Que espero do Sínodo católico? (2)

Servir sociedades destroçadas

| 27 Set 2023

Na véspera da reunião da Assembleia-Geral do Sínodo dos Bispos sobre a Sinodalidade, o 7MARGENS convida os seus leitores a dizerem o que esperam deste importante acontecimento. Todos são chamados a expressarem-se. Após a publicação do primeiro texto, divulgamos hoje o segundo texto recebido e publicaremos as respostas àquela interrogação à medida que nos forem chegando.

O que esperamos do sinodo_7 margens

 

Espero que esta assembleia sinodal seja um sinal de grande abertura para continuarmos a caminhar juntos. Que seja uma etapa de onde saiam um renovado entusiasmo e novos desafios para mais um ano de encontros, reflexão, propostas e concretizações por parte de grupos de católicos em todo o mundo. Que seja um momento de espanto para crentes e não crentes: “tanta coisa os separa, tantas opiniões opostas, tantos modos diferentes de expressar a fé e, no entanto… tanta vontade, tanto gosto, tanta certeza em permanecerem juntos”.

Hoje, o desafio que se coloca à Igreja Católica é um pouco diferente daquele que ela enfrentava em vésperas do Concilio Vaticano II. Naquele tempo tratava-se de consolidar uma pirueta que já se vinha anunciando em alguns setores eclesiais: deixar de amaldiçoar a modernidade e reconciliar-se com ela; abrir as janelas de uma Igreja acantonada, que os seus medos obrigavam a ver-se como sociedade perfeita de portas trancadas para o mundo e a sociedade.

Infelizmente, como muitos historiadores abundantemente documentam, o Concílio preparou a Igreja para viver aberta à modernidade quando esta estava a dar lugar à pós-modernidade. O descompasso regressou e em muitos lugares a Igreja voltou a ser um refúgio de segurança para quantos se sentiam agredidos pelos ventos da pós-modernidade.

Hoje, porém, o repto que a Igreja Católica e este Sínodo em particular enfrentam não é o de pacificar a relação da instituição com a cultura pós-moderna. Apesar de centrada num tema – a sinodalidade – que em grande parte remete para o modo de se organizar (de “ser”, dizem os católicos) e, portanto, para questões do foro “interno”, o verdadeiro desafio que a assembleia do próximo mês de outubro enfrenta é o do urgente serviço ao mundo e às sociedades que o compõem.

Mais do que nunca, o mundo destroçado e em guerra em que vivemos e as sociedades de ferozes antagonismos e irredutíveis clivagens em que nos movemos interpelam a Igreja. Francisco, com a sua palavra, as suas opções, gestos e escolhas não se tem furtado a mostrar os caminhos de superação dos dilacerantes conflitos que nos atravessam. O Sínodo pode prestar a essas causas um grande serviço. Mais pelo modo como se dispuser a trabalhar os temas “internos” propostos pela reflexão de milhões de católicos de todo o mundo, do que através de dramáticas decisões.

Ao estimular a participação de todos os batizados, trocando uma estrutura piramidal por outra horizontal de círculos concêntricos em que a responsabilidade e a decisão partilhada são os princípios básicos, o Sínodo ajudará a contrariar a crise da democracia e a aprofundar a participação democrática.

Ao pôr termo à discriminação das mulheres, ajudará a acelerar os numerosos passos que ainda são precisos dar para uma tranquila igualdade de género.

Ao rever a sua doutrina sobre a sexualidade libertará milhões de pessoas de uma opressão absolutamente injustificável.

Ao dar-se a paz e apontar novos compromissos em favor da paz; ao impor-se comportamentos amigos da sustentabilidade do planeta; ao apresentar-se frugal, simples e frágil – será lembrado como agente de paz, ator na defesa do planeta e voz dos mais pobres.

A assembleia sinodal será tão mais significativa quanto demonstre que a reconciliação é necessária e é possível.  Ao mostrar que a diferença de opinião, das formas de entender e dos modos de fazer não é razão para começar guerras nem para inviabilizar o caminhar juntos, mas é antes uma riqueza imprescindível ao avanço da humanidade, à abertura de novos horizontes e de sínteses futuras; ao mostrar que acarinha a diferença e que constrói a unidade sem anular as diferenças, a assembleia sinodal prestará grande serviço ao mundo atual, incapaz de recriar um “nós” depois de escutadas todas as dissensões.

O que está em jogo neste outubro em Roma nada tem a ver com um confronto entre progressistas e conservadores. Do que se trata é de acender “uma pequena luz bruxuleante” nos tempos sombrios que nos envolvem. Não como quem ensina, mas como quem se atreve a viver de acordo com essa luz. A forma como debaterem e as recomendações a que chegarem os participantes do Sínodo não são apenas decisivas para o futuro próximo da Igreja Católica. São também decisivas para, num mundo com medo de si próprio, alimentarem a esperança. Para darem nova esperança aos que desejam a paz, aos que sonham um planeta amigo da vida, a quantos lutam para erradicar a fome e a pobreza e a todos os que aspiram a viver em sociedades democráticas e livres de todo o tipo de abusos, na terra que os viu nascer.

 

Jorge Wemans

 

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This