Segunda leitura: O que é um proletário? [À volta do 1º de Maio]

| 4 Mai 2021


Crianças a trabalhar numa fábrica, no século XIX: a única riqueza de um proletário (que muitas vezes também acarreta mais pobreza…) são os filhos. Foto: Direitos reservados.

 

Nos últimos dias fiquei todo contente com uma coisa nova que aprendi. Tem a ver com uma palavra. Aliás, fico sempre muito contente quando aprendo coisas que têm a ver com palavras, com a sua etimologia, com o seu sentido original, e com a evolução de significado ou uso que foram tendo. Fico por vezes maravilhado, quase como uma criança perante uma revelação, os olhos muito abertos e um sorriso feliz por agora se saber: “Ai é?!…”.

Aconteceu-me há muitos anos com a expressão “saber de cor”. Eu fartava-me de a dizer (sei de cor, sei isso de cor e salteado, não sei de cor nenhuma letra de canções, etc…) mas sem pensar exatamente no que estava a dizer. E ouvi alguém explicar que “saber de cor” é “saber com o coração”. É saber de dentro, saber do fundo, cá do íntimo, não é apenas um saber racional, material. E achei muito bonito.

Entretanto aprendi que os franceses também usam savoir par coeur e os ingleses know by heart, é mais fácil para eles a ligação, eu é que não sabia, nunca tinha pensado, mas desde que fiquei a saber nunca mais esqueci. E quando digo que “sei este poema de cor” (por acaso sei pouquíssimos…), sinto que estou a dizer mais do que apenas “sei reproduzir mecanicamente as palavras do poema”. Não. Se sei de cor, sei com o meu coração. Não é lindo?…

Pois esta semana aconteceu-me uma coisa do mesmo género com outra palavra. Se calhar já devia saber, se calhar já devia ter pensado nisso, mas confesso que nunca, até aparecer um programa de televisão que me apanhou (e ainda bem!) numa esquina, desprevenido. A palavra é “proletário”. Nem de propósito, fica muito bem à volta do 1º de Maio, dia em que escrevo. E então o que é etimologicamente um proletário? É alguém que não tem nada de seu a não ser… filhos. Daí o termo “prole”. Dizem os dicionários que a palavra vem do latim e na Roma antiga servia para referir todos aqueles, pobres, que não tinham quaisquer propriedades e cuja única utilidade para o Estado era gerar filhos (prole) para engrossar as fileiras dos exércitos do império. E motivo pelo qual até ficavam isentos de impostos.

Um proletário, portanto, é alguém que não tem nada de seu, nem terrenos, nem fortunas, nem heranças, nada, e que apenas vive de vender a força dos seus braços num qualquer trabalho, recebendo daí um salário para sobreviver. A única riqueza (que muitas vezes também acarreta até mais pobreza…) são os filhos. A única ‘coisa’ de seu, por assim dizer.

Aprendi isto tudo numa bela série que tem passado na RTP2, intitulada O Tempo dos Operários. E aprendi ainda mais coisas. Nos finais do século XIX, em certas zonas de Itália, os operários (proletários…) foram desenvolvendo o costume de pôr aos filhos nomes muito fora do habitual (e o habitual estava ali bastante marcado pela Igreja, como se imaginará). Davam-lhes nomes como Ribelle, Vero, Ideale, Pensiero, Libero Avanti, Communardo, todos com alguma ressonância política, como se percebe. Mas noutros casos nem sequer eram nomes dessa índole, eram designações fantasiosas, livres, fora da norma ou do costume. E porquê, como explicou na série um estudioso destas coisas? Porque dar o nome aos filhos era a única coisa que os operários (os proletários…) podiam fazer com total liberdade e sem prestar contas a ninguém. Porque os filhos eram a única ‘coisa’ de seu e com a qual podiam (ao contrário de tudo o resto) fazer o que muito bem entendessem. Como a sua única ‘propriedade’ eram os filhos, dar nomes alternativos aos filhos era uma declaração de autonomia, era a única forma de mostrar que ao menos ali ninguém mandava neles. Nem o patrão do trabalho, nem os políticos da terra, nem a Igreja, ninguém…

E deram ainda outro exemplo, também muito bonito, este saído de França. Por essa altura (e bem mais tarde, quase até aos nossos dias), havia operários de fábrica que gostavam de fazer certos trabalhos “por debaixo da mesa”. Se trabalhavam numa fábrica de automóveis, por exemplo, nas horas mortas do trabalho iam pegando nuns pedaços de metal e construíam pequenas coisas (animais, brinquedos, pequenas esculturas) que depois levavam consigo. Para quê? Para terem a noção de que ao menos alguma coisa que lhes saía das mãos era deles, só deles e só para eles. Era fruto do seu trabalho, mas não ia para as mãos de ninguém.

Um trabalhador francês deu até o exemplo de um operário português, emigrante, que era um funcionário exemplar, nunca faltava, nunca se atrasava, nunca fazia greve, nada; mas ao longo dos anos foi construindo na fábrica, “por debaixo da mesa” e com materiais nela surripiados, uma série de ferramentas de que precisava para os biscates que fazia em casa (e que, assim, já não precisava de comprar). Era a sua maneira de subverter um pouco o sistema e de afirmar a sua autonomia, de fazer trabalho para si. Porque ele era um proletário, não tinha nada de seu, e assim já tinha alguma coisita, nem que fosse um martelo, uma pá ou uma enxada. Feitos pelas suas próprias mãos, mesmo que às escondidas do patrão (que aos camaradas de trabalho ele piscava-lhes o olho cúmplice sempre que fazia aquilo…).

Foi isto que aprendi esta semana. E bem gostei. Nestas alturas farto-me de pensar que há tanta coisa tão interessante que ainda não sei e quero aprender…

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This