Ser feliz: um direito e um dever… com Manuela Silva

| 14 Out 19

A Manuela Silva partiu para Deus. Deixou-nos no dia 7 deste mês. No dizer do poeta e com isso mostraste-nos, Senhor,/a beleza do teu Nome no rosto da nossa irmã/ que ao nosso olhar deixou de ser visível”.

De certa maneira à procura da sua voz, retomo a leitura da sua obra mais recente: Resiliência Criatividade Beleza, livro publicado em 2018, que reúne o conjunto dos escritos mensais que, entre Janeiro de 2014 e Julho de 2018, a Manuela foi publicando no site da Fundação Betânia e replicados no blogue “Ouvido do Vento”.

Escolho ao acaso o texto “Ser feliz: um direito e um dever”.

Já quase tudo foi dito sobre a vida e a personalidade da Manuela. Esta reflexão não pretende acrescentar nada de novo, mas tão só testemunhar, por quem com ela privou de muito perto, esta faceta que lhe era tão presente e tão querida da Felicidade de Viver.

Para a Manuela, viver era sinónimo de ser feliz. A sua frase, muito provavelmente a última que proferiu na vida terrena, já por diversas vezes citada é certamente um dos seus testemunhos mais fortes: “Digam aos meus amigos que gostei muito de viver”.

Gostar de viver era, para a Manuela, viver em felicidade, sempre acreditando no melhor de amanhã e sempre afirmando a Esperança, profundamente cristã e alicerçada humanamente, na construção de um mundo melhor, mais justo e mais fraterno. No texto a que me refiro a Manuela diz: “Quando vivemos num mundo marcado por profunda e duradoura crise exterior, como sucede no mundo actual e, de modo particular no nosso País, o nosso olhar sobre a realidade e sobre nós próprios tende a tornar-se inseguro e sombrio … Reconhecê-lo constitui um primeiro passo para poder superar esta dupla ameaça e não desistir de procurar e felicidade.

Para a Manuela, “a felicidade porém é também uma construção da nossa personalidade e do nosso modo de vida … a felicidade autoalimenta-se de dizermos sim à vida, tal como esta se apresenta …”.

E como sempre a Manuela não se ficava pela teoria da reflexão. Explicava sempre, como no entender dela, se passava à prática: “Trata-se afinal, de pôr em prática a sabedoria evangélica de unir o amor a Deus com o amor ao próximo como fundamento seguro da felicidade.”

A sua figura fisicamente franzina, mesmo nos últimos tempos muito afectada pela doença que a viria a vitimar, sempre apresentou um rosto sorridente e pleno de optimismo. A Manuela poupava aos seus amigos a faceta negativa da sua doença. Quando a visitava ou ouvia a sua voz pelo telefone, ficava sempre com a impressão que a sua força seria inesgotável.

Foi assim que a Manuela viveu e irradiou a vida junto dos que com ela tiveram o privilégio de privar mais frequentemente ou mais episodicamente.

Termino com mais uma frase sua que bem revela o seu programa de vida: “É no silêncio e pela meditação regular, mais do que através de qualquer outra mediação, que aprenderemos a amar-nos, a olhar com lucidez o nosso lugar no mundo e a encontrar a energia necessária para agir em consequência e por esta via construir a nossa autoestima e felicidade.”

Peçamos a Deus que nos dê a capacidade de honrar este testemunho riquíssimo da vida da nossa amiga Manuela, agora que ela junto do Senhor intercede por todos nós.

Lisboa, 14-10-2019

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Hanau: isto não foi o Capuchinho Vermelho novidade

De vez em quando, a morte passa-nos por perto. Hanau fica a trinta quilómetros de onde moro e é conhecida por ser a cidade natal dos irmãos Grimm, aqueles que compilaram contos populares alemães como o Capuchinho Vermelho ou a Branca de Neve. Muitos deles são histórias terríveis que eram contadas às crianças para ganharem a noção da maldade humana e não serem enganadas facilmente.

A lição de Merkel

As eleições de Outubro de 2019 na Turíngia, estado da antiga República Democrática Alemã, ditaram um resultado que se vislumbraria difícil de solucionar. A esquerda do Die Linke ganhou as eleições, seguida da direita radical da Alternativa para a Alemanha (AfD) e da União Democrata Cristã (CDU), de Angela Merkel. O Partido Social-Democrata (SPD), não foi além dos 8,2% e os Verdes e os Liberais (FDP) ficaram na casa dos 5%.

Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Sankt Andreas Kirke, Copenhaga – Uma igreja nómada

Gothersgade 148, 1123 København K, Igreja de Skt. Andreas. Era este o sítio a que nos devíamos dirigir quando nos interessámos por um concerto de música clássica, de entrada gratuita, por altura do Natal de 2009. Estávamos em fase de descoberta daquela que seria a nossa casa por 10 anos – Copenhaga, Dinamarca.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco