Santo António de Lisboa, de Pádua, do mundo

| 11 Jun 2021

Morazone (?), Santo António e o Menino Jesus, óleo sobre tela, ca. 1615, Staaliche Kunstsammlungen Dresda

 

Com base nos tradicionais elementos da iconografia antoniana e nas recentes palavras do Papa Francisco (em carta redigida para assinalar os 800 anos da vocação franciscana de Santo António), tentamos pintar um retrato realmente atual do Santo de Lisboa.

O Papa Francisco, dirigindo-se explicitamente aos jovens, lembra assim a atualidade de Santo António: “Penso sobretudo nos jovens: que este santo antigo, mas tão moderno e genial nas suas intuições, possa ser para as novas gerações um modelo a seguir, para tornar fecundo o caminho de cada um.”

Tentemos ver, a partir da tradicional iconografia antoniana, em que consiste esse “modelo a seguir”.

 

Símbolos de santidade para os nossos dias

A iconografia tradicional apresenta Santo António com uma auréola irradiante na cabeça (=santidade); com o hábito franciscano (=mesma vocação e ideal de S. Francisco de Assis); com o Evangelho na mão (= amor da sabedoria e pregação da Palavra); com um facho de luz e fogo que lhe brota das mãos (= amor de Deus traduzido no amor ao próximo); com uma cruz (= mistério da Salvação operada pela doação total de Cristo); com o lírio (= juventude e pureza de coração); e o Menino Jesus (= ternura e devoção franciscana pelo mistério da Encarnação e pelo Divino Menino de Belém).

Auréola: simboliza a santidade, vocação de todo o cristão e o grande ideal que Santo António abraçou e perseguiu desde tenra idade. Segundo Santo António, “a justiça dos santos é uma espécie de fio de prumo estendido sobre qualquer alma fiel, para que informe e meça a sua vida pelo exemplo dos santos” (Sermões). Como precisamos desta verticalidade dos Santos! Quanto carecemos de vozes que preguem a justiça dos santos que, antes de serem santos no céu, o foram na terra!

Tocado e inspirado por Francisco de Assis, António trocou o hábito de monge dos cónegos regrantes pelo hábito de S. Francisco de Assis. Pintura atribuída ao círculo de Fr. Carlos, séc XVI. Museu Nacional de Arte Antiga.

Hábito franciscano: tocado e inspirado por Francisco de Assis, Santo António trocou o hábito de monge canónico pelo hábito de S. Francisco de Assis. O próprio confessa, num dos seus sermões, o impacto que nele teve o primeiro encontro com o S. Francisco: “Vendo o Pobrezinho paciente, grande penitente, pobremente vestido e tão devoto… fiquei impressionado e admirado. Esta impressão transformou-se imediatamente em desejo de imitá-lo” (Sermões). Não é o hábito que faz o santo, mas o hábito de imitar os santos continuará a fazer santos, também hoje. E quanto precisamos deles!

Evangelho: é a grande fonte da vida e da pregação de Santo António. A palavra de Deus é o seu pão que partilha com os pobres. Diz Tomás de Celano, primeiro biógrafo de S. Francisco, que “Frei António foi um homem a quem Deus concedeu a inteligência da Sagrada Escritura e o dom de pregar Cristo ao mundo inteiro com palavras mais doces que o mel” [1 Cel 48]. O Papa Gregório IX, apelidou-o de arca do Testamento e cofre das Sagradas Escrituras. Nos seus Sermões, Santo António falou muitas vezes do “semeador que é Cristo, ou quem O anuncia; a semente é a palavra de Deus… Vê quão divinamente a palavra de Deus se diz semente deitada na terra para germinar e crescer(Sermões). Como o Papa Francisco não se cansa de lembrar, o mundo de hoje continua especialmente carente desta “alegria do Evangelho”.

Menino Jesus: é a prova do seu amor a Cristo, centro e alimento da vida de S. António. Na sua vida não fez mais do que partilhar com os outros este “Pão da Vida”: “Correi, portanto, famintos, avarentos e usurários, para quem o dinheiro vale mais do que Deus, e comprai o grão de trigo que a Virgem tirou hoje do armário do seu ventre. Deu à luz um Filho.” (Sermões). O Papa Francisco exorta e deseja que todos “possam repetir com Santo António: ‘Eu vejo meu Senhor’”, acrescentando que “é necessário ver o Senhor no rosto de cada irmão e irmã, oferecendo a todos consolação, esperança e a possibilidade de encontrar a Palavra de Deus sobre a qual ancorar a própria vida”.

santo antonio azulejo cruz

“Santo António a pregar aos peixes, em azulejo: o santo “ensina-nos que também da cruz das nossas vidas podem brotar frutos de vida eterna.” 

 

Cruz: a cruz é a sua âncora de esperança e a prova máxima de amor de Deus pela humanidade. A ela se abraçou Santo António, ou melhor: ela é o abraço do Deus que nos ama que tudo e a todos nos abrange, porque é “a árvore da vida que produziu o seu fruto, restituindo a salvação à humanidade” (Sermões). Mas a cruz é também o “bastão de que necessita o peregrino” a caminho da pátria (Sermões). Santo António ensina-nos, assim, que também da cruz das nossas vidas podem brotar frutos de vida eterna.

Coração: o coração é, nas palavras do Santo, a sede do amor: “Onde estiver o nosso tesouro aí está o nosso coração.” O tesouro de Santo António era Cristo que ocupa todas a fibras do seu coração e transborda em palavras e gestos cheios do calor de Deus. Santo António lembra que “o que mais perturba o coração é a perda do objeto amado. Cristo prevenira os Apóstolos da sua paixão. Porque o amavam muito, temiam perdê-lo e, por isso, se perturbavam”. António é o Santo do amor, não por ser “casamenteiro”, mas por saber falar ao coração numa linguagem que todos compreendam.

santo antonio lirios

Santo António com o Menino e lírios: o lírio simboliza os combates que todos têm de travar para perseverarem na retidão e justiça do coração, rejeitando toda a corrupção.

Lírio: o lírio significa a juventude e doação a Deus e aos irmãos, segundo o modelo de Maria. Por isso, muitas vezes, Santo António aparece também ao lado da Virgem Maria. Lembra Santo António que “O lírio significa a Virgem Santíssima, cândida com o esplendor da virgindade… Os lírios do campo mostram, ainda, a perfeição da caridade, enquanto se expõem a todos os que os desejam apanhar”. Por isso, esta flor é também o símbolo dos combates que todos os humanos, como Santo António, têm de travar para perseverarem na retidão e justiça do coração, rejeitando todas as formas de corrupção. Podemos ainda ver, neste símbolo, o Santo que, como e com S. Francisco de Assis, pregou a ecologia integral. Como lembra Agustina Bessa Luís, “Santo António é o único santo que compartilha a santidade com todas as criaturas” (Santo António, 1973, p. 293).

Sandálias: simbolizam os muitos caminhos percorridos por Santo António, o qual, como Francisco de Assis, foi realmente um cristão em saída. Não teve medo de sair do conforto da família (Lisboa), sair da segurança dos muros de Santa Cruz (Coimbra); partir em missão para Marrocos e, depois, por Itália e França, tornando-se cidadão do mundo todo, como já disse o Papa Leão XIII. Podemos ainda ver neste símbolo a esperança pregada por Santo António: “o contrário da esperança é olhar para trás”. Assim se tornou o primeiro missionário português, o primeiro santo europeu e mundial e o grande modelo de todos os amantes da aventura missionária e solidária.

Pão de Santo António (2)

“Quem não dá e fecha o coração ao seu irmão pobre peca mortalmente porque não existe nele a caridade de Deus”, escreveu Santo António nos seus Sermões. 

 

Saco do pão: significa o amor pelos pobres. Porque a caridade é expressão da justiça: “ao justo pertence a humildade e a caridade, diz o Santo. Por isso, apela: “Dai aos pobres… quem não dá e fecha o coração ao seu irmão pobre peca mortalmente porque não existe nele a caridade de Deus… Entesoura no céu aquele que dá a Cristo; dá a Cristo aquele que dá ao pobre(Sermões).

Recordando a viagem de Santo António a Marrocos e, depois, até à Sicília, o Papa Francisco (Carta por ocasião dos 800 anos da Vocação Franciscana de Santo António) vê nesta atribulada “migração” do Santo lisboeta um “Símbolo do itinerário de conversão” proposto a todos. Mas vê também a triste coincidência, que hoje nos deve interpelar, entre o naufrágio do Santo e o drama “de tantos nossos irmãos e irmãs” que arriscam atravessar o Mediterrâneo na esperança de melhores condições de vida. Felizmente, Santo António encontrou irmãos que o acolheram. Para o Papa Francisco, o exemplo da partilha de António “com as dificuldades das famílias, os pobres e desfavorecidos, assim como sua paixão pela verdade e justiça, ainda hoje pode suscitar um generoso compromisso de doação, em sinal de fraternidade”. Frattelli Tutti: eis o repto lançado aos jovens de hoje.

 

Isidro Lamelas é padre da Ordem dos Frades Menores (Franciscanos) e professor na Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa.

 

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra

Carta nos dois anos da guerra na Ucrânia

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra novidade

No momento em que passam dois anos sobre a invasão russa e o início da guerra na Ucrânia, quatro académicos do Centro de Estudos Cristãos Ortodoxos da Universidade de Fordham, nos Estados Unidos da América, dirigiram esta semana uma contundente carta aberta aos líderes das igrejas cristãs mundiais, sobre o papel que as confissões religiosas têm tido no conflito.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This