Oitavário de Oração entre 18 e 25

Semana pela Unidade dos cristãos propõe: “Aprende a fazer o bem, procura a justiça”

| 17 Jan 2023

diversidade, mundo, planeta, mãos unidas

Imagem © Shutterstock

 

“De quem são as vozes que não estão a ser ouvidas nas nossas comunidades? Quem não está representado na mesa? Porquê? Que igrejas e comunidades estão faltando nos nossos diálogos, na nossa acção comum e na nossa oração pela unidade dos cristãos? Enquanto oramos juntos durante esta Semana de Oração, o que estamos dispostos a fazer com essas vozes ausentes?”

Estas são as perguntas propostas por um grupo de cristãos nos Estados Unidos da América (EUA) reunidos no Conselho de Igrejas de Minnesota, a que se juntaram católicos do mesmo estado e uma equipa internacional do Conselho Mundial de Igrejas e do agora Dicastério para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Foi esse grupo que preparou os conteúdos para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2023, que será assinalada entre 18 e 25 de Janeiro.

“Aprende a fazer o bem, procura a justiça” é o tema sugerido, a partir do capítulo 1 do livro do Profeta Isaías e alude a um tempo do século VIII a.C. “no final de um período de grande sucesso económico e estabilidade política para Israel e Judá”, mas em que se manifestavam também injustiças e desigualdades “galopantes”. Ao mesmo tempo, lê-se ainda no texto de preparação, crescia também o lado ritualista da religião, “concentrada nas ofertas e sacrifícios do Templo”, a que se juntava a aliança dos sacerdotes do Templo com o rei, os ricos e poderosos, dos quais dependiam.

“Os ricos e os que faziam muitas ofertas eram considerados bons e abençoados por Deus, enquanto os pobres e incapazes de oferecer sacrifícios eram considerados maus e amaldiçoados por Deus.” É neste contexto que Isaías aparece a alertar para o que considerava uma ferida aberta e a denunciar a hipocrisia de quem oferecia sacrifícios enquanto oprimia os pobres.

Fazendo o paralelismo com a actualidade, os textos da Semana de Oração consideram que permanecem vivos muitos desafios da divisão com que Isaías se confrontou. Desde logo, o pecado do racismo e da opressão conduzida por grupos que se consideram superiores por qualquer razão. Foi no Minnesota que se registou a maior execução em massa da história dos EUA (em 1862, quando 38 indígenas do povo Dakota foram enforcados em Mankato, logo a seguir ao dia de Natal); e foi ali que, em Março de 2020, o jovem afro-americano George Floyd morreu vítima da violência de um polícia de Minneapolis.

O racismo e a segregação continuam a imperar nas sociedades – e nos EUA, em concreto, ele atinge as comunidades cristãs que muitas vezes ainda se organizam segundo a cor da pele, retirando a muitas pessoas a sua dignidade. O sofrimento provocado pela covid-19 a tantas pessoas foi mais um exemplo da indignidade em que tantas pessoas vivem e que são um desafio para a acção comum dos cristãos. “Felizes os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o Reino do Céu”, diz Jesus numa das bem-aventuranças, recordada a propósito pelo grupo que redigiu os conteúdos da Semana pela Unidade.

“A opressão é prejudicial a toda a raça humana. Não pode haver unidade sem justiça”, propõe o texto, recordando que o compromisso dos cristãos exige que se defendam as pessoas sem voz, que se comprometam no desmantelamento de estruturas “que criam e sustentam a injustiça, construindo outras que promovem e garantem que todos recebam tratamento justo e o respeito pelos direitos que lhes são devidos”.

Nesta Semana de Oração, devem os cristãos, por isso, continuar a perguntar-se: “Como podemos viver a nossa unidade de cristãos para enfrentar os males e as injustiças do nosso tempo?”

 

Celebrações e diálogos em Portugal

Celebração dos 50 anos da fundação do Conselho Português de Igrejas Cristãs (Copic), em Junho 2021, em Lisboa; em Portugal, o caminho de diálogo entre cristãos de diferente igrejas é ainda uma planta frágil. Foto © António Marujo

 

Em Portugal, a semana será assinalada com diferentes iniciativas. A celebração de carácter nacional, que contará com responsáveis de diferentes igrejas, decorre na Igreja Evangélica Metodista do Mirante, no Porto (dia 21, 16h), reunindo católicos, lusitanos/anglicanos, metodistas, ortodoxos russos, ortodoxos gregos e luteranos.

Também com um carácter nacional, realiza-se em Lisboa (Igreja do Campo Grande, 20 de Janeiro, 21h30) a Vigília ecuménica jovem, que reúne católicos, metodistas, presbiterianos, lusitanos/anglicanos e outras confissões.

Na zona centro, decorrem celebrações em diferentes igrejas em cinco noites diferentes, sempre às 21h: dia 19 na Igreja Presbiteriana, (Bebedouro, Montemor-o-Velho), 20 na capela católica de Portomar (Mira), 23 na igreja católica de Cadima (Cantanhede), 24 na Igreja Presbiteriana de Alhadas (Figueira da Foz) e 25 na Igreja de Santo António dos Olivais (Coimbra).

Também de carácter local, mas com uma dinâmica alargada e de numa perspectiva interconfessional, está previsto para dia 28 o Encontro Cristão de Sintra, iniciativa que se realiza há já vários anos, reunindo cristãos católicos, protestantes, evangélicos e de outras denominações. Este ano, a iniciativa decorre no Centro Cultural Olga Cadaval e reunirá pequenos grupos das diferentes comunidades entre as 16h e as 22h30, com o objectivo de alargar a rede de diálogo entre pessoas de diferentes igrejas. Durante a tarde serão debatidos temas como o cuidado da casa comum, a reconciliação entre cristãos e a secularização da Europa. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 910 373 745.

 

(A primeira parte deste texto foi inicialmente publicada no nº 404 da revista Bíblica, correspondente aos meses de bimestre Janeiro-Fevereiro)

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This