Aliança Evangélica Mundial

Sem liberdade religiosa, “todos os direitos humanos sofrem”

| 11 Jul 2022

Da esquerda para a direita: Alicia Edmund (EAUK), Janet Epp Buckingham (WEA), Danny Webster (EAUK), Thomas Schirrmacher (WEA), Godfrey Yogarajah (WEA), Gaetan Roy (Alemanha) e Yamini Yavindran (NCEASL). Foto © Martin Warnecke | WEA

Da esquerda para a direita: Alicia Edmund (EAUK), Janet Epp Buckingham (WEA), Danny Webster (EAUK), Thomas Schirrmacher (WEA), Godfrey Yogarajah (WEA), Gaetan Roy (Alemanha) e Yamini Yavindran (NCEASL). Foto © Martin Warnecke | WEA

 

Uma delegação da Aliança Evangélica Mundial (WEA, na sigla em inglês) e representantes das suas confissões no Reino Unido, Quénia e Sri Lanka participaram na Conferência Ministerial Internacional sobre Liberdade de Religião ou Crença 2022, que reuniu, em Londres, governos, parlamentares, representantes de fé e crença e sociedade civil de mais de 100 países com o objetivo de uma maior ação global sobre a liberdade de religião ou crença (LRC) para todos.

“Estamos gratos ao governo do Reino Unido por acolher esta reunião e destacar a perseguição de pessoas simplesmente com base na sua fé. Por muitos anos, a WEA defendeu os direitos de todos de praticar livremente sua fé. Continuamos a pedir aos governos que garantam que todos possam acreditar, adorar e viver de acordo com suas crenças religiosas”, disse o bispo Thomas Schirrmacher, secretário-geral da WEA.

A diretora de advocacia da WEA, Janet Epp Buckingham, comentou que a iniciativa incluiu “o quem é quem de especialistas e defensores no centro do ativismo pela liberdade religiosa”. “Quando todos esses defensores se reúnem num só lugar, facilita a colaboração que pode realmente fazer a diferença para as pessoas no terreno”, referiu.

O embaixador da WEA para a Liberdade Religiosa, Godfrey Yogarajah acrescentou: “Não tenho dúvidas de que a reunião ministerial ajudou a criar uma maior consciência global sobre a LRC, uma pedra angular de todos os direitos humanos. Onde a LRC é violada, todos os outros direitos humanos sofrem”, sustentou.

Falando em nome da Aliança Evangélica no Reino Unido que coordenou a participação da WEA e das Alianças Evangélicas nacionais, o diretor de advocacia Danny Webster disse que “Londres mostrou exatamente por que é que isso é tão essencial”. “As sociedades que apoiam a liberdade de religião ou crença para todos são mais fortes e saudáveis, e é um direito fundamental que promove outros direitos humanos e a promoção da democracia. Foi incrível ver tantos países, religiões e líderes da sociedade civil defendendo apaixonadamente a liberdade para todos. Mas a conferência deve ser apenas o começo, as palavras só podem significar muito até que sejam apoiadas por ação substancial e compromisso de longo prazo”, pediu, em jeito de conclusão e apelo à ação.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Clero de Angra pede “incremento da pastoral vocacional” assente no “testemunho do padre”

Face a "descredibilização" dos presbíteros

Clero de Angra pede “incremento da pastoral vocacional” assente no “testemunho do padre” novidade

Reconhecendo que o contexto da Igreja universal “é caracterizado pela descredibilização do clero provocada por diversas crises, pela redução do número de vocações ao sacerdócio ministerial e pela situação sociológica de individualismo e de crescente indiferença perante a questão vocacional”, os representantes do Clero diocesano de Angra (Açores) defendem o incremento da “pastoral vocacional assente na comunidade, sobretudo na família e no testemunho do padre”.

Por uma transumância outra

Por uma transumância outra novidade

Este texto do Padre Joaquim Félix corresponde à homilia do Domingo IV da Páscoa na liturgia católica – último dia da semana de oração pelas vocações – proferida nas celebrações eucarísticas das paróquias de Tabuaças (igreja das Cerdeirinhas), Vilar Chão e Eira Vedra (arciprestado de Vieira do Minho).  

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This