Bispo católico denuncia

São já quase 7 milhões os venezuelanos que deixaram o país

| 5 Nov 21

migrantes venezuela foto mirsad sarajlic

 As pessoas não saem do seu país porque querem; fazem-no para fugir da fome, da violência, da guerra, da falta de condições de vida, da perda de expectativas de futuro…”, sublinha o bispo de La Guaira. Foto © Mirsad Sarajlic.

 

Calcula-se que serão já mais de sete milhões os venezuelanos que deixaram o seu país para fugir à crise económica que tem vindo a agravar-se nos últimos anos. O bispo de La Guaira (Venezuela), Raul Biord, esteve na sede internacional da Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), em Königstein, na Alemanha, e descreveu um país à beira da rutura, avançou esta sexta-feira, 5 de novembro, a instituição.

“O número de Venezuelanos que partiram aproxima-se dos sete milhões. É a maior migração da história moderna do país”, afirmou o bispo, sublinhando que este fluxo migratório tem menos de uma década, coincidindo com o agravar da crise. “A vida de todos os migrantes é sempre difícil e dolorosa. As pessoas não saem do seu país porque querem; fazem-no para fugir da fome, da violência, da guerra, da falta de condições de vida, da perda de expectativas de futuro…”, sublinhou.

O promotor do Tribunal Penal Internacional (TPI), Karim Khan, que esteve esta semana na capital venezuelana, decidiu abrir uma investigação por crimes contra a humanidade naquele país. O anúncio foi feito no Palácio de Miraflores, durante a assinatura de um memorando de entendimento com o Presidente Nicolás Maduro, no qual este se comprometeu a cooperar com o processo. A Venezuela é o primeiro país da América Latina a ser investigado pelo TPI.

 

Um caderno para imprimir e usar

Sínodo 2021-23

Um caderno para imprimir e usar novidade

Depois de ter promovido a realização de dois inquéritos sobre o sínodo católico 2021-23, o 7MARGENS decidiu reunir o conjunto de textos publicados a esse propósito num caderno que permita uma visão abrangente e uma utilização autónoma do conjunto. A partir de agora, esse caderno está disponível em ligação própria.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Esta é a Igreja que eu amo!

Esta é a Igreja que eu amo! novidade

Fui um dos que, convictamente e pelo amor que tenho à Igreja Católica, subscrevi a carta que 276 católicas e católicos dirigiram ao episcopado português para que, em consonância e decididamente, tomassem “a iniciativa de organizar uma investigação independente sobre os crimes de abuso sexual na Igreja”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This