Tensão entre religiões

Santuário católico vandalizado na Índia

| 19 Mai 2022

cristaos india, Foto_ United Christian Forum

Em 2020, o número de crimes contra a minoria cristã na Índia tinha aumentado 40% em seis meses. Foto: United Christian Forum

 

As tensões interreligiosas na Índia voltaram a conhecer novos episódios, depois da vandalização por desconhecidos de estátuas de Maria, do Menino Jesus e do Sagrado Coração de Jesus num santuário no estado indiano de Andhra Pradesh, causando “choque entre os católicos locais”, segundo avança a agência UCA News.

Com a sucessão de casos, um articulista da mesma agência, numa análise à situação vivida na Índia, atacou “os fascistas [que] usam estratégias manipuladoras destinadas a atrair a simpatia e o apoio da comunidade maioritária, à qual normalmente ‘pertencem’”. “Nos últimos meses”, argumenta Cedric Prakash, estes fascistas “exageraram nos seus esforços para denegrir e demonizar minorias na Índia – particularmente muçulmanos e cristãos”.

O incidente no estado de Andhra Pradesh aconteceu na noite de 14 para 15 de maio. “Ficámos a saber [do ato de vandalismo] através de alguns católicos que estiveram lá de manhã cedo”, relatou o padre Bala Subash Chandra Bose, responsável pelo santuário. O recém-construído complexo do santuário em Edlapadu, no distrito de Guntur, estava a ser preparado para a sua inauguração, disse o padre Bose à UCA News, a 18 de maio. “Os cristãos aqui estão em estado de choque e descrença”, descreveu o padre diocesano de Guntur. “Organizámos uma marcha de protesto na noite de 15 de maio para pressionar por investigações rápidas.”

Três dias depois não havia notícias de qualquer detenção e o padre disse que estavam a ser preparadas novas marchas, uma pela paz para a manhã desta quinta-feira, 19 de maio, seguida de outra marcha de protesto em 22 de maio.

Segundo descreve a agência católica asiática, o santuário tornou-se um improvável ponto de tensão religiosa em 2021, com o partido nacionalista hindu Bharatiya Janata (BJP), do primeiro-ministro Narandra Modi, a alegar que estava a ser construído ilegalmente num local onde existiriam originalmente uma escultura da divindade hindu Narasimha e pegadas de Sita Maa (a esposa do deus hindu Ram). A alegação feita no Twitter por Sunil Deodhar, secretário nacional do BJP e responsável por Andhra Pradesh, foi desmascarada pela própria polícia do distrito de Guntur, que divulgou um vídeo mostrando como o santuário católico e a divindade hindu coexistem em “dois outeiros diferentes”, localizados a cerca de meio quilómetro de distância um do outro.

No entanto, o BJP e os seus aliados hindus militantes continuaram com a campanha, alegando que “máfias cristãs” estavam a “provocar estragos” em Guntur. Já o ministro da Saúde do estado, Vidadala Rajini, visitou o santuário e prometeu investigações rápidas.

“Há seis meses, uma senhora que se identificou como trabalhadora do BJP veio ao santuário e alegou que o lugar pertencia a Sita Maa”, lembrou o bispo Bhagyaiah Chinnabathini, de Guntur. Citado pela UCA News, o prelado recusou-se a comentar quem poderia estar por trás do último ataque, pois o “assunto está sob investigação”. “Temos um relacionamento muito bom com pessoas de outras religiões. Nenhum incidente desse tipo foi relatado no passado, por isso é bastante chocante para todos nós. Não temos ideia de quem poderá estar por trás do ataque, mas condenamo-lo”, respondeu à agência.

Foto dada pelos organizadores à agência UCA News de cristãos a protestarem contra a vandalização de estátuas num santuário de Guntur, no estado de Andhra Pradesh, no sul da Índia, em 15 de maio.

Foto cedida pelos organizadores à agência UCA News de cristãos a protestarem contra a vandalização de estátuas num santuário de Guntur, no estado de Andhra Pradesh, no sul da Índia, em 15 de maio.

O ódio incentivado por fascistas

Para o articulista Cedric Prakash, os fascistas “vomitaram ódio e divisão através dos seus discursos venenosos; incitaram as pessoas à violência e usaram efetivamente o funcionalismo para promover os seus interesses. Os resultados estão à vista de todos: uma maior polarização da comunidade maioritária num país que se orgulhava de seu pluralismo e diversidade”.

Os objetivos destes extremistas hindus são políticos e visam a Constituição secular da Índia. “A sua agenda meticulosamente planeada visa ganhar o poder absoluto nas eleições nacionais de 2024.” E recorda ainda que em 2025 se assinalam os 100 anos da organização que está no comando da “sala de máquinas”, a Rashtriya Swayamsevak Sangh (RSS).

“A ideologia fascista do RSS é contra a constituição secular da Índia, pois o seu objetivo principal é declarar a Índia uma ‘Hindu Rashtra’ (nação hindu) o mais rapidamente possível – para alguns deles já em 2025!”, nota Cedric Prakash, que exemplifica com o que se passa em Goa.

“Já nos últimos dois anos, elementos Hindutva têm vindo a perturbar a harmonia comunal dentro e à volta do sítio arqueológico da Igreja Nossa Senhora da Saúde em Sancoale, Goa, com 416 anos, tentando realizar alguns rituais religiosos em frente à igreja”, sinaliza o autor. “Eles fazem algumas alegações absurdas, como dizerem que a igreja foi construída sobre as ruínas de um templo Laxmi Narasimha. Este, como vários outros templos, que aparentemente foram arrasados, tendo as igrejas construídas sobre eles há cerca de 500 anos durante o domínio português, precisavam de ser reconstruídos.”

Para Prakash, “a questão-chave é esta: eles podem garantir um futuro melhor e mais harmonioso para todos?” A resposta tem de ser dada por todos os indianos nos próximos anos.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This