Colóquio em Coimbra

Santo António, crítico da “economia viciosa” e “filósofo” da conversão moral

| 11 Jun 21

Painel St. António Peixes

A presença da economia nos sermões de Santo António é recorrente, tratada numa “perspectiva moral”, sublinha o padre Vítor Melícias. Foto: Direitos reservados.

 

 

É necessária e urgente uma “economia ética da casa comum”, inspirada no pensamento de Santo António e na sua crítica à “economia viciosa e de pecado”. A ideia será defendida pelo padre franciscano Vítor Melícias, que intervém na manhã deste sábado no colóquio Santo António – 800 anos de vocação franciscana, que decorre no Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra.

O colóquio decorre entre as 9h00 e as 19h. Embora esteja prevista a participação presencial (limitada), a iniciativa pode ser acompanhada através dos canais vídeo da diocese de Coimbra, cujos endereços podem ser consultados, juntamente com o programa, na página da Universidade de Coimbra.

Antecipando ao 7MARGENS algumas das ideias que defenderá na sua intervenção, o padre Melícias diz que Santo António não escreveu textos sobre economia, mas tinha um pensamento económico – tema da intervenção no colóquio: a presença da economia nos seus sermões é recorrente, tratada numa “perspectiva moral”. Por isso, também, as autoridades de Pádua decretaram, três meses antes da morte do franciscano, “a libertação e futura proibição da prisão por dívidas”, que vitimava sobretudo os mais pobres, recorda.

Vítor Melícias insiste, aliás, que Santo António deu preferência, entre os temas da sua pregação, a três da área social, económica e financeira: a libertação dos presos por dívidas, a defesa da “restituição das usuras e dos bens obtidos por violência” e o apelo a que ladrões restituíssem o produto dos roubos e trabalhassem.

O mesmo olhar moral está presente no pensamento filosófico do santo português que morreu em Pádua em 1231. “Santo António não é um filósofo, é um pregador com reconhecimento público como taumaturgo, mas nos seus Sermões encontramos sempre uma leitura e interpretação do texto bíblico com um sentido simbólico e moral”, diz José Francisco Meirinhos, que também durante a manhã fará uma intervenção sobre o pensamento filosófico de Santo António.

Nos Sermões, encontramos sempre, acrescenta o professor da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FL/UP), elementos que pretendem levar o crente a converter-se mais ao evangelho e o pregador a anunciar as verdades cristãs sobretudo através do exemplo da sua vida.

 

Conhecimento rigoroso da Bíblia
Sant'António-Pinacoteca dei Canonici, Pádua

Girolamo Forabosco (1605-1679), Sant’Antonio da Padova: Santo António “tinha fama de conhecer de memória o texto bíblico” e usava-o para apelar ao sentido moral e à prática de virtudes.

Ao 7MARGENS, Meirinhos diz que Santo António tinha um “conhecimento rigoroso da Bíblia” – a ponto de o Papa Gregório IX, que o proclamou santo um ano depois da sua morte, o ter chamado “arca do testamento”. “Tinha fama de conhecer de memória o texto bíblico” e usava-o sempre na perspectiva do apelo ao seu sentido moral e à prática de virtudes, sublinha ainda o investigador, um dos mais destacados em Portugal na área do pensamento antoniano.

Sobre as questões económicas, o padre Melícias diz que as ideias do santo levam a pugnar hoje por “uma economia ética de fraternidade e frugalidade”, devendo inspirar várias questões contemporâneas: os “atropelos ao desenvolvimento humano e ecológico” provocados pelo espírito consumista que leva à “desigualdade, discriminação e empobrecimento de pessoas e povos, migrações em massa,  desflorestação nunca vista e agressões ao clima,  à terra e à casa comum, que o actual modelo de economia tem provocado.

Apesar das “ferozes reacções do neoliberalismo político e financeiro” é preciso encontrar uma alternativa à “ilimitada protecção da propriedade e iniciativa privadas” que investem mesmo em áreas como as armas, drogas, tráfico humano e devastação da natureza, diz frei Vítor Melícias.

Santo António “foi um dos inspiradores do princípio da comum filiação divina e da consequente fraternidade”, diz ainda o frade franciscano, antigo provincial da Ordem dos Frades Menores. Para ele, acrescenta, o primeiro princípio de uso dos bens é o da propriedade universal e só depois vem o da propriedade privada. E nesse sentido, Santo António é, com outros franciscanos medievais, promotor do que hoje se designa como economia social.

Nessa linha, Vítor Melícias cita várias afirmações de Santo António que o colocam claramente contra o que hoje se caracteriza como domínio da finança: a denúncia dos “pérfidos avarentos e usurários”, que “já se apoderaram do mundo inteiro”, “engordados pelos bens temporais como se foram porcos”; os mesmos que, “quais astutas raposas a apoderarem-se da pele de burro morto”, têm os ouvidos “obturados pelas sujidades da pecúnia” e um “coração de pedra”. E que são “sanguessugas”, dos quais se diz que “a única boa ação que fazem na vida é morrer”.

Ao contrário, diz o padre Melícias, Santo António considera que produção e consumo devem pretender “sempre o bem comum” e dar prioridade aos “mais necessitados numa lógica de economia da frugalidade e da partilha”: “De um bem comum, comum deve ser o gozo”, dizia o santo, porque “as riquezas não são tuas; foram-te emprestadas; só é teu o que podes levar para a sepultura”; e a frugalidade recomenda que “ao nosso corpo, é preciso negar-lhe muitas coisas inúteis que ele deseja”, pois que não o devemos tratar “como causa da nossa vida, mas como meio indispensável para viver”.

 

Um lugar simbólico
mosteiro santa cruz coimbra Foto Camara Municipal de Coimbra

O Mosteiro de Santa Cruz, que acolhe o evento, foi a casa de Santo António depois de ter estado no mosteiro de São Vicente de Fora, em Lisboa, e antes de se tornar franciscano. Foto © Câmara Municipal de Coimbra.

 

No colóquio, que se insere no programa do Jubileu de Santo António e dos Mártires de Marrocos, iniciado em Janeiro de 2020, serão tratados também temas como os lugares conimbricenses de Santo António, os traços do monaquismo primitivo na sua obra e o lugar do santo nos sermões do padre António Vieira ou na moderna literatura portuguesa.

Às 17h15, está prevista a apresentação do volume Mártires de Marrocos – Nos 800 Anos do seu Martírio, que reúne as actas do colóquio realizado no início do Julbileu.

O lugar escolhido para a realização do colóquio deste sábado não é casual: foi no Mosteiro de Santa Cruz que Santo António ingressou, depois de ter estado no mosteiro de São Vicente de Fora, em Lisboa. E ali adquiriu a sua formação cultural.

Quando, já em Itália, lhe é solicitado que faça uma pregação por saber latim, “descobrem a capacidade” que ele tinha, recorda José Meirinhos. Depois disso, é o próprio São Francisco que lhe pede que assuma a “função de ensinar a teologia aos frades”, de modo a adquirirem os conhecimentos da Escritura necessários para falar com outros e argumentar” contra os movimentos heréticos que nessa altura pululavam na Itália e sul de França.

Na sua actividade de pregador, Santo António retoma a formação e os sermões que teria escrito ainda em Santa Cruz e levado consigo para Itália, acrescenta José Meirinhos. E aí revela os dotes de pensador – que pode também ser lido nas chaves económica ou filosófica.

 

Facebook está a apostar na evangelização

Líderes evangélicos nos EUA já trabalham com a multinacional

Facebook está a apostar na evangelização novidade

A rede social Facebook está a entrar na área da evangelização. Nos Estados Unidos da América, os pastores evangélicos estão a apostar nas redes sociais como forma de expandir o seu ministério, e exemplo disso é o pastor Sam Collier, que revelou, em entrevista, que meses antes de a mega-igreja Hillsong abrir seu novo posto avançado em Atlanta, procurou conselhos sobre como construir uma igreja em uma pandemia. Do Facebook.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Derrota no estádio, pancada em casa

[Os Dias da Semana]

Derrota no estádio, pancada em casa

A condescendência perante o machismo ou, pelo menos, perante as suas manifestações mais degradantes – dir-se-ia – acabou. Mas continua a haver demasiadas notícias que revelam existir ainda uma injustificada complacência perante a agressividade contra as mulheres e também contra os que, de algum modo, são mais vulneráveis.

Breves

Responsável também pelas obras no Mar da Palha

José Sá Fernandes preside a Grupo de acompanhamento da JMJ 2023 novidade

O governo português anunciou a criação de um Grupo de Projeto com vista a acompanhar e agilizar todas as questões relacionadas com o “acompanhamento, em termos operacionais, dos trabalhos de preparação deste evento”. “Considerando a diversidade, a complexidade, a natureza e a dimensão das ações a desenvolver no âmbito da preparação da JMJ 2023, o Governo, através Resolução do Conselho de Ministros n.º 45/2021, criou um Grupo de Projeto para assegurar o acompanhamento”, pode ler-se no comunicado de imprensa a que o 7Margens teve acesso.

Cidadãos vítimas de spyware

Amnistia exige resposta do governo húngaro ao escândalo Pegasus

Uma investigação publicada esta terça-feira, 20 de julho, pelo Direkt36 (órgão de comunicação húngaro sem fins lucrativos) revelou que os telefones de mais de 300 cidadãos daquele país foram identificados como possíveis alvos do software de vigilância Pegasus, comercializado pela empresa israelita NSO Group. Peritos da Amnistia Internacional (AI) confirmaram que, em inúmeros casos, este software tinha, de facto, sido instalado, e a organização exige agora uma reação da parte das autoridades húngaras.

Mulheres na mudança

Duas leigas espanholas nomeadas para comissões do Sínodo

Duas leigas espanholas foram nomeadas para participarem nos trabalhos preparatórios do Sínodo dos Bispos de 2023: Carmen Peña García, professora de direito canónico, vai integrar a comissão de teologia e Cristina Inogés, formada em teologia pela Faculdade de Teologia Protestante de Madrid, fará parte da comissão de metodologia.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

Paquistão

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

“Quando fui para a universidade sofri muitos actos de discriminação por parte dos meus professores e colegas, a tal ponto que não conseguia concentrar-me nos meus estudos”, conta Ashia, 17 anos, cristã paquistanesa. Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) desenvolve programa para capacitar mulheres em situações particularmente difíceis.

É notícia

Sínodo dos Bispos 2023

Quem é quem nas comissões preparatórias novidade

Estão constituídas as três comissões preparatórias do Sínodo dos Bispos católicos de 2023, cujo início será já no próximo mês de outubro, em todas as dioceses do mundo. As pessoas escolhidas indiciam a vontade de mudança introduzida pelo Papa Francisco, conforme o 7MARGENS explica noutro texto. Fica a seguir a lista completa.

Especulação imobiliária

Docas de Liverpool já não são património da humanidade

As docas vitorianas de Liverpool nas margens do rio Mersey perderam nesta quarta-feira, 21 de julho, o estatuto de Património da Humanidade por causa da especulação imobiliária que levou à construção de novos edifícios, os quais causaram “perdas irreversíveis” que destruíram o “valor universal excecional” das antigas docas.

Entre margens

Jesus Cristo tinha uma agenda liberal? novidade

Dizer apenas que todas as vidas são importantes é uma tirada lapalissiana. É óbvio que sim, mas o problema é que nem todas as vidas estão em risco devido a fenómenos sociais como o racismo, a xenofobia, a violência sobre mulheres e crianças, o abuso sexual e o tráfico de pessoas, já para não falar nesta economia que mata, no dizer do Papa Francisco.

Mulheres, aptas para o ministério sacerdotal

No ano de 2020, na Igreja de Inglaterra (Comunhão Anglicana), das 591 pessoas recomendadas para a formação ao ministério ordenado e assumirem funções ministeriais a tempo inteiro, a maioria dos candidatos são do género feminino.

Como regressar à vida?

Num recente inquérito à opinião pública, as pessoas consideram que as medidas contra a Covid-19 foram positivas, mas queixam-se que a democracia se viu limitada. É um julgamento natural. Importa, porém, compreender que fomos surpreendidos por uma enfermidade que continuamos a desconhecer.

Cultura e artes

Lançamento

Um livro para entender o imaginário católico de Sting

Evyatar Marienberg, historiador da religião na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, escreveu um livro sobre a imaginação católica de Sting e de como ela alimentou a sua criatividade. Antes de ser quem é na cena do rock internacional como o principal compositor e vocalista do Police, Sting (nascido Gordon Sumner em 1951) cresceu na cidade de Wallsend, Inglaterra, e frequentou escolas católicas. Recebeu o Crisma aos 14 anos e casou-se com sua primeira esposa na Igreja Católica aos 25 anos.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This