Relatório sobre direitos humanos

Sara Ocidental: “Não esqueçamos estas mulheres!”

| 8 Dez 2022

Sara Ocidental

Mulheres sarauis no campo de Aousserd, em Tindouf (sudoeste da Argélia), na altura da visita do ex-enviado especial das Nações Unidas para o Sara Ocidental, Horst Kohler. Foto © Tomás Sopas Bandeira

 

Aminatou Haidar, Sultana Khaya e muitas outras mulheres do Sara Ocidental continuam, quase 50 anos depois, a viver sob a ocupação do seu território pelo reino de Marrocos, sem que se vislumbre uma solução diplomática que promova a autodeterminação saraui. 

Antecipando o Dia Internacional dos Direitos Humanos, que se assinala este sábado, 10 de dezembro, a Associação de Amizade Portugal-Sahara Ocidental (AAPSO) divulgou um relatório sobre a situação dos Direitos Humanos no Sahara Ocidental que pede de forma assertiva: “Não esqueçamos estas mulheres!”

Mulheres como Aminatou e Sultana, mas também homens e jovens, como explica a AAPSO em comunicado, que “são retratados neste documento atualizado, que explica por que razão o povo [sariano] é alvo de uma repressão sistemática, há quase 50 anos, por parte de Marrocos”. 

No comunicado, a associação portuguesa de solidariedade com a República Democrática Árabe Saraui refere que “quando o Direito Internacional afirma que um povo tem direito a escolher a sua soberania — é o direito à autodeterminação — e em vez disso o seu território é invadido e ocupado pela força, a luta pelo reconhecimento dos seus direitos é esmagada pelo opressor”. Trata-se de “um círculo vicioso”, sintetiza o texto. 

A AAPSO recorda ainda que “quatro relatores especiais do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas escreveram uma carta ao rei de Marrocos, em janeiro de 2021, na qual expressam a sua preocupação com o ambiente inseguro e hostil para os defensores dos direitos humanos em Marrocos e no Sara Ocidental”. E citam uma passagem dessa carta: “Tortura, processos judiciais, ameaças e vigilância constante constituem um grave ataque às organizações e aos defensores dos direitos humanos. Estes ataques têm um efeito arrepiante na sociedade civil e desencorajam o trabalho no domínio dos direitos humanos.” 

Para a associação, “a denúncia bem documentada da ONU é fundamental, mas não basta”. E acrescentam: “É preciso que se saiba, se compreenda, para que a nossa solidariedade, enquanto cidadãs e cidadãos, e enquanto organizações, encontre formas de se exprimir, ao mesmo tempo que exige de quem tem poder — em Marrocos, e em todos os países que formam a comunidade internacional — que o povo saraui possa decidir, através de um referendo justo e livre, sobre o seu futuro. Um Sara Ocidental soberano e democrático contribuirá para o respeito pelos Direitos Humanos e para a paz e o desenvolvimento na região do Magrebe.”

 

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe

Nove dias após a sua morte numa prisão russa

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe novidade

O corpo do líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi entregue à sua mãe, informou ontem, sábado, Ivan Zhdanov, diretor da Fundação Anti-Corrupção de Navalny e um dos seus principais assessores na sua conta de Telegram. O responsável agradeceu a “todos” os que apelaram às autoridades russas para que devolvessem o corpo de Navalny à sua mãe, citado pela Associated Press.

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos

Como preparação para a segunda sessão do Sínodo

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos novidade

Os bispos católicos da Bélgica enviaram às dioceses e comunidades locais do seu país uma carta no dia 16 de fevereiro sugerindo a reflexão sobre dois temas ministeriais, a ordenação sacerdotal de homens casados e a instituição de mulheres diaconisas, como forma de preparação dos trabalhos da segunda sessão do Sínodo dos Bispos, que decorrerá em Roma em outubro próximo.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Cristo Cachorro, versão 2024

Cristo Cachorro, versão 2024 novidade

Invejo de morte a paixão que os cartazes da Semana Santa de Sevilha conseguem despertar. Os sevilhanos importam-se com a sua cidade, as festas e com a imagem que o cartaz projecta, se bem que com o seu quê de possessivo, mas bem melhor que a apatia. Não fossem frases como “É absolutamente uma vergonha e uma aberração” e as missas de desagravo e o quadro cartaz deste ano teria passado ao lado.

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

7MARGENS antecipa estudo

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This