Iniciativa aberta a todos

A “encruzilhada” e o futuro dos seminários católicos debatidos num congresso internacional em Braga

| 15 Nov 2022

seminario conciliar de braga, abertura ano letivo 2022, foto FB

Atividade de início de ano letivo no Seminário Conciliar de Braga. “Como repensar a formação nos seminários?” é uma das questões que vai estar no centro da reflexão do congresso promovido no âmbito dos 450 anos desta instituição. Foto: Direitos reservados.

 

Cada vez mais vazios e com poucos candidatos à vista, os seminários “encontram-se numa encruzilhada”. A necessidade de mudança é clara, mas “não há soluções fáceis”, reconhece o padre Joaquim Félix, vice-reitor do Seminário Conciliar de Braga. A celebração dos 450 anos desta instituição constituiu-se, assim, como o pretexto ideal para organizar um congresso internacional sobre a problemática dos Seminários Católicos e promover “uma reflexão urgente, que se impunha”. A iniciativa decorre entre os dias 16 e 19 de novembro (desta quarta a sábado), no Auditório Vita (Braga), tem entrada livre (mediante inscrição), e é “aberta a todos”.

“Erguendo os olhos e vendo” é o mote que inspirará os quatro dias de trabalho, cujo programa foi definido por uma comissão científica da qual fazem parte professores da Universidade Católica Portuguesa e da Universidade do Minho. Coordenado pelo padre Joaquim Félix, o grupo considerou que os seminários “espelham a Igreja à procura de se entender, com percetível fadiga institucional e falta de clareza”, pelo que “requerem atenção apurada”, e não teve dúvidas: era neles que tinha de ser colocado o foco do congresso.

“Continuar a formar num modelo ministerial esgotado?”, ou “Como repensar a formação nos seminários?” são algumas das questões que vão estar no centro da reflexão de oradores e congressistas. O passado será revisitado para analisar como “a ideia do presbitério foi mudando de acordo com as etapas da História” e, “num exercício quase de imaginação profética, o objetivo será perceber onde é que estes 450 anos nos poderiam levar, tendo em conta a experiência adquirida e a forma como respondemos a anteriores desafios”, explica o vice-reitor do Seminário Conciliar de Braga ao 7MARGENS, poucas horas antes do início do congresso.

congresso sobre os seminarios cartaz

Cartaz de divulgação do congresso. Dos oradores, é esperada “uma reflexão honesta, livre de clichés, e em profundidade”.

Entre os mais de 20 oradores, escolhidos “pela sua relevante produção bibliográfica, iniciativas, projetos e missões que desempenham”, incluem-se Hervé Legrand (vice-presidente da Academia Internacional de Estudos Religiosos), Cristina Inogés Sanz (teóloga leiga nomeada pelo Vaticano para a Comissão Metodológica da XVI Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos e colaboradora regular do 7MARGENS), Alberto Melloni (historiador italiano, professor da Universidade de Modena-Reggio Emilia e diretor da Fundação de Ciências Religiosas João XXIII, de Bolonha) e Céline Béraud (diretora dos Estudos da EHESS – École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris).

De todos eles, o vice-reitor do Seminário Conciliar de Braga espera “uma reflexão honesta, livre de clichés e em profundidade”, a partir de “um contexto alargado do que é viver hoje no mundo e de como a Igreja se inscreve nele”, e “tendo como horizonte uma melhor preparação dos candidatos a presbíteros neste universo mais aberto, para que os seminários sejam capazes de se alinharem pelos grandes desafios que se colocam ao mundo hoje no serviço das comunidades e no diálogo com os diversos mundos”.

 

“Não há soluções fáceis nem projetos exemplares”

“Sentimos a necessidade de mudança, ainda assim sem grandes certezas”, confessa o padre Joaquim Félix, sublinhando que já foi feito um trabalho de pesquisa de “boas práticas” que estivessem a desenvolver-se nos restantes seminários da Europa, mas sem sucesso. “Infelizmente, não encontrámos projetos educativos dignos de serem tidos por ‘exemplares’ e a nossa realidade é similar à de outros países”, afirma.

Essa realidade passa, sem exceções, pela diminuição do número de seminaristas, a par da “debandada de jovens das paróquias”, nomeadamente a partir do momento em que recebem o sacramento da confirmação. “À medida que o êxodo de cristãos se acentua, de jovens e adultos em particular, diminui a plausibilidade de haver candidatos aos seminários”, explica Joaquim Félix. “Acompanhamos o ritmo que se verifica na própria vida comunitária.”

Face ao panorama, e tendo consciência de que “não há soluções fáceis para estas matérias”, o também professor da UCP espera do congresso que seja “muito interrogativo” e que contribua para “interpretar” os “muitos sinais aos quais não estamos alheios”.

Encontram-se inscritos mais de cem participantes, na sua maioria elementos das equipas de formação dos seminários em Portugal, aos quais foi endereçado um convite direto por parte da organização. O congresso é, no entanto,  “aberto a todos” e aqueles que queiram participar e não tenham feito inscrição prévia, poderão  registar-se no local, à chegada.

A abrir e a encerrar o programa haverá “dois excelentes concertos”, assinala ainda Joaquim Félix. Um pelo Grupo Coral Cupertinos, já nesta quarta, dia 16, às 14h30, na Capela da Imaculada; o segundo, no dia 19, às 21h, na igreja de S. Paulo, pela Orquestra do Distrito de Braga, Coro do Distrito de Braga e solistas. Também nestes espetáculos a entrada é gratuita. Durante todos os dias do congresso, serão celebradas laudes e, ao final da tarde, haverá missa.
De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança

Um ano depois do naufrágio

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança novidade

Passou precisamente um ano desde aquela trágica noite em Cutro, no sul de Itália, em que um barco que saíra da Turquia com cerca de 200 migrantes a bordo colidiu com um banco de areia a cem metros da praia. O acidente custou a vida a 94 pessoas, 35 delas crianças. “Que o Senhor nos dê a força para entender e chorar”, disse então o Papa. E das lágrimas derramadas no luto surgiu uma ideia: transformar um pedaço daquele barco, símbolo de morte, num apelo à esperança. Assim nasceu o genuflexório que esta semana foi oferecido a Francisco.

As Fotografias de Maria Lamas

Fundação Gulbenkian: Exposição comemorações 50 anos do 25 de Abril

As Fotografias de Maria Lamas novidade

Mais uma exposição comemorando os 50 anos do 25 de Abril: na Fundação Gulbenkian As Mulheres de Maria Lamas mostra Maria Lamas (1893-1983) no seu esplendor: como fotógrafa-antropóloga, como tradutora, jornalista e articulista, investigadora, bem como outras dimensões do trabalho e ação desta mulher exemplar. Poderá ver a exposição até 28 maio 2024, diariamente das 10:00 às 18:00. [Texto de Teresa Vasconcelos]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos

Inscrições abertas

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos novidade

No último ano, o “número de voluntários na Misericórdia de Lisboa chegou aos 507”, refere a organização num comunicado divulgado recentemente, adiantando que o “objetivo é continuar a crescer”. “Os voluntários, ao realizarem uma atividade voluntária regular e sistemática, estão a contribuir para um mundo mais fraterno e solidário, estão a deixar a sua marca, aumentando capacidades e conhecimentos, diminuindo a solidão, promovendo diversão e alegria, e contribuindo para uma sociedade mais inclusiva”, realça Luísa Godinho, diretora da Unidade de Promoção do Voluntariado da Santa Casa.

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos

Grupo de Apoio ao Tibete denuncia

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos novidade

A polícia chinesa deteve mais de 1.000 pessoas tibetanas, incluindo monges de pelo menos dois mosteiros, na localidade de Dege (Tibete), na sequência da realização de protestos pacíficos contra a construção de uma barragem hidroelétrica, que implicará a destruição de seis mosteiros e obrigará ao realojamento dos moradores de duas aldeias. As detenções aconteceram na semana passada e têm sido denunciadas nos últimos dias por várias organizações de defesa dos direitos humanos, incluindo o Grupo de Apoio ao Tibete-Portugal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This