Santa Sofia vai voltar a ser mesquita. UNESCO teme perda de “valor universal” do monumento

| 10 Jul 20

Mosaicos cristãos e símbolos muçulmanos juntos no interior de Hagia Sophia. Foto © António José Paulino 

 

O Supremo Tribunal turco reverteu esta sexta-feira, 10 de julho, uma decisão judicial de 1934 que tinha convertido a antiga Basílica de Santa Sofia num museu, e o Presidente Recep Tayip Erdogan já informou que vai transformá-la numa mesquita. A Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) teme que o “valor universal” do monumento, classificado como Património Mundial da Humanidade, possa ser alterado.

“Foi decidido que Santa Sofia será colocada sob a administração da Diyanet [a autoridade para os assuntos religiosos] e será reaberta às orações”, afirmou Erdogan através da sua conta na rede social Twitter.

A já anunciada intenção do Pesidente turco instalou o debate entre grupos nacionalistas, conservadores e líderes religiosos. Uns concordam que o monumento deve ser reconvertido numa mesquita, outros acreditam que este edifício deve permanecer um museu para que não se torne “causa de rutura” entre o mundo cristão e muçulmano, como defendeu o patriarca ortodoxo de Constantinopla (Istambul), Bartolomeu. Outros ainda, entre eles o patriarca arménio de Constantinopla, Sahak Mashalian, propunham que fosse utilizado como local de culto simultaneamente por muçulmanos e cristãos.

No mesmo dia em que Erdogan anunciou a sua decisão, a UNESCO divulgou um comunicado, alertando a Turquia para o “valor universal excecional” de Santa Sofia, que nenhum estado deve modificar, e convidando as autoridades turcas ao “diálogo, antes de tomar qualquer decisão que possa ter impacto no valor universal do monumento”.

“A participação efetiva, inclusiva e equitativa de comunidades e de outros agentes relacionados com a propriedade é uma condição necessária para a preservação do património e para o desenvolvimento do seu caráter único”, acrescentou a UNESCO.

A atual estrutura da basílica, também conhecida como Hagia Sophia, foi construída entre 532 e 537 por ordem do imperador Justiniano I para ser a catedral de Constantinopla (atual Istambul), depois de as duas anteriores terem sido destruídas por incêndios que as arrasaram em 404 e 532. Foi convertida em templo católico romano durante o Patriarcado Latino de Constantinopla, e utilizada como mesquita de 1453 a 1931, altura em que foi secularizada. Desde 1934, funcionava apenas como museu e atração turística.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Uma viagem global pela santidade com o padre Adelino Ascenso

Do Tibete a Varanasi e ao Líbano, do budismo ao cristianismo, passando pelo hinduísmo. Uma viagem pela santidade em tempos de globalização é o que irá propor o padre Adelino Ascenso, no âmbito do Seminário Internacional de Estudos Globais, numa sessão presencial e em vídeo.

Uma “Teo Conversa” no Facebook

A propósito da nova revista de Teologia Ad Aeternum, a área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona vai iniciar nesta quinta-feira, 29, às 22h (19h em Brasília) um conjunto de debates em vídeo, que podem ser acompanhados na respectiva página no Facebook. 

Antigo engenheiro militar sucede a Barbarin como arcebispo de Lyon

O Papa nomeou esta quinta-feira, 22 de outubro, Olivier de Germay, até agora bispo de Ajaccio (na Córsega), como novo arcebispo de Lyon. Está assim encontrado o sucessor do cardeal Philippe Barbarin, cuja renúncia tinha sido aceite por Francisco em março deste ano. 

Declarações do Papa sobre homossexuais “não afetam a doutrina da Igreja”, dizem bispos portugueses

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) considera que as declarações do Papa sobre a proteção legal a uniões de pessoas do mesmo sexo “não afetam a doutrina da Igreja” sobre o matrimónio. Em nota enviada à agência Ecclesia esta quarta-feira, 22, os bispos portugueses sublinham que as afirmações de Francisco contidas no novo documentário “Francesco” já eram conhecidas anteriormente e “revelam a atenção constante do Papa às necessidades reais da vida concreta das pessoas”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

É notícia

Entre margens

“Fratelli Tutti”: Corajoso apelo novidade

Paul Ricoeur distingue nesse ponto a solidariedade e o cuidado ou caridade. Se a solidariedade é necessária, não pode reduzir-se a uma mera lógica assistencial. É preciso cuidar. Se as políticas de Segurança Social têm de se aperfeiçoar, a sociedade é chamada a organizar-se para o cuidado de quem está só ou está a ficar para trás.

Uma espiritualidade com ou sem Deus?

Sempre que o Homem procura ser o centro-de-si-mesmo, o individualismo e o relativismo crescem gerando o autoconsumo de si mesmo. Espiritualmente, há uma espiral autocentrada presente nos livros de autoajuda e desenvolvimento pessoal, que na bondade da intenção, não têm a capacidade de ajudar a sair de um ciclo vicioso egoísta e possessivo. No vazio cabem sempre muitas coisas, mas nenhuma se encaixa verdadeiramente.

Cultura e artes

Museus do Vaticano com cursos e iniciativas online

Os Patronos de Artes dos Museus do Vaticano lançaram uma série de iniciativas e cursos em vídeo, que incluem conferências ao vivo ou uma “hora do café” de perguntas e respostas com especialistas. O objectivo é que os participantes e apoiantes dos museus permaneçam ligados durante a pandemia.

O capitalismo não gosta da calma (nem da contemplação religiosa)

A editora Relógio d’Água prossegue a publicação em Portugal dos ensaios de Byung-Chul Han, filósofo sul-coreano radicado na Alemanha. O tom direto e incisivo da sua escrita aponta, num registo realista, as múltiplas enfermidades de que padece a sociedade contemporânea, que o autor designa como sociedade pós-industrial ou sociedade da comunicação e do digital, do excesso de produção e de comunicação. A perda dos referentes rituais – análise que o autor refere como isenta de nostalgia, mas apontando o futuro – é uma dessas enfermidades, com as quais a vivência religiosa está intimamente relacionada.

Documentário sobre Ferreira d’Almeida disponível na RTP Play

O documentário abre com Carlos Fiolhais professor de Física na Universidade de Coimbra, a recordar que a Bíblia é o livro mais traduzido e divulgado de sempre – também na língua portuguesa. E que frases conhecidas como “No princípio criou Deus o céu e a terra” têm, em português, um responsável maior: João Ferreira Annes d’Almeida, o primeiro tradutor da Bíblia para português, trabalho que realizou no Oriente, para onde foi ainda jovem e onde acabaria por morrer.

Uma simples prece

Nem todos somos chamados a um grande destino/ Mas cada um de nós faz parte de um mistério maior/ Mesmo que a nossa existência pareça irrelevante/ Tu recolhes-te em cada gesto e interrogação

Sete Partidas

Outono em Washington DC: cores quentes, cidade segregada

Vou jantar fora com um grupo de amigas, algo que parece impensável nos dias que correm, e fico deslumbrada com o ambiente que se vive nas ruas, deparo-me com inúmeros bancos de jardim que agora se transformaram em casa para alguém, algumas tendas de campismo montadas em Dupont Circle, a rotunda que define a fronteira invisível entre ricos e pobres.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco