Silêncio e Meditação

O padre mudo

É uma historiazinha popular. Certo sacerdote, no momento da homilia, avança para o púlpito e declara: “Celebramos hoje o maior mistério, o da Santíssima Trindade; e como não percebo nada disto, não vai haver homilia.” (Referida no livro de Hans Küng Existe Dios? – tradução espanhola do original). Foi honesto como poucos. Porém, se é verdade que a existência do mundo e a vida também são um mistério, não é por isso que deixamos de nos interrogar, de recolher experiências e de especular.

Cinema

O poder de sarar das palavras

“‘Este filme, cuja beleza formal reflete a beleza dos sentimentos que exprime, tocou-nos, porque oferece uma reflexão poética sobre o remorso e a dificuldade em perdoar-se’, explica a crítica Mariangeles Almacellas (La Croix), membro do júri (ecuménico), acrescentando que ‘as duas personagens (ao longo do filme) aprendem a procurar o sentido da existência para lá da vida terrestre’.” É uma boa maneira de entrar nestas viagens que o filme Drive My Car (que também ganhou um Óscar de melhor filme estrangeiro) nos faz acompanhar ao longo de quase três horas que valem cada minuto.

Vida, luz e sombra (sobre “Silêncio na Era do Ruído”)

Num tempo em que precisamos de vidros duplos para ter silêncio em casa ou nos protegermos do som infernal das brocas que perfuram azulejos da casa do vizinho ou lá em baixo na rua; num tempo em que tanta gente só adormece mantendo a TV ligada ou ouvindo o spotify nos auscultadores incansáveis do telemóvel com os fios a adentrar-se nos ouvidos, da real dependência de ecrãs e luzes fosforescentes, do facebook e do whatsapp – que cansaço! –, é preciso reaprendermos o silêncio.

Pin It on Pinterest

Share This