Santa Sofia vai voltar a ser mesquita. UNESCO teme perda de “valor universal” do monumento

| 10 Jul 20

Mosaicos cristãos e símbolos muçulmanos juntos no interior de Hagia Sophia. Foto © António José Paulino 

 

O Supremo Tribunal turco reverteu esta sexta-feira, 10 de julho, uma decisão judicial de 1934 que tinha convertido a antiga Basílica de Santa Sofia num museu, e o Presidente Recep Tayip Erdogan já informou que vai transformá-la numa mesquita. A Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) teme que o “valor universal” do monumento, classificado como Património Mundial da Humanidade, possa ser alterado.

“Foi decidido que Santa Sofia será colocada sob a administração da Diyanet [a autoridade para os assuntos religiosos] e será reaberta às orações”, afirmou Erdogan através da sua conta na rede social Twitter.

A já anunciada intenção do Pesidente turco instalou o debate entre grupos nacionalistas, conservadores e líderes religiosos. Uns concordam que o monumento deve ser reconvertido numa mesquita, outros acreditam que este edifício deve permanecer um museu para que não se torne “causa de rutura” entre o mundo cristão e muçulmano, como defendeu o patriarca ortodoxo de Constantinopla (Istambul), Bartolomeu. Outros ainda, entre eles o patriarca arménio de Constantinopla, Sahak Mashalian, propunham que fosse utilizado como local de culto simultaneamente por muçulmanos e cristãos.

No mesmo dia em que Erdogan anunciou a sua decisão, a UNESCO divulgou um comunicado, alertando a Turquia para o “valor universal excecional” de Santa Sofia, que nenhum estado deve modificar, e convidando as autoridades turcas ao “diálogo, antes de tomar qualquer decisão que possa ter impacto no valor universal do monumento”.

“A participação efetiva, inclusiva e equitativa de comunidades e de outros agentes relacionados com a propriedade é uma condição necessária para a preservação do património e para o desenvolvimento do seu caráter único”, acrescentou a UNESCO.

A atual estrutura da basílica, também conhecida como Hagia Sophia, foi construída entre 532 e 537 por ordem do imperador Justiniano I para ser a catedral de Constantinopla (atual Istambul), depois de as duas anteriores terem sido destruídas por incêndios que as arrasaram em 404 e 532. Foi convertida em templo católico romano durante o Patriarcado Latino de Constantinopla, e utilizada como mesquita de 1453 a 1931, altura em que foi secularizada. Desde 1934, funcionava apenas como museu e atração turística.

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Lev Nikolaievitch Tolstoi: só o amor dá sentido à vida

[Saborear os clássicos] (xi)

Lev Nikolaievitch Tolstoi: só o amor dá sentido à vida novidade

Lev Tolstoi nasceu numa família da alta aristocracia. É o escritor russo mais célebre. Contrastando com a eslavofilia de Dostoiévski, Tolstoi pretendeu sempre unir a Rússia à Europa, para onde viajou com frequência. No fim da vida, correspondeu-se com Gandhi, muito mais novo do que o escritor, cativado pela ideologia da não-violência.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

De presépios a vagens de baunilha, ONG propõem presentes de Natal solidários

Apoio ao desenvolvimento

De presépios a vagens de baunilha, ONG propõem presentes de Natal solidários

Há opções para todos os gostos, e para todas as carteiras também. Várias Organizações Não Governamentais (ONG) portuguesas de apoio ao desenvolvimento aproveitam a época natalícia para propor presentes solidários e, com a sua venda, angariar fundos para a sustentabilidade das suas missões. E nem precisa de sair casa para adquiri-los.

É notícia

Entre margens

Desarmar-se

Desarmar-se

Sinto-me um pouco embaraçada. Perguntam-me: como correu o encontro com os meus amigos no Porto e, afinal de contas: o que é isto de “Juntos pela Europa”? O que é que 166 pessoas de 19 países diferentes, de 45 movimentos e comunidades de oito igrejas, podem fazer em conjunto, quando “os semelhantes atraem os semelhantes” e a diversidade é raramente – ou talvez nunca – uma força de coesão? E sem falar das diferentes visões geopolíticas, culturais, históricas, confessionais e, além disso: o que farão agora os russos e os ucranianos, que também estiveram presentes?

A vida por inteiro, uma ode ao amor de Deus

A vida por inteiro, uma ode ao amor de Deus

É difícil descortinar Deus na vida toda: a que nos agrada e a que não nos agrada, a que nos edifica e a que nos abate, a que entendemos e a que nos lança na escuridão. Todos os dias vivemos muitos momentos que nos atiram para tudo isso, e só não percebemos estas nuances se não as quisermos ver. É fácil encontrarmos Deus quando a vida corre bem: tudo encaixa, os nossos talentos estão à vista e vão crescendo, somos reconhecidos, acordamos com vontade para novos dias, que vão ser cheios de coisas boas, previsíveis nas suas causas e nos seus efeitos.

Cultura e artes

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

“Cheguei a pensar ser padre… não é muito diferente de ser comediante”

António Raminhos em entrevista

“Cheguei a pensar ser padre… não é muito diferente de ser comediante”

Andou na catequese, foi escuteiro, e, em plena adolescência, quis ser padre – talvez porque também nesse papel teria de falar às pessoas e cativá-las. A obrigatoriedade do celibato assustou-o. Mais tarde, o sentir que havia falta de coerência dentro da Igreja Católica também. É apaixonado pelas religiões (até gostava de fazer um programa de televisão sobre elas), mas é a figura de Jesus Cristo que verdadeiramente o inspira. Hoje, apesar de ter decidido batizar as três filhas ou de ter ido recentemente a Fátima a pé, não se revê na falta de abertura da Igreja Católica e diz-se mais cristão do que católico. Em plena digressão do seu mais recente espetáculo “Não sou eu, é a minha cabeça”, o comediante António Raminhos falou ao 7MARGENS sobre a sua relação com a fé e a forma como esta pode ajudar pessoas que, como ele, sofrem com distúrbios de ansiedade. E também de como a religião é um terreno fértil para o seu trabalho…

A “Castro” e outros clássicos do teatro para descobrir em Lisboa (e no YouTube)

Clássicos em Cena em 7ª edição

A “Castro” e outros clássicos do teatro para descobrir em Lisboa (e no YouTube)

A Castro, de António Ferreira, e outras duas peças clássicas, serão objecto de duas leituras encenadas nas próximas sexta-feira e domingo. As sessões incluem-se no programa da 7ª edição dos Clássicos em Cena, que decorre na Livraria/Galeria Sá da Costa (R. Serpa Pinto, 19, ao Chiado, em Lisboa), com entrada livre, e também no canal do Teatro Maizum no YouTube.

Sete Partidas

Desobediência

Desobediência

Recentemente fui desafiada a algo que não esperava. Provavelmente deveria começar a ensinar a minha filha a prevaricar, disse-me o meu pai. Foi a palavra escolhida. O sentido era o de rebeldia, de desobediência. Eu fiquei a pensar.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This