[Segunda Leitura]

Isto não é gozar com quem…?

| 29 Mai 2021

violencia domestica foto direitos reservados

“O Comité de Direitos Humanos das Nações Unidas expressou preocupação com a persistência da violência doméstica e com os baixos níveis de denúncias, acusações e condenações relativas a violência de género em Portugal.” Foto: direitos reservados

 

Ler jornais é saber mais. Vamos, então, a alguma leitura.

Esta notícia, por exemplo:

“Relação diz que pontapés e palmadas não são violência doméstica” (JN, 28/5/2021).

Desenvolvendo:

“O Tribunal da Relação de Coimbra (TRC) considerou que atos como pontapés, palmadas e puxões de cabelo não constituem crimes de violência doméstica, de acordo com o ‘Jornal de Notícias’ (JN).

O caso diz respeito a um homem que foi condenado, em primeira instância, a ano e meio de prisão e ao pagamento de uma indemnização de mil euros, por ter sido o autor destes atos de violência para com a sua companheira.

No entanto, após o recurso, e com um voto vencido de um dos três juízes desembargadores, o TRC considerou que o caso revelava “pouca gravidade, inserindo-se na pequena criminalidade” e não podia ser considerado um crime de violência doméstica, segundo o acórdão a que o jornal teve acesso.

Curioso é que o próprio tribunal entendeu que “o arguido agiu com o propósito de maltratar física e psiquicamente a companheira, tal como resulta que a deixou, na altura, em sobressalto e em situação de instabilidade”. Contudo, acrescenta o acórdão, “os atos praticados pelo arguido não são suscetíveis de configurar a ocorrência de um crime de violência doméstica, porque não assumem a tal intensa crueldade, insensibilidade, desprezo, aviltamento da dignidade humana necessárias ao crime”.

Eu não sou jurista e, portanto, deve haver aqui qualquer coisa que me escapa. Mas se a justiça dos juristas não consegue ser compreendida pelas pessoas, perdendo-se em justificações formais ou processuais que acabam por absolver quem faz malfeitorias como esta, há algo que merece reflexão, debate e… mudança.

(E também gostava que alguém me explicasse por que tabelas é que se mede a “crueldade” de uma qualquer agressão, física ou psicológica, a uma mulher… E se a tabela dos juízes é uma tabela especial.)

 

Continuemos a leitura.

Esta outra notícia, por exemplo:

“Juíza absolve homem que arrastou mulher pelo pescoço na rua” (JN, 21/5/2021).

Desenvolvendo:

“Um homem, de 37 anos, foi absolvido no tribunal de Paredes, no distrito do Porto, do crime de violência doméstica. O Jornal de Notícias (JN), que avança a notícia (…), refere que o arguido foi apanhado pela Guarda Nacional Republicana (GNR) a arrastar a companheira, pelo pescoço, na rua em direção a uma viatura.

A juíza Isabel Pereira Neto considerou a agressão como provada. Contudo, indicou que o sucedido não teve “crueldade, insensibilidade e desprezo” para que constituísse um crime de violência doméstica. Segundo a sentença, entendeu-se “que a conduta do arguido não integra o conceito de maus-tratos previsto no artigo 152.º do Código Penal”.

Há mais, mas estas chegam, não chegam? Aliás, bastava uma só, que já chegava e sobrava. Mas elas são mais que muitas. Quem queira aprofundar o tema tem um interessante estudo, elaborado em 2016, sob os auspícios da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género intitulado Violência Doméstica, Estudo Avaliativo das Decisões Judiciais.

Resumo brevíssimo: “Investigadores estudaram 500 sentenças e concluíram que os magistrados são ‘tolerantes’ à violência doméstica, que muitas vezes desvalorizam.” Pois é. Não é de hoje. Nem de ontem. Mas parece não haver meio de mudar a coisa…

A propósito da espantosa decisão do Tribunal de Paredes, a Amnistia Internacional Portugal veio agora recordar que “em abril de 2020, o Comité de Direitos Humanos das Nações Unidas expressou preocupação com a persistência da violência doméstica e com os baixos níveis de denúncias, acusações e condenações relativas a violência de género em Portugal.” “(…) Várias organizações da sociedade civil portuguesa têm também vindo a denunciar que os níveis persistentemente baixos de condenações por violência doméstica poderão contribuir para uma sensação de impunidade dos agressores e de desproteção das vítimas, além de as desencorajar a denunciar abusos”, acrescenta (citado do JN, 27/5/2021).

Depois disto, não há muito mais a dizer, pois não? Só há muito a fazer. Mas… por onde começar?

 

Autonomia, protagonismo e concorrência

[Debate 7M: A Igreja e os média–7]

Autonomia, protagonismo e concorrência novidade

É evidente que nem sempre a relação entre a hierarquia católica e os jornalistas leva em consideração o papel fundamental que estes profissionais desempenham no atual contexto de desinformação em massa. Isso não invalida que se reconheça uma melhoria na forma de projetar a comunicação, com maior profissionalismo nas estruturas católicas, apesar da sistemática dispersão de recursos e ausência de sinergias significativas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo impedido de entrar na Cúria da sua diocese, na Nicarágua

Pressões para calar Igreja

Bispo impedido de entrar na Cúria da sua diocese, na Nicarágua novidade

O bispo de Matagalpa, Nicarágua, Rolando Alvarez, que se tinha refugiado numa paróquia dos arredores de Manágua, no dia 19 de maio, devido a perseguição de forças policiais e que, nos dias seguintes, foi impedido de entrar na Cúria da sua diocese, reatou já a atividade pastoral normal. O bispo conseguiu sair na última segunda-feira, 23, para a sua diocese na parte noroeste do país, mas deparou com a sede da Cúria diocesana bloqueada, pelo que foi obrigado a alojar-se no seminário local.

Os jacarandás já estão em flor

[Nas margens da filosofia – XLV]

Os jacarandás já estão em flor novidade

Nos noticiários que diariamente nos informam da guerra não vemos campos de trigo nem flores – vemos feridos, famílias destroçadas, crianças e adolescentes que viajam sozinhos. Um dos meus netos que foi à Ucrânia buscar refugiados levou-os à praia, quando chegaram a Portugal. Vou sugerir que os leve a ver os jacarandás em flor pois, como diz o poeta (que traduzo livremente), “tudo quanto é belo é uma fonte perene de alegria.”

Tríptico e eco

Tríptico e eco novidade

É nesse momento de suspensão, de silêncio, em que deixamos de procurar activamente, entrando delicadamente no espaço-sem-espaço e no tempo-atemporal, que “mergulhamos com ele até ao fundo” e nos aproximamos do clarão do farol que dissolve as trevas ao varrer a noite [não fosse este jogo de escondidas e pensaríamos nós um dia ter já um domínio total e um conhecimento perfeito daquele que nos procura] para que, pelos vislumbres da beleza da sua presença, nos sintamos chamados a ir procurando mais e sempre de modo renovado.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This