100 mil obrigados a mendigar

Senegal recruta professores para escolas corânicas para evitar tráfico e mendicidade de crianças

| 8 Jul 2021

Crianças numa escola corânica em Touba, Senegal. Foto © ho visto nina volare/Wikimedia Commons

Crianças numa escola corânica em Touba, Senegal. Foto © ho visto nina volare/Wikimedia Commons.

 

O Estado senegalês quer recrutar uma centena de professores para as escolas corânicas, com o objectivo de encontrar pessoas que garantam o combate aos abusos nestes estabelecimentos de ensino.

A decisão surge num contexto em que há frequentes denúncias de abusos em escolas conhecidas como daaras. O imã Mouhamadou Makhtar Kanté diz que essa pode ser uma forma de resolver o problema da mendicidade, a que muitas crianças que residem nessas escolas são obrigadas. Pelo menos 29 professores ou assistentes de escolas corânicas foram processados por abuso contra crianças entre 2017 e 2019. Desses, 25 foram até agora condenados, incluindo oito por tráfico de seres humanos.

No último domingo, 4 de Julho, foram já realizadas dezenas de entrevistas a candidatos entre os 21 e os 40 anos. Há 145 pessoas escolhidas previamente, mas apenas 100 ficarão colocadas, esclareceu Babacar Samb, inspector das escolas do Alcorão no Senegal, citado no La Croix.

Para uma primeira experiência, o Estado pretende começar com cerca de trinta escolas públicas corânicas desde Novembro de 2020. Mas na primeira fase, apenas 24 estarão prontas a funcionar, em cinco das 14 regiões do país.

A Human Rights Watch e a Plataforma para a Promoção e Protecção dos Direitos Humanos inventariaram, num relatório relativo a 2018-2019, situações de abusos graves e recorrentes em crianças que frequentam escolas corânicas no Senegal, país maioritariamente muçulmano. Actualmente, mais de 100.000 crianças são obrigadas pelos professores do Alcorão a mendigar.

Diabel Kouyaté, imã em Dacar, sublinha, por seu lado, que este recrutamento pode evitar que continue a haver pessoas mal formadas que deturpam os valores do islão, como tem acontecido.

 

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero

Encontro “Cuidar” em Lisboa

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero novidade

“O que encontramos assusta-me: desilusão, depressão, crise existencial, perda de identidade, fim da relação entre presbíteros, perda de confiança na instituição e na hierarquia.” O diagnóstico cáustico é feito ao 7MARGENS pelo padre inglês Barry O’Sullivan, 61 anos, da diocese de Manchester, que estudou o impacto dos abusos sexuais entre os padres não abusadores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Luz e negrume

Luz e negrume novidade

As obras de Pedro Costa, cineasta, Rui Chafes, escultor, e Paulo Nozolino, fotógrafo, e de Simon Hantaï, artista plástico, estão expostas em Paris, respectivamente no Centre Georges Pompidou e na Fundação Louis Vitton. Um autor, identificado como Anonymous, estabelece com elas um diálogo em dois poemas traduzidos por João Paulo Costa, investigador na área de filosofia e autor de À sombra do invisível (Documenta, 2020).

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos

Contributos para o Sínodo (23)

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos novidade

Os leigos devem ser ouvidos nos processos de nomeação de párocos e de escolha dos bispos e a Igreja deve ter uma lógica de reparação da situação criada pelos abusos de menores. Evitar o clericalismo e converter os padres a uma Igreja minoritária, pobre, simples, dialogante, sinodal é outra das propostas do Conselho Paroquial de Pastoral da Paróquia de Nossa Senhora da Hora (Matosinhos).

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma novidade

A saúde mental dos jovens tem-se vindo a tornar, aos poucos, num tema com particular relevância nas reflexões da sociedade hodierna, ainda que se verifique que estas possam, muitas das vezes, não resultar em concretizações visíveis e materializar em soluções para os problemas que afetam os membros desta mesma sociedade. A verdade é que, apesar de todos os esforços por parte dos profissionais de saúde e também das pessoas, toda a temática é, ainda, envolvida por uma “bolha de estigmas”, o que a transforma numa temática-tabu.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This