Santa Sofia vai voltar a ser mesquita. UNESCO teme perda de “valor universal” do monumento

| 10 Jul 20

Mosaicos cristãos e símbolos muçulmanos juntos no interior de Hagia Sophia. Foto © António José Paulino 

 

O Supremo Tribunal turco reverteu esta sexta-feira, 10 de julho, uma decisão judicial de 1934 que tinha convertido a antiga Basílica de Santa Sofia num museu, e o Presidente Recep Tayip Erdogan já informou que vai transformá-la numa mesquita. A Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) teme que o “valor universal” do monumento, classificado como Património Mundial da Humanidade, possa ser alterado.

“Foi decidido que Santa Sofia será colocada sob a administração da Diyanet [a autoridade para os assuntos religiosos] e será reaberta às orações”, afirmou Erdogan através da sua conta na rede social Twitter.

A já anunciada intenção do Pesidente turco instalou o debate entre grupos nacionalistas, conservadores e líderes religiosos. Uns concordam que o monumento deve ser reconvertido numa mesquita, outros acreditam que este edifício deve permanecer um museu para que não se torne “causa de rutura” entre o mundo cristão e muçulmano, como defendeu o patriarca ortodoxo de Constantinopla (Istambul), Bartolomeu. Outros ainda, entre eles o patriarca arménio de Constantinopla, Sahak Mashalian, propunham que fosse utilizado como local de culto simultaneamente por muçulmanos e cristãos.

No mesmo dia em que Erdogan anunciou a sua decisão, a UNESCO divulgou um comunicado, alertando a Turquia para o “valor universal excecional” de Santa Sofia, que nenhum estado deve modificar, e convidando as autoridades turcas ao “diálogo, antes de tomar qualquer decisão que possa ter impacto no valor universal do monumento”.

“A participação efetiva, inclusiva e equitativa de comunidades e de outros agentes relacionados com a propriedade é uma condição necessária para a preservação do património e para o desenvolvimento do seu caráter único”, acrescentou a UNESCO.

A atual estrutura da basílica, também conhecida como Hagia Sophia, foi construída entre 532 e 537 por ordem do imperador Justiniano I para ser a catedral de Constantinopla (atual Istambul), depois de as duas anteriores terem sido destruídas por incêndios que as arrasaram em 404 e 532. Foi convertida em templo católico romano durante o Patriarcado Latino de Constantinopla, e utilizada como mesquita de 1453 a 1931, altura em que foi secularizada. Desde 1934, funcionava apenas como museu e atração turística.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

A ideia de Deus novidade

Não é certo que quem nasça numa família de forte tradição religiosa esteja em melhores condições do que qualquer outra pessoa para desenvolver a componente espiritual e uma relação com o divino. Pode acontecer exatamente o inverso. Crescer com uma ideia de Deus pode levar-nos a cristalizá-la nos ritos, hábitos ou procedimentos que, a dada altura, são desajustados ou necessariamente superficiais.

Manuel Martins, um precursor da Sinodalidade

Escrevo a propósito da partida deste mundo há quatro anos, que se completam hoje mesmo, dia 24, do bispo Manuel Martins. Há seres humanos que não deveriam morrer. Não por eles, mas por nós. Contrariamente ao que é vulgar dizer-se, são mesmo insubstituíveis. A propósito, evoco também a memória de um outro que nos deixou no passado dia 2 de setembro.

Jorge Sampaio, um laico cristão

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Cultura e artes

José Cardoso Pires por Bruno Vieira Amaral

Um Grande Homem: Integrado Marginal novidade

Integrado Marginal foi leitura de férias junto ao mar, entre nevoeiros e nortadas que me levavam a recorrer a esplanadas cobertas para ler enquanto tomava um café bem quente. Moledo do Minho no seu inquieto esplendor… e capricho! Tinha lido algumas obras de José Cardoso Pires: Lisboa. Livro de Bordo (feito para a Expo 1998); O Burro em Pé (livro para crianças); Alexandra Alpha; De Profundis: Valsa lenta; O Delfim.

Cinema

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos

Falling, que em Portugal teve o subtítulo Um Homem Só, é a história de um pai (Willis) e de um filho (John) desavindos e (quase) sempre em rota de colisão, quer dizer, de agressão, de constante provocação unilateral da parte do pai, sempre contra tudo e contra todos.

Edgar Morin em entrevista

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror

“Se formos capazes de nos maravilhar, extraímos forças para nos revoltarmos contra essas crueldades, esses horrores. Não podemos perder a capacidade de maravilhamento e encantamento” se queremos lutar contra a crise, contra as crises, afirmou Edgar Morin à Rádio Vaticano em entrevista conduzida pela jornalista Hélène Destombes e citada ontem, dia 18 de setembro, pela agência de notícias ZENIT

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This