Sexualidade: Não esquecer os dramas que se podem passar entre adultos

| 27 Mai 19

Foto © Grant Whitty/Unsplash

 

Este texto foi escrito na continuidade de um outro publicado há algum tempo com o título: Sexualidade – Comportamentos Desviantes – Celibato.

A motivação próxima para este novo contributo foi que, na sequência da “difusão das perturbantes notícias sobre abusos cometidos por clérigos sobre menores” (são palavras suas), o Papa emérito Bento XVI publicou, recentemente, um documento a que deu o título de “A Igreja e o Escândalo dos Abusos Sexuais”.

Penso que será oportuno apresentar algumas breves reflexões.

O Papa Francisco tinha convocado todos os presidentes das Conferências Episcopais para, numa reunião em Roma, debaterem este problema. O Papa emérito sentiu a necessidade de intervir e pretendeu situar as suas reflexões no tempo decorrido entre a convocação desta reunião e o seu início.

Cito: “O meu trabalho está dividido em três partes. Num primeiro ponto tento muito brevemente delinear em geral o contexto social da questão, na falta do qual o problema é incompreensível. Procuro mostrar como nos anos sessenta se verificou um processo inaudito, de uma ordem de grandeza que na história quase não tem precedentes. Pode afirmar-se que, no vinténio 1960-1980, os critérios válidos até àquele momento sobre a sexualidade desapareceram completamente, e daí resultou uma ausência de normas, a que se procurou, entretanto, pôr remédio.No segundo ponto, procuro indicar as consequências desta situação na formação e na vida dos sacerdotes. Finalmente, numa terceira parte, desenvolverei algumas propostas para uma resposta adequada da parte da Igreja.”

No primeiro ponto, faz uma descrição dramática do que se passou a partir de 1968. No segundo ponto, fala-se das primeiras reações eclesiais, com mudanças no Direito Canónico e na formação dos sacerdotes. No terceiro ponto faz-se uma reflexão teológica, com várias propostas dela decorrentes. Como se compreende, esta última reflexão tem a ver com a doutrina e não com factos.

“Penso em toda a história do celibato. Como é possível ignorar o “antes”? A sexualidade humana e a sua integração na cultura europeia, a maneira como a Igreja tratou esta componente essencial da vida, a longa história do celibato sacerdotal com todos os dramas com ele relacionados, não são minimamente referidos neste documento.” Foto © Michael O’Sullivan/Unsplash

 

Não pretendo criticar as afirmações feitas no primeiro ponto, embora me pareçam questionáveis. O aspecto que, quanto a mim, levanta grandes interrogações, é a total ausência de referências ao que se passou antes dos anos sessenta do século XX. Como se pode explicar esta omissão? Penso em toda a história do celibato. Como é possível ignorar o “antes”? A sexualidade humana e a sua integração na cultura europeia, a maneira como a Igreja tratou esta componente essencial da vida, a longa história do celibato sacerdotal com todos os dramas com ele relacionados, não são minimamente referidos neste documento. A conclusão que se pode tirar é que não são considerados importantes para compreender o problema em apreço. Todo este longo passado da vida da Igreja não será importante para entender o que se passa no presente? Além disso, a “questão” do celibato e dos abusos relacionados, não tem só a ver com crianças mas também com as relações entre adultos. Sobre isso falei já resumidamente numa anterior comunicação sobre o mesmo assunto.

Esta mesma interrogação, ou seja, como é possível ignorar o passado, se põe também, quanto a mim, perante uma notícia recente. O patriarca de Lisboa terá indicado um magistrado para se ocupar especialmente de investigar os casos de abuso sexual de menores por parte de sacerdotes. Também em várias outras dioceses se tornou pública a decisão de constituir comissões para defender os menores e  investigar os casos de abuso sexual cometidos por elementos do clero. É óbvio que é urgente adotar procedimentos adequados para enfrentar esta realidade. Mas também aqui não se pode proceder considerando apenas um aspeto do problema. Considerar o contexto em que se verificam estes delitos e os seus antecedentes, pode ser indispensável para uma compreensão do fenómeno e para lhe encontrar um caminho de solução. Porque todos estes factos vêm na sequência de uma história. Foi só agora que se tomou consciência do problema?

No dia 9 do corrente mês de Maio, a Congregação da Doutrina da Fé publicou o “moto próprio”Vos Estis Lux Mundi.O secretário adjunto da mesma Congregação, o arcebispo Charles J. Scicluna, explicou que é uma lei que “impõe a obrigação da denúncia e protege quem denuncia”. E insiste: “Cobrir um delito não é aceitável e nunca foi aceitável”. “Ninguém está acima da lei”.

Não há dúvida de que é uma decisão importante. Mas não podemos perder de vista que, no caso do sacerdócio, a Igreja credita pessoas para exercerem funções importantes de extrema delicadeza, como a confissão e a  direção espiritual. Terão que ser homens dotados de um grande equilíbrio pessoal, de uma forte motivação e de uma maturidade afetiva de grande qualidade. Pensar só no caso da defesa das crianças é esquecer um ponto fundamental que é o da seleção das pessoas a quem é confiada esta missão. Por quem, em que condições e com que critérios é feita a sua seleção?

Acredito que estas mesmas interrogações se tenham levantado aos responsáveis, embora nada nos seja dito a este propósito. Mas é importante que o reconhecimento do drama do abuso de menores não faça esquecer os dramas que se podem passar entre adultos.

 

João Seabra Diniz é psicanalista e membro da Sociedade Portuguesa de Psicanálise 

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?” novidade

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Eutanásia, hora do debate novidade

Seja qual for a posição de cada um, a reflexão e o debate sobre a eutanásia é uma exigência de cidadania e não uma discussão entre alguns, em círculo fechado, mesmo se democraticamente nos representam. Quando está em jogo o tipo de sociedade que desejo para os meus netos, não quero que outros decidam sem saberem o que penso.

“Qual é o mal de matar?”

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro novidade

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco