Sete margens – onde passa o rio que dá vida

| 3 Mar 19

Sete margens

onde:

passa o rio que dá vida

Levou-me então de volta à margem do rio. Quando ali cheguei, vi muitas árvores em cada lado do rio. Ele disse-me: Por onde passar o rio haverá todo o tipo de animais e de peixes. Porque essa água flui para lá e saneia a água salgada; onde o rio fluir tudo viverá… Árvores frutíferas de toda a espécie crescerão em ambas as margens do rio. As suas folhas não murcharão e os seus frutos não cairão. Seus frutos servirão de comida e suas folhas de remédio”. Ezequiel 47,6-12

o ser humano cresce e é curado

Como árvore plantada à margem de águas correntes: dá fruto no tempo apropriado e suas folhas não murcham. Salmo 1,3

De uma e outra margem do rio estava a árvore da vida que produz doze frutos, de mês em mês; e as folhas da árvore servem para a cura das nações. Apocalipse 22,2

as lágrimas preparam o futuro

Nas margens dos rios da Babilónia nos sentámos a chorar com saudades de Sião. Salmo 137,1

Deus se faz ouvir

Assim que Jesus foi batizado, saiu da água. Naquele momento o céu se abriu, e o Espírito de Deus descendo como uma pomba pousou sobre ele. Então se ouviu uma voz: “Este é o meu Filho muito amado”. Mt 3,16-17

se procura e escuta

Novamente Jesus começou a ensinar à beira-mar. Reuniu-se ao seu redor uma multidão tão grande que ele teve que entrar num barco e sentar-se nele. O barco estava no mar, enquanto todo o povo ficava na margem.  Marcos 4, 1-2

o desconhecido se revela

Entretanto, ao clarear da manhã, estava Jesus na margem; mas os discípulos não perceberam que era Ele. Assim que saltaram para terra viram uma fogueira, peixe sobre brasas, e um pouco de pão. Jesus disse-lhes: Vinde comer. Jo 21,19

se parte para outras margens

Ora, aconteceu certo dia que entrou num barco com os seus discípulos, e disse-lhes: Passemos à outra margem.  João 6, 1

Artigos relacionados

Breves

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada novidade

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Banco da solidariedade, experiência única

Sobre uma oportunidade de resistência coletiva     Muito se tem escrito e tenho escrito sobre a falta de saúde mental a que, provavelmente, estamos e estaremos sujeitos durante e após esta pandemia. Os números crescem, traduzidos por sofrimentos enquadráveis...

Que futuro, Iémen?

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

Cultura e artes

CRC promove homenagem a Luís Salgado Matos

O Centro de Reflexão Cristã promove no próximo dia 10 de março um encontro de homenagem a Luís Salgado de Matos, falecido a 15 de fevereiro, autor com um largo contributo para o estudo da história religiosa contemporânea com muitas obras e artigos.

Os Dias da Semana – Um mau poema suja o mundo

Bons espíritos sustentam que a poesia ocidental fala quase exclusivamente de amor e de morte. Não seria, também por isso, de estranhar o tema do poema inédito de Joan Margarit, que poderá ter sido escrito no período em que o autor teve de enfrentar o cancro que o vitimaria.

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This