Segredos e mentiras: afinal, o que é uma família?

| 16 Jan 19

Neste filme, aparentemente tão trivial e simples, nada é o que parece à primeira vista e, no fim, ficaremos ainda com mais dúvidas. Afinal, o que é uma família? Talvez seja esta a pergunta que o realizador japonês, Hirokazu Kore-eda, quer que fique a ‘incomodar’ o espectador. Talvez.

O filme começa com um homem de meia-idade (Osamu) e um miúdo (Shota) a roubar – de maneira combinada e já habitual – num supermercado. De regresso a casa, e já depois de comprarem ‘os melhores croquetes’ que comem felizes, reencontram uma menina pequena, abandonada e ao frio, e decidem levá-la para casa e depois trazê-la aos pais. A ‘família’ que encontramos é grande e nem sequer se percebe bem como cabem todos naquele espaço tão pequeno e por isso tão exageradamente comum, sem privacidade. São pobres. Mas o trabalho também não parece ser uma grande preocupação. Com a reforma da avó e o emprego da mãe dá para ter uma vida remediada mas feliz. Sente-se que as relações entre eles são boas, que são atenciosos uns com os outros. Tão atenciosos que, quando a menina chega e se dão conta de que ela tem sinais de maus-tratos, desistem de ir à procura dos pais, adoptam-na e cuidam dela. Para eles, como depois se verá, o mais importante não são os laços de sangue.

Afinal, não é a única. Lá mais para diante, tomaremos consciência de que Shota não chama pai a Osamu, por mais que ele lhe peça. E que uma outra rapariga (Aki), irmã mais nova da mãe (Nobuyo), também acabou por vir ali parar por alguma razão que nunca chega a ser muito clara.

A verdade é que, vivendo eles à margem da sociedade e passando por cima de todas as suas regras e leis, nós não conseguimos deixar de estar ao lado deles, porque percebemos que são uma ‘família feliz’. Com todas as suas trapalhadas e mentiras, eles pertencem uns aos outros, estão bem uns com os outros, cuidam uns dos outros.

Até que o miúdo (Shota), já depois de saber que um lojista afinal fazia de conta que não via, e até lhe deu uma prenda, com um pedido, é apanhado a roubar e, ao fugir, sem escapatória, atira-se abaixo de um viaduto. E tudo se precipita. E tudo se desmorona. Então ficamos a saber quase tudo sobre todos eles e as suas ambiguidades (os adultos, que parecem bons, afinal também carregam consigo alguns crimes e maldades).

Como tantas vezes, ‘Uma Família de Pequenos Ladrões’ mostra-nos pessoas que fazem coisas erradas pelos melhores motivos. Há uma certa inocência infantil nas palavras e nas acções. E há também uma certa ambiguidade, que serve para denunciar a hipocrisia social, e que o filme deixa em aberto diante de nós. Como uma pergunta.

No final, a menina abandonada e adoptada, devolvida pela justiça aos seus pais biológicos, que continuam a discutir e a tratá-la mal, está na varanda e olha o horizonte vazio, como que à procura do lugar de onde tinha vindo: afinal, a sua família era aquela onde tinha passado os últimos dias. Já o tínhamos ouvido, lá mais para trás: “Não basta dar à luz para se ser mãe.”

E assim, este filme faz pensar como, às vezes, a mentira pode ser mais verdadeira que a verdade. Nestes tempos em que dizer ‘família’ significa situações tão diferentes, este filme pode ser visto como um retrato tocante e simbólico.

Confusos? O melhor mesmo é ver o filme.

Shoplifters – Uma Família de Pequenos Ladrões

Título original: Shoplifters Realização: Hirokazu Kore-eda Intérpretes: Kirin Kiki, Lily Franky, Sôsuke Ikematsu, Jyo Kairi, Miyu Sasaki

M/14; Japão, 2018; Cor, 121 min

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Matosinhos; o texto foi inicialmente publicado na revista Mensageiro de Santo António, de Janeiro de 2019.

Breves

Boas notícias

Outras margens

Cultura e artes

CRC promove homenagem a Luís Salgado Matos

O Centro de Reflexão Cristã promove no próximo dia 10 de março um encontro de homenagem a Luís Salgado de Matos, falecido a 15 de fevereiro, autor com um largo contributo para o estudo da história religiosa contemporânea com muitas obras e artigos.

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

Pessoas

CRC promove homenagem a Luís Salgado Matos

CRC promove homenagem a Luís Salgado Matos

O Centro de Reflexão Cristã promove no próximo dia 10 de março um encontro de homenagem a Luís Salgado de Matos, falecido a 15 de fevereiro, autor com um largo contributo para o estudo da história religiosa contemporânea com muitas obras e artigos.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada novidade

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Banco da solidariedade, experiência única

Sobre uma oportunidade de resistência coletiva     Muito se tem escrito e tenho escrito sobre a falta de saúde mental a que, provavelmente, estamos e estaremos sujeitos durante e após esta pandemia. Os números crescem, traduzidos por sofrimentos enquadráveis...

Que futuro, Iémen?

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This