Ser visitador prisional: e se eu um dia ficasse cá dentro?

| 21 Abr 2023

Prisões, Presos

” ‘Aquele primeiro dia em que o ferrolho da fechadura se fechou atrás de nós…’ – dizem-nos quase todos os reclusos. Nós também sentimos isso, também ouvimos as grades frias fecharem-se à nossa passagem e as pesadas voltas na chave.” Foto © Wendy Alvarez / Unsplash

 

Ser visitador prisional é viver um pouco preso também. É entrar na cadeia muitas vezes contra tudo e contra todos, muitas vezes ser menos bem tratado pelo sistema, sorrir e seguir em frente.

“Aquele primeiro dia em que o ferrolho da fechadura se fechou atrás de nós…” – dizem-nos quase todos os reclusos. Nós também sentimos isso, também ouvimos as grades frias fecharem-se à nossa passagem e as pesadas voltas na chave. E se um dia eu entrasse e ficasse cá dentro? Haverá algum visitador prisional que nunca tenha pensado nisso? Como viveria eu a minha primeira noite? Como viveria o meu primeiro dia? Todas as outras noites? Todos os outros dias? Dezenas, centenas, demasiados. Numa cela gelada e húmida, obrigada a conviver com pessoas totalmente diferentes, obrigada a partilhar frustrações e medos alheios, sem o beijo amoroso da minha mãe, sem o abraço caloroso do meu pai? Sem passeios à beira-mar ou na floresta? Como seria a minha vida sem sol? A viver com culpas e remorsos dos meus erros e com todo o tempo do mundo para eles me atormentarem? A chorar todas as lágrimas que tenho até elas secarem por completo? A pensar na vergonha que sentiriam de mim os que me amam, eventualmente também eles a culpar-se por eu ali ter chegado, a imaginar os amigos que em breve deixariam de o ser e as visitas que nem sei se quereria ter, só para não ver nos olhos do outro lado da mesa no parlatório o sofrimento que causei. Mereceria cá estar dentro? Talvez sim, talvez não. Mas isso pouco importaria para o que agora seria a minha nova realidade. Teria forma de limpar a minha alma escura e de me regenerar? Vontade e capacidade de me reconciliar comigo própria antes de tudo? E Deus estaria lá de facto para me levar ao colo?

O medo. Como viveria com o medo constante a todas as horas do dia e da noite? Quem viria em meu auxílio? Alguém algum dia se importaria comigo? Com as razões que levaram a minha vida a seguir um percurso até aqui chegar?

Ser visitador prisional é ser sempre bem recebido e estimado pelos reclusos que sentem em nós uma brisa de ar puro, um raio de sol, um motivo para sorrir. Não vamos levar Deus à cadeia. Ele já cá está, não é, querido e saudoso padre João [Gonçalves, coordenador da pastoral prisional que morreu em 2020]?

Mas ficamos felizes por perceber que há quem O procure aqui dentro, às vezes pela primeira vez, por haver quem fique de olhos rasos de lágrimas quando escuta algumas das Suas palavras e no fim nos pegue nas mãos e diga apenas “Muito obrigado por ter vindo.”

Se um dia eu estivesse cá dentro, penso que tudo o que desejaria era encontrar alguém que não me julgasse mais, que me sorrisse e desse as boas-vindas, que não se importasse com os meus crimes e me tratasse como um ser humano que está a tentar reerguer-se. Alguém que tivesse empatia e percebesse que qualquer um de nós é maior do que os seus erros. Alguém que me recebesse de braços abertos sem receios nem restrições mentais. Alguém que me perguntasse se eu estava bem e me ajudasse nos dias mais difíceis. Alguém em que eu pudesse confiar e com quem pudesse conversar sabendo que me escutava sem estar a avaliar-me. Alguém que me fizesse sentir “Eu importo”.

E, acima de tudo, alguém que me fizesse acreditar que um dia, lá fora, não estaria sozinha nem desamparada e teria sempre quem me apoiasse. No fundo, alguém que me visse como eu afinal sou, uma pessoa que erra e continua sempre a tentar não errar mais.

 

Lígia Pires é visitadora nos estabelecimentos prisionais de Custóias, Santa Cruz do Bispo e Polícia Judiciária/Porto; testemunho apresentado no momento de renovação do compromisso dos visitadores após a cerimónia do Lava-Pés, na celebração de Quinta-Feira Santa com reclusos, nos estabelecimentos prisionais da região Porto/Matosinhos.

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização

Bispos após encontro com Secretaria do Sínodo

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização novidade

O vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, Virgílio Antunes, reconheceu que a Igreja Católica em Portugal tem necessidade de uma “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização, nomeadamente no “acolhimento das pessoas”. Para o bispo de Coimbra, – que falou aos jornalistas após o encontro com a Secretaria Geral do Sínodo, que decorreu esta segunda-feira, 20 de maio, em Roma – é preciso fomentar “uma relação mais eficaz e mais eclesial entre os membros da hierarquia, a generalidade dos cristãos leigos, dos consagrados do povo de Deus”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This