Relatório da ONU alerta

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos

| 29 Nov 2022

Winnie Byanyima, Executive Director of UNAIDS

De todas as mortes registadas em 2021, 15% ocorreram entre crianças com menos de 14 anos. Foto © CMI.

 

O mais recente relatório da ONUSIDA, divulgado esta terça-feira, 29 de novembro,  é perentório: “o mundo continua a falhar à infância” na resposta contra a doença. No final de 2021, 800 mil crianças com VIH não recebiam qualquer tratamento. Entre os cinco e os 14 anos, apenas 40% tiveram acesso a medicamentos para a supressão viral. A boa notícia é que as mortes por sida caíram 5,79% face a 2020, mas a taxa de mortalidade observada entre as crianças é particularmente alarmante.

De acordo com o relatório, divulgado a dois dias de ser assinalado o Dia Mundial de Luta Contra a Sida (1 de dezembro), 15% de todas as mortes registadas em 2021 ocorreram entre crianças com menos de 14 anos, apesar de estas representarem 4% do total de pessoas a viver com o VIH no mundo.

Outro relatório global, publicado pela Unicef na segunda-feira, 28 de novembro, confirma que o cenário não é animador entre os mais novos, revelando que mais de 300 crianças e jovens morrem diariamente por causas relacionadas com a sida, totalizando cerca de 110 mil só em 2021.

Nos países prioritários em matéria de VIH identificados pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância, a cobertura do tratamento antirretroviral entre crianças era de 56% em 2020, mas caiu para 54% em 2021.

 

Portugal é um dos países da Europa Ocidental com mais novos casos

No nosso país, segundo dados do Relatório Infeção por VIH em Portugal 2022 divulgados também esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS) e pelo Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA), a tendência decrescente de novos casos de infeção por VIH, já verificada desde o ano 2000, manteve-se nos anos 2020 e 2021, período em que foram diagnosticados 1.803 novos casos de infeção por VIH, quatro deles em crianças.  Se compararmos a evolução de 2012 para 2021, verifica-se uma redução de 44% no número de novos casos de infeção pelo vírus.

Apesar de uma clara tendência decrescente, o relatório salienta que Portugal continua a ser um dos países da Europa Ocidental com taxas mais elevadas de novos casos de infeção, particularmente numa população mais jovem, sendo que 63,6% dos infetados tem entre 25 e 49 anos.

No mundo, 38,4 milhões de pessoas tinham sida no final do ano passado, indica o documento disponibilizado pelo Programa das Nações Unidas de Combate ao VIH. Este número representa 1,5% a mais do que em 2020, quando a doença afetava cerca de 37,8 milhões de pessoas. Por região, a África Oriental e Austral responde por quase metade do total de casos de sida no mundo: 20,6 milhões.

 

“O único caminho eficaz para acabar com a sida é feminista”

Winnie Byanyima, Executive Director of UNAIDS

Winnie Byanyima, diretora executiva da ONUSIDA. Foto © ONUSIDA.

 

Intitulado “Desigualdades Perigosas”, o relatório da ONUSIDA avança que são precisamente “as desigualdades que estão a impedir que se ponha fim à sida”. “Com a tendência atual, o mundo será incapaz de cumprir os objetivos mundiais acordados em matéria de sida”, pode ler-se no documento, que revela o impacto das desigualdades de género, das desigualdades que enfrentam os “grupos de população-chave” e das desigualdades entre crianças e adultos, e destaca ainda como “o agravamento das imitações financeiras faz agora com que seja mais difícil abordar essas desigualdades”.

“O mundo nunca poderá vencer a sida se continuarmos a reforçar o patriarcado”, afirma Winnie Byanyima, diretora executiva da ONUSIDA, e exemplifica: “Em áreas com uma elevada incidência de VIH, as mulheres submetidas a violência dentro do casal têm mais 50% de possibilidades de contrair VIH. Em 33 países entre 2015 e 2021, só 41% das mulheres casadas entre os 15 e os 24 anos podiam tomar as suas próprias decisões sobre saúde sexual”. Neste sentido, “o único caminho eficaz para acabar com a sida, atingir as metas de desenvolvimento sustentável e garantir saúde, direitos e prosperidade partilhada é um caminho feminista”, defende.

Os efeitos das desigualdades de género nos riscos de contrair uma infeção por VIH são especialmente pronunciados na África Subsaariana, onde as mulheres representaram 63% das novas infecções em 2021.

Nesta região, jovens adolescentes e mulheres jovens (entre os 15 e 24 anos) têm três vezes mais probabilidades de contrair o VIH do que adolescentes e homens jovens da mesma faixa etária. Mas, avança a ONU, permitir que as meninas permaneçam na escola até concluírem o ensino médio reduz a sua vulnerabilidade à infecção em até 50%. Quando isso é reforçado com um pacote de apoio à capacitação, os riscos para as meninas são ainda mais reduzidos.

 

O papel das Igrejas

oracao ecumenica WCC Photo Albin HillertWCC

No dia 1 de dezembro, o CMI promove uma oração ecuménica pelos doentes de SIDA, Foto © Albin Hiller / CMI.

 

“Sabemos o que temos que fazer para acabar com as desigualdades”, afirma Byanyima. “Temos que garantir que todas as nossas meninas possam ir à escola, estejam seguras e fortes. Devemos abordar questões relacionadas com a violência de gÉnero. Temos que dar o nosso apoio às organizações de mulheres. Promover masculinidades saudáveis: substituir comportamentos nocivos que agravam os riscos para todos. Garantir que os serviços para crianças a viver com VIH cheguem até elas e atendam as suas necessidades, a fim de fechar a lacuna de tratamento para acabarmos de vez com a sida infantil. Descriminalizar pessoas em relacionamentos homossexuais, profissionais do sexo e consumidores de drogas e investir em serviços comunitários que possibilitem a sua inclusão, pois isso ajudará a derrubar as barreiras dos serviços e a cuidar de milhões de pessoas.”

Para o Conselho Mundial de Igrejas (CMI), é essencial que os líderes religiosos e as suas comunidades se empenhem mais em “trazer a questão da sida de volta às agendas” e se envolvam com os Governos, escritórios locais da ONUSIDA, instituições de saúde, e outros parceiros, para dar um maior contributo na erradicação da doença.

Num webinar que reuniu no passado dia 24 de novembro participantes de diversas partes do mundo, da Jamaica à Indonésia, passando pela Índia e República Dominicana, Gracia Ross, executiva do programa de Iniciativas Ecuménicas relacionadas com o VIH e sida do CMI, defendeu que “o setor da fé tem que estar do lado das pessoas que vivem com VIH e do lado daqueles que vivem à margem. Existem muitas questões nas quais podemos colaborar para criar uma resposta abrangente e integral.”

Durante a sua intervenção no webinar, que o 7MARGENS acompanhou, Ross sublinhou que “as igrejas são instituições influentes porque estão profundamente enraizadas em comunidades ao redor do mundo. Elas podem ser uma força de transformação – trazendo cura, esperança e acompanhamento para todas as pessoas afetadas pelo VIH”. E insistiu: Queremos que o setor religioso e as comunidades conversem e se concentrem nas ações”.

O Conselho Mundial de Igrejas começou por promover a “competência em VIH” nas diversas Igrejas presentes em África, mas já expandiu este programa a outras regiões, nomeadamente a países como as Filipinas e a Ucrânia, onde as próprias Igrejas solicitaram que a instituição partilhasse as suas experiências e conhecimentos.

Esta quinta-feira, 1 de dezembro, promove uma nova reunião online, onde promete fazer “uma atualização da resposta ao VIH por parte do Conselho Mundial de Igrejas e dos seus parceiros ecuménicos em todo o mundo, observando as estratégias implementadas e o caminho a seguir”. A participação é gratuita, mediante inscrição no site do CMI.

No mesmo dia, o CMI, do qual fazem parte 352 igrejas cristãs em 120 países, desafia todos a juntar-se a uma oração ecuménica pelos doentes de sida, em particular “aqueles que morreram sem acesso a medicamentos e cuidados oportunos, devido ao estigma e à discriminação”. A oração decorrerá no Centro Ecuménico de Genebra (Suíça) e poderá também ser acompanhada online.

 

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo”

Último dia na RD Congo

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo” novidade

Antes de se despedir da República Democrática do Congo (RDC), o Papa visitou na manhã desta sexta-feira, 3 de fevereiro, a sede da Conferência Episcopal do Congo (CENCO), onde se encontrou com os bispos do país. No seu discurso, desafiou-os a serem uma “voz profética” em defesa do “povo crucificado e oprimido”, e alertou-os para a tentação de “ver no episcopado a possibilidade de escalar posições sociais e exercer o poder”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências”

Encontro com consagrados

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências” novidade

Depois de ter passado a manhã com mais de 80 mil jovens e catequistas, o Papa encontrou-se na tarde desta quinta-feira, 2 de fevereiro, com cerca de 1.200 padres, diáconos, consagrados e seminaristas, na Catedral de Kinshasa. Naquele que foi o terceiro dia da sua viagem apostólica à República Democrática do Congo (RDC), véspera de rumar ao Sudão do Sul, Francisco alertou que o sacerdócio ou qualquer forma de vida consagrada não podem ser vistos como um meio para “satisfazer carências e comodidades” ou para adquirir uma melhor “posição social”.

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada

Tensão no bairro cristão de Jerusalém

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada novidade

Um americano judeu de cerca de 40 anos deitou por terra e desfigurou esta terça-feira, 2 de fevereiro, uma imagem de Cristo na capela da Condenação, situada no perímetro da Igreja da Flagelação, na Terra Santa. O ataque deu-se logo de manhã, pelas 8h30, e a destruição só não foi maior porque o porteiro do templo se lançou sobre o atacante e imobilizou-o, tendo os frades chamado a polícia. Esta levou o homem sob prisão para uma esquadra.

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes

Casos de abusos nos últimos 15 anos

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes novidade

Nos últimos 15 anos, 164 padres foram condenados por abuso sexual de menores em Itália. A listagem divulgada em conferência de Imprensa pela organização Rete L’ABUSO no dia 1 de fevereiro foi apresentada como “um inventário incompleto” dos clérigos predadores objeto de condenações definitivas, a que se juntam 88 nomes de padres sinalizados pelas suas vítimas, mas cujos casos não foram objeto de investigação criminal por já terem prescrito os crimes de que foram acusados.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This