Alterações climáticas

Seca deixa um milhão à fome em Madagáscar

| 27 Out 21

Ambovombe. Madagáscar, maio de 2021. Foto © Pierrot Men/Amnesty International

A crise climática em Madagáscar provocou uma seca devastadora no sul do país, deixando um milhão de pessoas à fome. Segundo a Amnistia Internacional (AI), que publicou agora o relatório “It will be too late to help us once we are dead” (“Quando estivermos mortos, será tarde demais para nos ajudarem”, numa tradução possível), 91% das pessoas vivem abaixo do limiar da pobreza.

Para a organização de direitos humanos, que documenta o impacto da seca no usufruto dos direitos humanos da população na região do “Sul profundo” do país, “Madagáscar é um exemplo gritante do efeito arrasador das alterações climáticas nas vidas de milhares de pessoas”.

“As Nações Unidas afirmaram mesmo que Madagáscar está à beira de experimentar a primeira vaga de fome, resultante das alterações climáticas, no mundo”, nota a Amnistia.

Madagáscar © Pierrot Men/Amnesty International

 

Antecipando a COP26, a cimeira do clima em Glasgow, na Escócia, a AI “apela aos líderes mundiais para que tomem medidas ousadas e concretas para reduzir coletivamente as emissões de carbono em pelo menos 45% em relação aos níveis de 2010 até 2030, e chegar a zero antes ou até 2050, em conformidade com as provas científicas”.

Como recorda a organização, o Programa Alimentar Mundial (PAM) e a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla inglesa) afirmaram, em maio, “que cerca de 1,14 milhões de pessoas enfrentavam elevados níveis de insegurança alimentar aguda no sul do país”, e que perto de 14 mil se “encontravam num estado de ‘catástrofe’”, que é o “nível mais elevado de insegurança alimentar” na escala da “Classificação da Fase Integrada da Segurança Alimentar” (IPC). É a primeira vez que é registada, desde que a metodologia IPC foi introduzida em Madagáscar em 2016.

A FAO relembra que 95 % das pessoas que enfrentam insegurança alimentar aguda no sul de Madagáscar dependem da agricultura, pecuária e pesca. No entanto, as estações chuvosas abaixo da média, ao longo dos últimos anos, levaram a uma grave redução da produção de alimentos básicos, como arroz e mandioca, e à diminuição do gado, já que a seca também provocou morte de animais.

 

Madagáscar © Pierrot Men/Amnesty International

Combater bem o mal

Combater bem o mal novidade

Os tempos que se vivem na Igreja Católica suscitam especial dor a todas as pessoas, sejam ou não crentes, provocando revolta em muitos contra um aparentemente imobilismo na resposta a uma crise que já se prolonga por demasiado tempo. A Igreja, enquanto realidade operante no mundo, não ficou imune a este fenómeno transversal à humanidade que é o abuso sexual de menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This