Sexta, 25, é dia de “salvar o clima” e salvar a justiça: esta é uma “luta pela vida”

| 24 Set 20

Manifestação em Lisboa a 29 Novembro 2019: “Continua a não se verificar uma resposta suficientemente ambiciosa face à ameaça iminente.” Foto © Greve Climática Estudantil

 

Salvar o clima e lutar pela justiça climática, mas também pela justiça social, económica e laboral. É a isso que se propõem as onze manifestações que sexta-feira, 25 de Setembro, em Portugal (e três mil em todo o mundo) se realizam em várias cidades ou através de plataformas digitais.

“É importante falar de justiça social e das várias crises”, diz ao 7MARGENS Bianca Castro, 19 anos, uma das organizadoras dos protestos desta sexta-feira, que se integram nas Fridays for Future (sextas-feiras pelo futuro), iniciadas há dois anos pela jovem sueca Greta Thunberg.

Bianca, estudante de Física e de Representação, em Lisboa, está também integrada na coordenação internacional da Greve Climática Estudantil, a designação da iniciativa a nível global. “O que reivindicamos é justiça climática, mas também justiça social, laboral e económica – está tudo interligado”, diz a jovem activista.

Convocadas pela plataforma Salvar o Clima, as manifestações, em Portugal, realizam-se todas a partir do meio e final da tarde, para possibilitar a participação de quem trabalha, explica Bianca. Porque esta “é uma luta de todos nós, não apenas dos estudantes, pelo nosso futuro comum”.

Em Lisboa, a concentração acontece no Marquês de Pombal, às 16h. A partir das 17h, os manifestantes descerão a Avenida da Liberdade até ao Rossio, onde haverá música, poesia, intervenção cultural e teatro. Tudo cumprindo as normas da Direcção-Geral da Saúde: a máscara será obrigatória, tal como o distanciamento físico, haverá gel desinfectante para distribuir e uma equipa de cuidados para verificar o cumprimento das normas.

No Porto, a concentração será às 17h30, na Avenida dos Aliados. E há ainda manifestações previstas para Guimarães, Aveiro, Coimbra, Alcanena, Santarém, Montijo, Setúbal e Beja. Em Faro, Évora e nas Caldas da Rainha serão manifestações digitais – o mapa, horários e locais de concentração podem ser conhecidos em pormenor na página da organização.

 

As metas necessárias
Manifestação. Clima. Greve Climática Estudantil.

Manifestação de Novembro do ano passado em Lisboa: é preciso correr, porque “o tempo, está a esgotar-se”. Foto © Greve Climática Estudantil

 

As reivindicações alargaram-se e são, agora, “mais abrangentes”, diz Bianca Castro. “Estamos todos na mesma luta e é uma luta pela vida. Ao enfrentarmos a crise climática, também está em causa uma crise na saúde, uma crise económica e social.” Por isso, o manifesto da Salvar o Clima – a plataforma que reúne 56 estruturas subscritoras ou apoiantes, entre organizações ambientalistas, climáticas, sindicais, políticas, de defesa dos direitos humanos ou dos direitos dos animais – considera que é mais importante que nunca que continue a “crescer a onda de mobilização por justiça climática”.

Num manifesto de intenções para a iniciativa, a plataforma aponta para metas que entende como necessárias para inverter a situação, no que a Portugal diz respeito: uma transição energética justa; requalificação justa dos trabalhadores dos sectores poluentes; o fim das concessões para explorar combustíveis fósseis em Portugal; investimento na ferrovia; criação de um sector público que lidere a produção de energia renovável; cancelamento dos grandes projetos que impliquem o aumento de emissões de gases com efeito de estuf a; acesso de toda a população a habitação de qualidade.

A convocatória começa por fazer um lembrete, uma crítica e um aviso: “Vivemos uma pandemia, mas a crise climática continua a ser tão gritante como era antes. Depois das mobilizações de 2019 e dos protestos de 2020, continua a não se verificar uma resposta suficientemente ambiciosa face à ameaça iminente da crise climática. O tempo está a esgotar-se.

Considerandos e propostas concretas são retomados no manifesto, que desenvolve e aprofunda alguns dos objectivos e das metas que esta iniciativa pretende atingir: perante uma crise climática, de saúde e da economia, os direitos básicos têm de ser garantidos a toda a população, de forma incondicional, diz o texto do manifesto. “No entanto, estes direitos estão ameaçados.”

 

Quem menos destrói é quem mais sofre
Manifestação. Clima. Greve Climática Estudantil.

São precisas “acções concretas e mudanças profundas, construídas socialmente para responder a um problema sem paralelo”. Foto © Greve Climática Estudantil

 

O documento aponta o objectivo maior: “Cortar globalmente 50% das emissões de gases com efeito de estufa até 2030 será a maior transformação que a Humanidade já empreendeu, e é exatamente aquilo que a Ciência nos diz que tem de acontecer.” E enumera, depois, o que pode acontecer se esse desiderato não for atingido: “Não o fazer é destruir as condições materiais que permitiram a civilização humana e é fechar os olhos ao agravamento da injustiça social climática que atinge sobretudo quem mais obstáculos enfrenta – mulheres, pessoas portadoras de deficiência, pessoas em condições socioeconómicas mais precárias e sem acesso a emprego e/ou salários dignos, habitação decente, alimentação e saúde, pessoas racializadas, pessoas discriminadas e excluídas devido à sexualidade, género, entre outros.”

“Em simultâneo, os países que historicamente mais contribuíram para as emissões de gases com efeito de estufa – países do Norte Global – têm responsabilidade histórica e moral para com os países que são mais diretamente afetados pela crise climática – que vem agravar, muitas vezes, dificuldades já enfrentadas. ​Quem menos contribui para as alterações climáticas é quem mais sofre com as suas consequências”, avisa ainda o texto, que pode ser lido na íntegra na página da plataforma.

Não há previsão do número de pessoas que pode participar nas manifestações, diz Bianca Castro. No ano passado, nas acções de Setembro e Novembro, estiveram cerca de 20 mil pessoas, em Lisboa. Provavelmente, estarão menos, desta vez, também devido à pandemia. Mas essa não será razão para desistir e o movimento prepara-se já para marcar a data para a acção global seguinte. Em Lisboa, há já alguns grupos que preparam uma acção para dia 17 de Outubro, sob o lema “Resgatar o futuro, não o lucro”.

Para já, nesta sexta-feira, os jovens e adultos que marcharão querem que muitos apareçam. Diz o manifesto, no apelo final: “Paramos porque não é possível continuar a fingir que será com pequenas reformas e esforços pouco ambiciosos que avançamos, mas sim com acções concretas e mudanças profundas, construídas socialmente para responder a um problema sem paralelo. Paramos porque não há tempo a perder. Paramos pela vida. Paramos pelas nossas vidas. Dia 25 de Setembro, páras connosco?”

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Breves

Cardeal Tolentino Mendonça preside ao 13 de maio em Fátima

O cardeal José Tolentino Mendonça irá presidir à peregrinação aniversária de maio no Santuário de Fátima. A informação foi avançada à revista Família Cristã esta sexta-feira, 9 de abril, pelo também cardeal António Marto, bispo de Leiria-Fátima.

Ler Saramago em conjunto num zoom de Lisboa a Roma

O Ano da Morte de Ricardo Reis, de José Saramago, foi a obra escolhida para dar o mote ao encontro organizado por dois clubes de leitura, um de Roma, outro de Lisboa, que decorrerá via Zoom, dia 16 de abril, às 18h00. Uma segunda sessão, na qual participará Pilar del Rio, presidente da Fundação José Saramago, terá lugar a 25 de junho, também às 18h00. A inscrição é gratuita e está aberta a todos.

Monge condenado a dois anos de cadeia na Turquia por dar comida

O padre Sefer Bileçen, padre Aho no nome monástico, da Igreja Siríaca Ortodoxa, ofereceu comida a um grupo que bateu à porta do seu mosteiro. O Ministério Público turco disse que o grupo era do PKK e acusa-o de prestar auxílio a uma organização terrorista, como o Governo turco considera o PKK, que reivindica há décadas a independência do Curdistão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Francisco corta 10% nos salários dos cardeais

O Papa Francisco emitiu um decreto determinando um corte de 10% nos salários dos cardeais, bem como a redução de pagamento a outros religiosos que trabalham na Santa Sé, com efeitos a partir de 1 de abril, divulgou o Vaticano esta quarta-feira, 24 de março. A medida, que não afeta os funcionários com salários mais reduzidos, visa salvar os empregos no Vaticano, apesar da forte redução das receitas da Santa Sé, devido à pandemia de covid-19.

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Entre margens

Linguagem simbólico-religiosa: uma literacia para o humano novidade

Podemos compreender a linguagem dos símbolos e a linguagem religiosa como uma forma de comunicação que abre o ser humano a uma nova mundividência? Ou será tão estranha e distante que resulta num novo analfabetismo? Imaginemos o cenário seguinte: um casal percorre diariamente a avenida de uma grande cidade, repleta de anúncios e informação muito diversificada.

O jejum de Ramadão, um acto de obediência e adoração

Entre esta terça-feira, 13 de Abril, até 12 de Maio de 2021, os muçulmanos entrarão, in cha Allah, no mês do Ramadão (em árabe Ramadan), o nono mês do calendário lunar, durante o qual foi revelado o Alcorão, Livro Sagrado do Islão. O jejum do mês do Ramadão é o quarto pilar da prática no Islão, portanto, é uma obrigação religiosa.

Liberdade ou o valor das pequenas coisas

Vivemos dezenas de anos cheios de momentos especiais e de benefícios que insistimos em banalizar porque estavam ao nosso alcance, diria mesmo garantidos. Era pelo menos o que pensávamos. Atualmente parece que começamos a conhecer o valor das pequenas coisas e, se assim é, estamos a aprender uma grande lição.Muitas pessoas perdem tempo (gostava de poder dizer – perdiam) com detalhes que as coisificam.

Cultura e artes

A torrente musical de “Spem in Alium”, de Thomas Tallis

Uma “torrente musical verdadeiramente arrasadora”, de esperança pascal, diz o padre Arlindo Magalhães, comentador musical, padre da diocese do Porto e responsável da comunidade da Serra do Pilar (Gaia), a propósito da obra de Thomas Tallis Spem in Alium (algo que se pode traduzir como “esperança para lá de todas as ameaças”).

A Páscoa é sempre “pagã”

A Páscoa é sempre pagã / Porque nasce com a força da primavera / Entre as flores que nos cativam com promessas de frutos. / Porque cheira ao sol que brilha na chuva / E transforma a terra em páginas cultivadas / Donde nascem os grandes livros, os pensamentos / E as cidades que se firmam em pactos de paz.

50 Vozes para Daniel Faria

Daniel Faria o último grande poeta português do século XX, morreu há pouco mais de vinte anos. No sábado, dia 10, assinala-se o 50.º aniversário do seu nascimento. A Associação Casa Daniel assinala a efeméride com a iniciativa “50 Vozes para Daniel Faria” para evocar os poemas e a memória do poeta.

“Sequência da Páscoa: uma das mais belas histórias do mundo”

Sem poder ir ao cinema para poder falar de um novo filme que, entretanto, tivesse estreado, porque estamos em tempo de Páscoa e porque temos ainda viva diante dos olhos a profética peregrinação do Papa Francisco ao Iraque – que não pode ser esquecida, mas sempre lembrada e posta em prática – resolvi escrever (para mim, a primeira vez neste lugar) sobre um filme profundamente pascal e actual: Dos Homens e dos Deuses (é quase pecado não ter experimentado a comoção de vê-lo). E não fui o único a fazê-lo por estes dias.

Sete Partidas

É o vírus, estúpido!

No princípio da semana (22 março),  Angela Merkel reuniu com os ministros-presidentes dos estados alemães para tomar decisões sobre o que fazer perante o actual descontrolo da situação na Alemanha. As hesitações dos políticos e os truques que alguns responsáveis regionais arranjaram para iludir as regras combinadas por todos foram fatais para a luta contra a mutação inglesa. Esta terceira vaga está a ser ainda mais rápida e avassaladora do que já se temia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This