Sexualidade: Não esquecer os dramas que se podem passar entre adultos

| 27 Mai 19 | Destaques, Igreja Católica, Igrejas Cristãs - Homepage, Newsletter, Sociedade, Últimas

Foto © Grant Whitty/Unsplash

 

Este texto foi escrito na continuidade de um outro publicado há algum tempo com o título: Sexualidade – Comportamentos Desviantes – Celibato.

A motivação próxima para este novo contributo foi que, na sequência da “difusão das perturbantes notícias sobre abusos cometidos por clérigos sobre menores” (são palavras suas), o Papa emérito Bento XVI publicou, recentemente, um documento a que deu o título de “A Igreja e o Escândalo dos Abusos Sexuais”.

Penso que será oportuno apresentar algumas breves reflexões.

O Papa Francisco tinha convocado todos os presidentes das Conferências Episcopais para, numa reunião em Roma, debaterem este problema. O Papa emérito sentiu a necessidade de intervir e pretendeu situar as suas reflexões no tempo decorrido entre a convocação desta reunião e o seu início.

Cito: “O meu trabalho está dividido em três partes. Num primeiro ponto tento muito brevemente delinear em geral o contexto social da questão, na falta do qual o problema é incompreensível. Procuro mostrar como nos anos sessenta se verificou um processo inaudito, de uma ordem de grandeza que na história quase não tem precedentes. Pode afirmar-se que, no vinténio 1960-1980, os critérios válidos até àquele momento sobre a sexualidade desapareceram completamente, e daí resultou uma ausência de normas, a que se procurou, entretanto, pôr remédio.No segundo ponto, procuro indicar as consequências desta situação na formação e na vida dos sacerdotes. Finalmente, numa terceira parte, desenvolverei algumas propostas para uma resposta adequada da parte da Igreja.”

No primeiro ponto, faz uma descrição dramática do que se passou a partir de 1968. No segundo ponto, fala-se das primeiras reações eclesiais, com mudanças no Direito Canónico e na formação dos sacerdotes. No terceiro ponto faz-se uma reflexão teológica, com várias propostas dela decorrentes. Como se compreende, esta última reflexão tem a ver com a doutrina e não com factos.

“Penso em toda a história do celibato. Como é possível ignorar o “antes”? A sexualidade humana e a sua integração na cultura europeia, a maneira como a Igreja tratou esta componente essencial da vida, a longa história do celibato sacerdotal com todos os dramas com ele relacionados, não são minimamente referidos neste documento.” Foto © Michael O’Sullivan/Unsplash

 

Não pretendo criticar as afirmações feitas no primeiro ponto, embora me pareçam questionáveis. O aspecto que, quanto a mim, levanta grandes interrogações, é a total ausência de referências ao que se passou antes dos anos sessenta do século XX. Como se pode explicar esta omissão? Penso em toda a história do celibato. Como é possível ignorar o “antes”? A sexualidade humana e a sua integração na cultura europeia, a maneira como a Igreja tratou esta componente essencial da vida, a longa história do celibato sacerdotal com todos os dramas com ele relacionados, não são minimamente referidos neste documento. A conclusão que se pode tirar é que não são considerados importantes para compreender o problema em apreço. Todo este longo passado da vida da Igreja não será importante para entender o que se passa no presente? Além disso, a “questão” do celibato e dos abusos relacionados, não tem só a ver com crianças mas também com as relações entre adultos. Sobre isso falei já resumidamente numa anterior comunicação sobre o mesmo assunto.

Esta mesma interrogação, ou seja, como é possível ignorar o passado, se põe também, quanto a mim, perante uma notícia recente. O patriarca de Lisboa terá indicado um magistrado para se ocupar especialmente de investigar os casos de abuso sexual de menores por parte de sacerdotes. Também em várias outras dioceses se tornou pública a decisão de constituir comissões para defender os menores e  investigar os casos de abuso sexual cometidos por elementos do clero. É óbvio que é urgente adotar procedimentos adequados para enfrentar esta realidade. Mas também aqui não se pode proceder considerando apenas um aspeto do problema. Considerar o contexto em que se verificam estes delitos e os seus antecedentes, pode ser indispensável para uma compreensão do fenómeno e para lhe encontrar um caminho de solução. Porque todos estes factos vêm na sequência de uma história. Foi só agora que se tomou consciência do problema?

No dia 9 do corrente mês de Maio, a Congregação da Doutrina da Fé publicou o “moto próprio”Vos Estis Lux Mundi.O secretário adjunto da mesma Congregação, o arcebispo Charles J. Scicluna, explicou que é uma lei que “impõe a obrigação da denúncia e protege quem denuncia”. E insiste: “Cobrir um delito não é aceitável e nunca foi aceitável”. “Ninguém está acima da lei”.

Não há dúvida de que é uma decisão importante. Mas não podemos perder de vista que, no caso do sacerdócio, a Igreja credita pessoas para exercerem funções importantes de extrema delicadeza, como a confissão e a  direção espiritual. Terão que ser homens dotados de um grande equilíbrio pessoal, de uma forte motivação e de uma maturidade afetiva de grande qualidade. Pensar só no caso da defesa das crianças é esquecer um ponto fundamental que é o da seleção das pessoas a quem é confiada esta missão. Por quem, em que condições e com que critérios é feita a sua seleção?

Acredito que estas mesmas interrogações se tenham levantado aos responsáveis, embora nada nos seja dito a este propósito. Mas é importante que o reconhecimento do drama do abuso de menores não faça esquecer os dramas que se podem passar entre adultos.

 

João Seabra Diniz é psicanalista e membro da Sociedade Portuguesa de Psicanálise 

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Criança no centro? novidade

Há alguns anos atrás estive no Centro de Arte Moderna (Fundação Gulbenkian) ver uma exposição retrospetiva da obra de Ana Vidigal. Sem saber exatamente porque razão, detive-me por largos minutos em frente a este quadro: em colagem, uma criança sozinha no seu jardim; rodeando-a, dois círculos concêntricos e um enredado de elipses. Ana Vidigal chamou àquela pintura: O Pequeno Lorde.

Uma espiritualidade democrática radical

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo.

Cultura e artes

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres novidade

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco