Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma

| 29 Jun 2022

jovem solidao saude mental foto c petko ninov

Terminado o ano letivo para a maior parte dos alunos, é possível verificar que foram muitos os que sofreram com problemas relacionados com a saúde mental ou com a falta dela, tendo muitos vivido esse abismo sozinhos, com medo de procurar ajuda. Foto © Petko Ninov.

 

A saúde mental dos jovens tem-se vindo a tornar, aos poucos, num tema com particular relevância nas reflexões da sociedade hodierna, ainda que se verifique que estas possam, muitas das vezes, não resultar em concretizações visíveis e materializar em soluções para os problemas que afetam os membros desta mesma sociedade. A verdade é que, apesar de todos os esforços por parte dos profissionais de saúde e também das pessoas, toda a temática é, ainda, envolvida por uma “bolha de estigmas”, o que a transforma numa temática-tabu.

A “bolha de estigmas” surge como consequência indissociável da nossa “sociedade do medo”. O tabu corresponde a uma simples equação que tem como incógnitas a vergonha, a culpa, a martirização, a diminuição e cujos resultados são a não-procura de ajuda e o aumento dos custos pessoais, sociais e económicos resultantes deste problema.

Que reflexão temos, então, que fazer? O cenário obriga a que paremos e reflitamos coerente e aprofundadamente sobre a temática, tendo em vista o alcance rápido de soluções e a anulação completa de focos provocadores de instabilidade. Estes focos corporizam razões que nos permitem justificar a cena, das quais destaco duas: a pandemia e o mundo da exigência e da competitividade no qual estamos inseridos. Não é tempo para brincadeiras – é imperativo mudar o paradigma!

Em 2021, a UNICEF [Fundo das Nações Unidas para a Infância] alertou para o impacto negativo e duradouro da situação pandémica na saúde mental das crianças e dos jovens, num relatório global intitulado A Situação Mundial da Infância 2021 – Na Minha Mente: promover, proteger e cuidar da saúde mental das crianças, que fez uma reflexão alargada sobre o estado da saúde mental das crianças e dos adolescentes. A nível mundial, calculava-se que mais de um em cada sete jovens com idades compreendidas entre os dez e os 19 anos vivam com um distúrbio mental diagnosticado. O relatório denunciava também o subfinanciamento ao nível dos sistemas de saúde e recursos comunitários.

Para os jovens, este é, sem dúvida, um assunto que se reveste de uma carga emocional intensa e que corporiza em si as ânsias, os medos e as preocupações que acompanham o quotidiano de cada um. Tudo isto é consequência dos focos provocadores de instabilidade, que subtilmente, sem que as pessoas percebam, se apoderam da estabilidade das crianças e dos adolescentes e que, muitas vezes, acabam por parcial ou totalmente destruir a sua vida. Para mim, jovem que vive intensamente todos os momentos, não é difícil identificar quais são, afinal, estes focos. A adolescência e os primeiros anos da vida adulta são tempos profundamente marcados por mudanças de vários tipos que, dependendo de pessoa para pessoa, podem afetar o percurso normal do jovem; correspondem a um período de uma construção gradual e emocionalmente intensa da sua própria personalidade, com auto-questionários que resultam na afirmação da pessoa que é; são anos de uma natural apreensão e stress.

É um processo que não é fácil e que não tem balizas temporais, pese embora a sociedade as queira traçar e obrigue os jovens a forçar uma coisa que não é manipulável – este é um dos grandes focos. Outro foco provocador de instabilidade é o que é inerente a estes tempos de modernidade – a sociedade exige que se seja melhor do que os outros, que não se falhe, sob pena de sermos desvalorizados ou pouco reconhecidos. Infelizmente, é isto que acaba por acontecer, apesar de a minha linha de raciocínio não ser essa: dou o meu melhor em todos os momentos mas reconheço que errar é qualidade humana. Mas, queiramos ou não, esta pressão social é o que, infelizmente, acontece. Vejamos os casos dos alunos que perdem a componente social, graças ao tempo que passam dentro do seu quarto a estudar, única e exclusivamente para agradar à sua instituição educativa, que quer alcançar os melhores resultados nos rankings. Vejamos os alunos do Ensino Artístico, por exemplo, que são pressionados pelo mundo da competição que os rodeia, obrigando-os a não falhar em palco, e acabando por criar neles uma base de ansiedade permanente. Vejamos os jovens que, por competências e qualidades reconhecidas, são frequentemente solicitados e têm que responder no mesmo nível de qualidade de sempre. Olhemos à nossa volta, observemos os jovens que vivem doentes no foro mental e perceberemos que todos estes aspetos se assumem, efetivamente, como focos potenciadores de um percurso de vida pouco saudável.

Por último, há outro foco que não posso deixar de destacar – apesar de benéfico em alguns aspetos, o crescente uso das tecnologias está associado também ao emergir de pressões adicionais, graças à conetividade possível em qualquer rede social e a qualquer hora do dia ou da noite, desencadeando a construção de uma sociedade do medo e da pressão, na qual se polariza e normaliza, com muita facilidade, o desrespeito pelo outro e o seu mal-estar. São todas estas situações que revoltam os jovens dos nossos dias que, inconformados e irreverentes, erguem bandeiras a este propósito (e.g. “Um psicólogo por cada freguesia”), defendendo uma valorização mais visível e eficaz da saúde mental.

Mas não é só aos jovens que se exige uma postura firme em relação a esta matéria. Qual é o papel das escolas relativamente a esta situação? Elas assumem a importante função de educar para a prevenção e de disponibilizar, na medida dos possíveis, os recursos para uma resposta eficiente às situações que surgem. Convenhamos que não é fácil que as escolas garantam uma plena estabilidade mental dos alunos, mas há duas coisas às quais não devem fugir: a atribuição do direito da palavra e da expressão de angústias e emoções aos alunos e a conceção de aluno como um todo cognitivo e intelectual, cuja preparação resulte na formação de pessoas responsáveis, conscientes e preparadas para a sociedade e do medo e dos estigmas, formação que obviamente incluirá, mas num nível secundário, a obtenção de bons resultados. Terminado o ano letivo para a maior parte dos alunos, é possível verificar que foram muitos os que sofreram com problemas relacionados com a saúde mental ou com a falta dela (excesso de cansaço, burnouts, depressões) tendo muitos vivido esse abismo sozinhos, com medo de procurar ajuda.

É por isso que afirmo que é urgente que se prepare um futuro de estabilidade. “A saúde mental é uma parte da saúde física, não nos podemos dar ao luxo de continuar a vê-la como se assim não fosse”, dizia a diretora-executiva da UNICEF a propósito do relatório suprarreferido. Não nos dispensemos, então, da participação da reflexão de sociedade. Um novo paradigma é o nosso desiderato – encontremos um grande megafone para que se afirme.

 

Sérgio Silva é aluno do 11º ano na Escola Artística Conservatório de Música Calouste Gulbenkian, em Braga.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

O Simão e a oração-menina que lhe apareceu

[Margem 8]

O Simão e a oração-menina que lhe apareceu novidade

O Simão ainda tem o tamanho de menino que consegue caminhar por baixo da mesa de jantar. Inclina um bocadinho a cabeça, risonho, e passa de um lado ao outro com as suas aventuras. Tem os olhos que são todo um convite para o mundo. A vida é atraída por aqueles olhos e vai por ali adentro em torrente, com o entusiasmo de um ribeiro.

Triódio da Quaresma na ortodoxia: celebrar com alegria

Triódio da Quaresma na ortodoxia: celebrar com alegria novidade

Na minha infância este tempo era lúgubre, como um véu de tristeza que tudo cobria, nos rostos dos fiéis, nas decorações, na exaltação do sofrimento. Nunca o compreendi nem me associei até que as amêndoas, doces e o início da primavera me salvavam. Na ortodoxia, a Páscoa celebra-se este ano no dia 16 de Abril de 2023.

Genocídio do povo Yanomami está a mobilizar instituições brasileiras

Igreja Católica solidária

Genocídio do povo Yanomami está a mobilizar instituições brasileiras novidade

O Brasil mobiliza-se para salvar o povo Yanomami e o seu território, abandonado pelos serviços do Estado e atacado pelos garimpeiros e os interesses que estão por detrás deles, nas últimas décadas. O ataque foi tão brutal que as novas autoridades de Brasília já falam em genocídio. O Supremo Tribunal de Justiça, o Presidente brasileiro, o Exército, e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) são algumas das entidades que têm mobilizado esforços, nas últimas semanas, para acudir a uma situação que além de crise humanitária é considerada também “uma tragédia ambiental”.

“Por favor, digam ao Papa que só queremos paz!”

Francisco no Sudão do Sul

“Por favor, digam ao Papa que só queremos paz!” novidade

As ruas estão mais limpas que nunca, algumas foram alcatroadas, e a uma delas até lhe mudaram o nome: agora chama-se Rua Papa Francisco. A cidade de Juba está a postos para receber aquela que é a primeira viagem de um Pontífice ao mais jovem país do mundo, o Sudão do Sul, e entre os milhares que vão procurando um lugar para ver o Papa passar há um grande desejo comum: o de que esta visita contribua, definitivamente, para a paz.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This