100 mil obrigados a mendigar

Senegal recruta professores para escolas corânicas para evitar tráfico e mendicidade de crianças

| 8 Jul 2021

Crianças numa escola corânica em Touba, Senegal. Foto © ho visto nina volare/Wikimedia Commons

Crianças numa escola corânica em Touba, Senegal. Foto © ho visto nina volare/Wikimedia Commons.

 

O Estado senegalês quer recrutar uma centena de professores para as escolas corânicas, com o objectivo de encontrar pessoas que garantam o combate aos abusos nestes estabelecimentos de ensino.

A decisão surge num contexto em que há frequentes denúncias de abusos em escolas conhecidas como daaras. O imã Mouhamadou Makhtar Kanté diz que essa pode ser uma forma de resolver o problema da mendicidade, a que muitas crianças que residem nessas escolas são obrigadas. Pelo menos 29 professores ou assistentes de escolas corânicas foram processados por abuso contra crianças entre 2017 e 2019. Desses, 25 foram até agora condenados, incluindo oito por tráfico de seres humanos.

No último domingo, 4 de Julho, foram já realizadas dezenas de entrevistas a candidatos entre os 21 e os 40 anos. Há 145 pessoas escolhidas previamente, mas apenas 100 ficarão colocadas, esclareceu Babacar Samb, inspector das escolas do Alcorão no Senegal, citado no La Croix.

Para uma primeira experiência, o Estado pretende começar com cerca de trinta escolas públicas corânicas desde Novembro de 2020. Mas na primeira fase, apenas 24 estarão prontas a funcionar, em cinco das 14 regiões do país.

A Human Rights Watch e a Plataforma para a Promoção e Protecção dos Direitos Humanos inventariaram, num relatório relativo a 2018-2019, situações de abusos graves e recorrentes em crianças que frequentam escolas corânicas no Senegal, país maioritariamente muçulmano. Actualmente, mais de 100.000 crianças são obrigadas pelos professores do Alcorão a mendigar.

Diabel Kouyaté, imã em Dacar, sublinha, por seu lado, que este recrutamento pode evitar que continue a haver pessoas mal formadas que deturpam os valores do islão, como tem acontecido.

 

Polícia da moralidade encerrada no Irão

Protestos a produzir efeitos

Polícia da moralidade encerrada no Irão novidade

A ausência de polícia de moralidade nas ruas de Teerão e de outras grandes cidades iranianas nos últimos meses alimentaram a especulação que foi confirmada na noite de sábado pelo Procurador-Geral do Irão, Mohammad Jafar Montazeri, de que a polícia havia sido desmantelada por indicação “do próprio local onde foi estabelecida”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Um Deus mergulhado na nossa humanidade

Um Deus mergulhado na nossa humanidade novidade

Diante de uma elite obcecada pelo ritualismo de pureza, da separação entre puros e impuros, esta genealogia revela-nos um Deus que não se inibe de operar no ordinário e profano, que não toma preferência alguma acerca daqueles que se assumem categoricamente como sendo corretos, puros de sangue ou mesmo como pertencentes a determinada etnia ou género.

feitos de terra

feitos de terra

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, Domingo II do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 3 de Dezembro de 2022.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This