“Senti-me lixo, humilhada, não foi fácil” – Denúncia da operária corticeira Cristina Tavares, em tribunal

| 3 Abr 19

Cristina Tavares. Foto © SOCN

 

A situação de desemprego forçado da operária corticeira Cristina Tavares mantém-se, mas os desenvolvimentos do caso, nas últimas semanas, têm sido favoráveis à trabalhadora de Santa Maria de Lamas, Feira. Enquanto aguarda a apreciação do recurso judicial, a operária encontra-se a frequentar um curso de formação profissional no sector da cortiça, tendo, para o efeito, sido já inscrita no Centro de Emprego.

Na sequência das iniciativas de solidariedade por parte dos sindicatos, o ministro Vieira da Silva esteve no início do ano no Parlamento, onde garantiu aos deputados que a tramitação do pedido de acesso de Cristina Tavares ao subsídio de desemprego tinha sido desbloqueado. Na sequência dessa iniciativa, a trabalhadora poderia começar a recebê-lo a partir do momento em que apresentasse prova da contestação judicial do novo despedimento de que foi alvo, no final de 2018.

Entretanto, vários órgãos de informação noticiaram que a empresa Fernando Couto Cortiças S.A, para a qual Cristina Tavares trabalhava há largos anos, viu ser-lhe aplicada uma segunda coima, de 6.000 euros, pela forma como tratou a trabalhadora, nos planos da segurança e da saúde, depois de ter sido judicialmente obrigada a reintegrá-la, após um primeiro despedimento.

Em declarações prestadas à agência Lusa, o presidente do Sindicato dos Operários Corticeiros do Norte, Alírio Martins, salientou que “as funções em que a puseram a trabalhar não eram as adequadas à sua categoria profissional nem à sua saúde, como estava explicado em atestado médico”. O “castigo” imposto, segundo o Sindicato,  foi obrigá-la, “dias e dias a fio, a carregar e a descarregar sempre os mesmos sacos – que, além de pesados, não estavam a servir para mais nada a não ser para a atormentar e humilhar”.

Uma primeira coima de 31 mil euros, determinada pela Autoridade para as Condições de Trabalho, tinha já sido aplicada à empresa, em novembro passado, por “assédio moral” sobre Cristina Tavares. A Fernando Couto Cortiças S.A recorreu e, na semana passada, decorreu no Tribunal de Santa Maria da Feira uma sessão para apreciar o recurso.

Nessa sessão, a inspetora da Autoridade para as Condições de Trabalho confirmou, na última quinta-feira, 28 de março, no tribunal da Feira, que Cristina Tavares estava a trabalhar em “circunstâncias penosas” e em funções não apropriadas. A isto, e segundo relata o Jornal de Notícias, o advogado da entidade empresarial respondeu que a inspectora estava com “grande pica” para incriminar a empresa.

Ouvida na qualidade de testemunha, a trabalhadora relatou ter estado “dois dias de pé sem fazer nada durante nove horas”. “Já não podia, encostei-me num muro, mas disseram-me que não podia lá estar” – denunciou, segundo relato do JN.

Depois disso, a trabalhadora foi colocada numa plataforma que se encontrava a vários metros do solo, onde carregava e descarregava a mesma palete, durante nove horas. “O calor era imenso, porque estava a meio metro das chapas [de cobertura]”. “Cheguei a deitar sangue pelo nariz”, recordou.

Acrescem as denúncias de que tinha que trazer papel higiénico de casa, da falta de cacifo como era atribuído a outras trabalhadoras e a proibição de estacionar dentro da empresa.

“Senti-me lixo, humilhada, não foi fácil”. “Foi muito difícil, ainda hoje não consigo dormir. Estou com uma depressão, foi humilhante”, concluiu, sempre citada pelo diário portuense.

Artigos relacionados

Pin It on Pinterest

Share This