Precisamos de nos ouvir (4) – Miguel Panão: Saudades das caras

| 14 Fev 21

Máscara, Pandemia, Rosto, Pessoas

“Esta pandemia ajudar-nos-á a descobrir facetas desconhecidas da nossa identidade, ou a re-definir o que nos identifica.” Foto © Maria do Carmo Marques Lito

 

Numa rua com uma simples brisa, não há motivo para não mostrar a minha cara. Os aerossóis são dispersos por uma simples brisa. Só nos espaços mais fechados ou pouco ventilados é que corremos o risco de nos infectarmos. Se uma família dentro de casa não usa máscara, por que razão a usa dentro do carro? Será pelo frio, e a máscara sempre aquece alguma coisa? Antes, se entrasse num banco com uma máscara era assaltante. E agora? Enfim, tenho saudades das caras, e penso que esta pandemia ajudar-nos-á a descobrir facetas desconhecidas da nossa identidade, ou a re-definir o que nos identifica.

No teatro, a máscara serve para esconder uma identidade, de modo a que o actor possa assumir uma identidade diferente. O formato dessas máscaras serve, também, para dar uma carga emocional ao tipo de identidade. Por exemplo, no teatro japonês, a máscara expressa a idade e o sexo da personagem, e se é de natureza humana ou divina. Assim, apesar das máscaras tornarem a nossa face incompleta, não impedem a nossa criatividade de as usar de um modo expressivo. A experiência mais imediata será a de que, com as máscaras, são os olhos que sorriem.

Teatro, Índia, Máscara,Arte, Pandemia

Teatro em Cochim, Índia: as máscaras servem, “também, para dar uma carga emocional ao tipo de identidade”. Foto © Miguel Veiga.

 

Quando a Apple introduziu o FaceID para desbloquear o telemóvel, usou algoritmos de reconhecimento facial, suficientemente adaptáveis para considerar mudanças no rosto como o crescimento da barba, uma cor do cabelo diferente, mais ou menos maquilhagem, mas as máscaras criaram uma crise de identidade nos softwares. Embora uma boa parte do algoritmo de reconhecimento esteja em torno dos olhos, a validação implica a totalidade da face. Não é de admirar.

Eu próprio fiz essa experiência quando comecei as aulas com alunos do primeiro ano que usavam máscara, pelas razões de segurança que conhecemos, e não conseguia imaginar o seu rosto até que as tirassem, momentaneamente, para os conhecer. Por muito reconhecimento da nossa identidade que possamos fazer com tecnologia, por exemplo, através da íris dos nossos olhos, nada se compara à totalidade do nosso rosto.

Aliás, se pegarmos numa foto nossa, dividirmos a metade, copiando e rodando para obter um rosto perfeitamente simétrico, encontraremos uma pessoa parecida connosco, mas não nos reconhecemos plenamente. A assimetria das nossas faces, e todos os pequenos detalhes (que antes talvez considerássemos defeitos), na verdade, são o que fazem do nosso rosto, um rosto único.

Claus-Christian Carbon, da Universidade de Bamberg (Alemanha), estudou o efeito das máscaras na leitura das nossas emoções. O teste confrontava os participantes com a imagem de rostos com máscara a expressarem seis emoções diferentes: zangado, enojado, receoso, feliz, neutro e triste. Enquanto os rostos neutros e receosos se caracterizam muito pela expressão dos olhos e os participantes acertavam mais, os restantes eram confundidos como neutros, ou no caso do rosto daquele que está enojado era confundido com um rosto zangado. Ou seja, se muitos de nós temos dificuldade em ler o rosto das pessoas, não é de estranhar, pois, que a necessidade do uso da máscara complique as nossas interacções sociais. Diz o ditado que “quem vê caras, não vê corações”, mas na era pós-covid19, essa é uma realidade do nosso quotidiano.

As expressões faciais não são a única fonte de informação dos estados emocionais de uma pessoa, por termos, também, a linguagem corporal e a postura de cada um. Também a voz nos indica algo sobre aquilo que alguém sente. Mas a comunicação verbal directa é a fonte mais clara daquilo que passa pela cabeça de uma pessoa. Por isso, as máscaras induziram-nos a um inesperado passo de evolução social: expandir o repertório de gestos e expressões corporais como desenvolvimento da nossa capacidade de expressar emoções. Ou seja, a máscara que começou como um obstáculo pode tornar-se um trampolim de renovação interior e exterior.

Máscara, Pandemia, Miguel Veiga

“A máscara que começou como um obstáculo pode tornar-se um trampolim de renovação interior e exterior.” Foto © Miguel Veiga.

 

Todos estamos cientes de ser mais fácil agarrarmo-nos aos que não conseguem usar estas dificuldades como motivação de crescimento pessoal e social, e propagar as ideias perigosas de que tudo está bem se não usarmos máscaras, quando não está. Estou ciente de que, ao mostrar o meu rosto na rua, uso os conhecimentos que tenho de transporte de aerossóis para assegurar que não sou infectado, ou infecto ninguém, mas nem todos possuem esses conhecimentos. Logo, em certas (bastantes) situações uso a máscara como um acto civil e solidário, mesmo sabendo ser desnecessário. Mas não consigo esconder as saudades que tenho de ver caras.

Creio é que ceder à saudade com sabedoria, em tempo de pandemia, é abraçar a criatividade de falar aos outros com mais partes do meu corpo que não somente o rosto. Ser explícito nas palavras e no olhar. E acreditar que saberemos aprender a comunicar mais e melhor no futuro, já que esperar que os outros leiam o que sinto somente olhando para o meu rosto é coisa do passado.

 

Miguel Panão é professor no Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade de Coimbra; para acompanhar o que escreve pode subscrever a Newsletter Escritos.

 

AstraZeneca: fundos públicos financiaram vacina em 97%?

AstraZeneca: fundos públicos financiaram vacina em 97%?

Fundos públicos com diversas origens financiaram pelo menos 97% dos custos de investigação e desenvolvimento que permitiram a criação e o lançamento da vacina anti-covid-19 do grupo Oxford/AstraZeneca. A conclusão faz parte de um estudo, publicado a 10 de abril, por investigadores da Universities Allied for Essential Medicines, ainda não sujeito a qualquer revisão por outros cientistas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Mãos à obra (6) – Ferraria de São João: Fazer acontecer

Mãos à obra (6) – Ferraria de São João: Fazer acontecer

Desta vez, pela mão de Ana Sofia Soeiro, fomos até à aldeia de Ferraria de São João, concelho de Penela. Inserida na rede de “Aldeias do Xisto”, com uma população residente de cerca de 50 pessoas, alguns adolescentes e crianças, as gentes da terra, com o apoio da Associação de Moradores, decidiram fazer acontecer. E agora, outras gentes em outros lugares, lhes seguem as pisadas. Assim se exerce a cidadania.

Breves

Seminário de Coimbra assinala Dia Internacional dos Monumentos e Sítios com direto na cúpula da igreja novidade

Uma conversa em cima do andaime montado na cúpula da igreja do Seminário Maior de Coimbra irá juntar, no próximo dia 19 de abril, pelas 18h, o padre Nuno Santos, reitor da instituição, e Luís Aguiar Campos, coordenador do projeto de conservação e restauro do seminário. A iniciativa pretende assinalar o Dia Mundial dos Monumentos e Sítios (que se celebra domingo, 18) e será transmitida em direto no Facebook.

Vaticano saúda muçulmanos no Ramadão novidade

O Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, da Santa Sé, enviou uma mensagem aos muçulmanos de todo o mundo, por ocasião do início do Ramadão, convidando todos os crentes a serem “construtores e reparadores” da esperança.

China quer que clérigos tenham amor pelo Partido Comunista

Novo decreto governamental é “mais uma medida totalitária para limitar a liberdade religiosa”, acusa organização de direitos humanso. O decreto aplica-se a todas as religiões, ou seja, lamas budistas, clérigos cristãos, imãs muçulmanos e outros líderes religiosos.

Aumentar valor das prestações sociais, sugere Pedroso nos 25 anos do RSI

O valor das prestações sociais como o Rendimento Social de Inserção (RSI) deveria aumentar, pois já não responde às necessidades das pessoas mais vulneráveis. A ideia é defendida por Paulo Pedroso, que foi o principal responsável pela comissão que estudou o modelo de criação do então Rendimento Mínimo Garantido (RMN).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Francisco corta 10% nos salários dos cardeais

O Papa Francisco emitiu um decreto determinando um corte de 10% nos salários dos cardeais, bem como a redução de pagamento a outros religiosos que trabalham na Santa Sé, com efeitos a partir de 1 de abril, divulgou o Vaticano esta quarta-feira, 24 de março. A medida, que não afeta os funcionários com salários mais reduzidos, visa salvar os empregos no Vaticano, apesar da forte redução das receitas da Santa Sé, devido à pandemia de covid-19.

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Entre margens

Europa: um Pacto Ecológico para inglês ver? novidade

“O Pacto Ecológico Europeu é … uma nova estratégia de crescimento que visa transformar a UE numa sociedade equitativa e próspera, dotada de uma economia moderna, eficiente na utilização dos recursos e competitiva, que, em 2050, tenha zero emissões líquidas de gases com efeito de estufa e em que o crescimento económico esteja dissociado da utilização dos recursos.” (Pacto Ecológico)

Leprosários novidade

A mais recente Responsum ad dubium[1] da Congregação para a Doutrina da Fé relativa à bênção de uniões homossexuais tem feito correr rios de tinta. Se, por um lado, haja quem veja um retrocesso no caminho de inclusão delineado pelo Papa Francisco, outros encaram esta resposta como um travão necessário à prática de bênçãos a casais homossexuais, em total coerência com a linha da doutrina moral da Igreja.

Para condenar não me chamem

Após vinte e dois anos de trabalho dentro de uma prisão ainda me pergunto: que falta faz um padre na prisão? Talvez seja necessário responder antes a uma outra: para que serve a prisão? O sistema prisional devia ter dois objetivos fundamentais: proteger a sociedade de condutas criminosas e proporcionar aos reclusos uma hipótese de reabilitar as suas vidas.

Cultura e artes

A torrente musical de “Spem in Alium”, de Thomas Tallis

Uma “torrente musical verdadeiramente arrasadora”, de esperança pascal, diz o padre Arlindo Magalhães, comentador musical, padre da diocese do Porto e responsável da comunidade da Serra do Pilar (Gaia), a propósito da obra de Thomas Tallis Spem in Alium (algo que se pode traduzir como “esperança para lá de todas as ameaças”).

A Páscoa é sempre “pagã”

A Páscoa é sempre pagã / Porque nasce com a força da primavera / Entre as flores que nos cativam com promessas de frutos. / Porque cheira ao sol que brilha na chuva / E transforma a terra em páginas cultivadas / Donde nascem os grandes livros, os pensamentos / E as cidades que se firmam em pactos de paz.

50 Vozes para Daniel Faria

Daniel Faria o último grande poeta português do século XX, morreu há pouco mais de vinte anos. No sábado, dia 10, assinala-se o 50.º aniversário do seu nascimento. A Associação Casa Daniel assinala a efeméride com a iniciativa “50 Vozes para Daniel Faria” para evocar os poemas e a memória do poeta.

“Sequência da Páscoa: uma das mais belas histórias do mundo”

Sem poder ir ao cinema para poder falar de um novo filme que, entretanto, tivesse estreado, porque estamos em tempo de Páscoa e porque temos ainda viva diante dos olhos a profética peregrinação do Papa Francisco ao Iraque – que não pode ser esquecida, mas sempre lembrada e posta em prática – resolvi escrever (para mim, a primeira vez neste lugar) sobre um filme profundamente pascal e actual: Dos Homens e dos Deuses (é quase pecado não ter experimentado a comoção de vê-lo). E não fui o único a fazê-lo por estes dias.

Sete Partidas

É o vírus, estúpido!

No princípio da semana (22 março),  Angela Merkel reuniu com os ministros-presidentes dos estados alemães para tomar decisões sobre o que fazer perante o actual descontrolo da situação na Alemanha. As hesitações dos políticos e os truques que alguns responsáveis regionais arranjaram para iludir as regras combinadas por todos foram fatais para a luta contra a mutação inglesa. Esta terceira vaga está a ser ainda mais rápida e avassaladora do que já se temia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This