Invocando o impacto da guerra

Setores políticos querem travar Pacto Verde na União Europeia

| 3 Jul 2023

Para a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen,o Pacto Verde tem sido uma prioridade. Foto © Taizé.

 

Ganha contornos cada vez mais definidos na União Europeia um movimento de chefes de Estado e de Governo que defendem uma moratória ou interrupção do ritmo das políticas, sobretudo no âmbito do chamado Pacto Verde, invocando o novo contexto decorrente da guerra na Ucrânia.

Esse, que tem sido um compromisso e prioridade da atual presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, está a ser contestado sobretudo pelo setor conservador, que tem maioria no Parlamento de Estrasburgo, mas igualmente pela extrema-direita.

Este setor, depois de ter apoiado dezenas de propostas da Comissão, que visam alcançar a neutralidade climática em 2050, surge cada vez mais ao lado da extrema-direita, na contestação a dois dossiês que se encontram em debate no Parlamento: o da biodiversidade, especialmente a restauração de ecossistemas danificados, e o da redução do uso de pesticidas na agricultura.

Invocando o novo contexto político e socioeconómico desde a invasão da Ucrânia por parte da Rússia e, ainda os “interesses dos agricultores” europeus, com incidências na produção agrícola, segurança alimentar e aumento do custo de vida, o espectro político mais à direita entende que a componente ambiental do Pacto Verde deveria ser travada, como sublinha um trabalho publicado pelo jornal Le Monde.

Este poderá ser um tema relevante na agenda dos debates com vista à próxima eleição de deputados ao Parlamento Europeu, prevista para junho de 2024.

 

A humildade do arcebispo

A humildade do arcebispo novidade

Chegou a estender a mão e a cumprimentar, olhos nos olhos, todos os presentes, um a um. É o líder da Igreja Anglicana, mas aqui apresentou-se com um ligeiro “Hi! I’m Justin” — “Olá, sou o Justin!” — deixando cair títulos e questões hierárquicas. [O texto de Margarida Rocha e Melo]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This