquitas, museus ou bibliotecas. Uma das tragédias da Europa é o esquecimento da sua memória, da sua identidade. Não é mais um acontecimento, é um sinal, um alerta. Mas ainda nos resta a esperança de que Ele será sempre o Senhor das comunidades nascidas e alimentadas dentro daquelas paredes.

 

Hélder Miranda Alexandre é padre católico e reitor do Seminário Episcopal de Angra do Heroísmo

 

Artigos relacionados

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa novidade

Recebi do 7MARGENS um convite para escrever sobre a minha experiência desta pandemia, partilhando a fragilidade da condição que actualmente vivemos. Respondo recorrendo a Espinosa, o filósofo com quem mais tenho dialogado e que durante o presente confinamento revisitei várias vezes, quer por obrigação (atendendo a compromissos) quer por devoção (a leitura das suas obras é sempre gratificante).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada novidade

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Banco da solidariedade, experiência única

Sobre uma oportunidade de resistência coletiva     Muito se tem escrito e tenho escrito sobre a falta de saúde mental a que, provavelmente, estamos e estaremos sujeitos durante e após esta pandemia. Os números crescem, traduzidos por sofrimentos enquadráveis...

Que futuro, Iémen?

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This