Casa do Gaiato

“Sinais” do padre Telmo Ferraz, de 95 anos

| 30 Jun 21

sinais telmo ferraz

Sinais é o 11º livro do padre Telmo Ferraz, composto por orações em prosa, poemas e notas de pedaços de vida. 

Foi apresentado nesta segunda-feira, 28, na concatedral de Miranda do Douro, o livro Sinais, o 11º título do padre nordestino Telmo Ferraz, de 95 anos. O sacerdote é sobretudo conhecido pela sua dedicação à Casa do Gaiato, em Portugal e em Angola, e pela luta em prol da dignidade e justiça social para os trabalhadores das barragens de Picote e Miranda.

O livro, feito de orações em prosa, poemas e notas de pedaços de vida, vem de “um ser que se comunica pelo que escreve e sobretudo pelo que é.» (…) «Ele é o verdadeiro sinal para os que temos o privilégio de o conhecer e aprender com ele. Mas como todos os sinais não aponta para si. A realidade que sinaliza é outra: o seu amigo Jesus “, como escreve no prefácio José Alfredo.

O editor, o professor Henrique Pereira, interveio no lançamento, tal como o bispo de Bragança, José Cordeiro. Interveio também o professor António Bárbolo Alves, com um texto coletivo, em nome do Movimento Cultural da Terra de Miranda (que publicamos a seguir). No ato houve ainda alguns momentos musicais com gaita, sanfona e ‘guitarro’, apresentados por Paulo Preto e Paulo Meirinhos, do grupo Galandum Galundaina.

O produto da venda do livro irá integralmente para a Casa do Calvário de Beire, que está a adaptar instalações para acolher doentes incuráveis (para adquirir o livro, aceder à página da Obra da Rua na internet).

 

Um padre que escreve “rente à vida”

Padre Telmo Ferraz, da Obra da Rua. Foto: Direitos reservados.

 

“Para mim, pessoalmente, e para o Movimento Cultural da Terra de Miranda, em nome do qual aqui falo, é uma enorme responsabilidade e ao mesmo tempo, uma elevada honra, prestar esta homenagem ao Senhor Padre Telmo Ferraz.

O Senhor Padre Telmo é um dos maiores vultos da cultura da Terra de Miranda, não só em termos literários, pela qualidade dos seus textos e da sua obra, pela sua expressividade, quase cénica, pela forma como nos faz imergir num mundo rico de conhecimento e de exemplo, sentir os cheiros, o frio e o calor, a lama, a luta pela sobrevivência, a fome, a exploração, a doença, a morte e a indiferença. Numa palavra, pela forma como escreve “rente à vida”, como muito bem definiu a sua escrita o professor Henrique Pereira. O seu livro “O Lodo e as Estrelas” é um monumento vivo da nossa Terra que, como os maiores, nos fala, nos ensina e nos enriquece.

O exemplo dos operários marteleiros mortos do pó da construção dos túneis das barragens e abandonados pelo Estado e pelas “Companhias” à sua sorte, depois de deixarem de poder respirar livremente e trabalhar, nunca mais será esquecido. E essa é a melhor homenagem que lhes podemos prestar, a eles e a si, porque com eles aprendemos − e isso nos dá força e exemplo − a lutar por uma sociedade melhor e mais justa.

O Zeca, que vomitava sangue, com os pulmões desfeitos; o António, impedido de cumprir a sua ambição de voltar para a sua terra, sem dinheiro para a viagem e pelo seu corpo de marteleiro gasto e cansado, de 30 anos, estendido na cama a tossir sangue a cada minuto; o Ricardo sem trabalho por não parar de chover e, por isso, sem comida, alimentado por uma côdea de um amigo a quem tinha vergonha de pedir, de tão pobre que também era; o Lagares, esfarrapado em sangue, nas casinhas miseráveis do estaleiro, construídas com quatro paus e telhados de sacos de papel; o Manuel, abandonado também pela “Companhia” a uma morte lenta, miserável, sem recursos, depois de o terem despojado da capacidade de trabalhar, o seu único património, e desprezado por um Estado ausente e cúmplice; o Araújo, a quem a “Companhia” “mastigou os pulmões” em quatro anos e de quem se esqueceu; a Delfina, que a miséria impediu de ter mais filhos; o Carlos, que amava os seus filhos “descalços em cima do lodo, rotos e cheios de surro”, feliz com a “farturinha” de ter encontrado um fardo de bacalhau que a FNAT deitou fora por cheirar a petróleo; o Chico, o Inácio, o Ramalho, o Salgado, o Zé Manel, o Agostinho, o Manuel Gonçalves, o Lúcio, o Manuel Nogueira, o Guilherme. E o menino Armindo, de cinco anos, “descalço, roto e sujo”, cujo pai, operário de pá e pica ganhava 20 escudos por dia, que não chegavam para os alimentar a ele e ao irmão.

Todos eles estão vivos, são os “homens de carne e osso, que nascem, sofrem e morrem” – sobretudo morrem – como diria Unamuno −, e são exemplos para todos nós. Eles são as estrelas e as vítimas de um sistema cruel, pela sua injustiça chocante, que no polo oposto tem um modelo social de empresas, Estado e dinheiro. Estado que proibiu a publicação do seu livro.

Um país, dois mundos.

E veja, Senhor Padre Telmo, como as vítimas desse sistema foram por si colocadas e nós celebramos como as estrelas, contra um sistema de interesses, de injustiça e de ignorância, de falta de humanidade e de ausência de civilização. O lodo.

É o braço “duro e bambo” do Araújo que para eles aponta, acusando-os e denunciando-os, mesmo quando estoiram os foguetes, os discursos e os banquetes.

Estas estrelas fazem deste seu livro uma obra brilhante, mas também o é pela esperança que nos transmite, pela ideia do sublime, da superação, do Bem, da bondade, da religiosidade, da energia, da inteligência, da esperança, que estão sempre presentes. A mulher mirandesa, a “velha com ares de profetisa” que, no início da obra, ousa enfrentar os engenheiros para lhes dizer “Nun queremos acá la corta! Nun queremos acá la barraige!”, é um desses exemplos de força de quem foi capaz de superar todos os medos e enfrentar mesmo o desconhecido.

casa do gaiato de beire

Casa do Gaiato de Beire (Paredes), para a qual reverterão as receitas da venda deste livro. Foto: Direitos reservados.

 

Senhor Padre Telmo, os seus livros são lições de humanidade, de como o humano tudo supera, com a sua teimosia espantosa em acreditar, mesmo nas mais adversas situações, num mundo melhor, no bem e na justiça.

E essas características estão ainda mais presentes na Terra de Miranda, na resistência das suas gentes, perenes como as folhas dos carrascos, resistentes aos invernos, porque desafiam o tempo e “são sempre”.

O seu livro é sobre a injustiça e sobre a esperança de um mundo melhor, de Justiça.

Senhor Padre, Senhor Bispo, Senhor Presidente da Câmara, é também a injustiça que faz levantar o Movimento Cultural da Terra de Miranda. A injustiça na distribuição da riqueza gerada pelos recursos naturais da Terra de Miranda, que daqui é meticulosamente extraída para fora. Dizem os especialistas que é aqui, no Douro Internacional, que se localizam os recursos naturais mais produtivos para a produção de energia eléctrica de todo o mundo, Pois bem, praticamente nada aqui fica e outros beneficiam deles.

É a injustiça que emerge de um país doentiamente centralista, desigual e injusto na partilha de recursos, que nem sequer repara que está a discriminar um povo que transporta na sua alma, há muitos séculos, uma Língua e uma Cultura próprias, que são, sem dúvidas, a sua maior riqueza. Um país que parece não saber para onde vai, apesar de saber que a nossa Terra perdeu cerca de 2/3 da população nos últimos 60 anos. Um país que devia saber que, a continuar assim, corre o risco de ver extinguir esta língua e esta cultura. E um país assim não tem futuro, porque é o limite da injustiça na partilha de recursos que marca o pacto social entre cidadãos livres numa sociedade inclusiva e progressiva, como ensinou John Rawls.

Estranhamente, muitos continuam indiferentes a esta injustiça económica, social, territorial e acima de tudo cultural, aparentemente cegos pela força do dinheiro, do lucro fácil, dos favores do poder. Porque ainda há muito lodo neste país, Senhor Padre Telmo.

Felizmente, o país mudou muito desde janeiro de 1955, quando escreveu o seu primeiro texto de “O Lodo e as Estrelas”, e em muito lhe devemos a si, à sua luta e à sua Obra, sermos hoje um país livre e democrático.

Persiste, porém, uma grave injustiça para com a nossa Terra, que necessita de ser reparada.

Jã não se trata de resgatar as “ninhadas” de crianças rotas e sujas, da fome e da miséria das ruas lamacentas das barracas dos acampamentos operários, mas continuamos a ver os nossos filhos ter que partir porque a nossa Terra está desprovida das instituições que lhes permitam aceder a um ensino superior de qualidade, à saúde, ao emprego e a uma vida digna. Temos uma economia agrícola que colapsou nos últimos 60 anos, apesar de o nosso Planalto possuir os recursos naturais necessários para ser uma zona agrícola de excelência.

O Senhor Padre Telmo é um dos nossos maiores inspiradores, diria mesmo, uma referência tutelar do nosso Movimento. A luta pela justiça, pela equidade, não é fácil. Muitos não a compreendem e têm medo dela, tentam censurá-la, calá-la, diminuí-la. Mas vale a pena.

Como o Senhor Padre diz, na sua sapiência tranquila e profunda, o seu livro deve ser lido fora do tempo e do espaço, porque é “simplesmente para os homens”. É também assim que são a Justiça e a equidade. Intemporais. Por isso, esses são os valores mais sólidos, pelos quais vale a pena lutar.

Tal como ao Araújo, à Terra de Miranda “não é piedade que lhe é devida, mas a Justiça”. Este Movimento levantou-se, como que correspondendo ao seu apelo para que todos nos levantemos porque vai passar o António:

“Quanto valem os pulmões do António?
Ninguém compra os pulmões do António?
Ele ajudou a fazer o conforto de muitos lares.
Ele ajudou a fazer o lucro de algumas Companhias.
Levantem-se. Tirem o chapéu.
É o António que passa!”.

Senhor Padre, lemos comovidos a sua visão das barragens: “No dorso das albufeiras, uma barquinha negra, carregada de pulmões esfarrapados segue a sua rota”. Nós continuamos a vê-la carregada de injustiça, mas prometemos mudar-lhe a carga e ter orgulho no que vemos e no país que somos.

Muito obrigado pela sua lição e iluminação, Senhor Padre Telmo Ferraz. Assim fazemos e faremos. Em honra de todos os heróis do seu livro, de todos os cidadãos de Bumioso, Miranda e Mogadouro, da Justiça, da nossa Terra, sempre inspirados no seu exemplo.

Ainda há lodo neste país, e encontrámos muito mais do que imaginávamos ser possível.

Mas a nossa Terra, os nossos cidadãos e cidadãs, a nossa Cultura, serão as estrelas que ajudarão a vencer mais uma vez esse lodo.

Bem-haja Senhor Padre Telmo Ferraz.

 

O segundo apagamento de Aristides

Comentário

O segundo apagamento de Aristides novidade

“Mesmo que me destituam, só posso agir como cristão, como me dita a minha consciência; se estou a desobedecer a ordens, prefiro estar com Deus contra os homens do que com os homens contra Deus.” Esta afirmação de Aristides de Sousa Mendes, cônsul de Portugal em Bordéus em 1940, confirmada por muitas outras de cariz semelhante, mostra bem qual foi o fundamento para a sua decisão de, contra as ordens expressas de Salazar, conceder indiscriminadamente vistos de passagem a milhares de pessoas em fuga do terror nazi.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Vaticano

Mundo não pode ignorar sofrimento de haitianos novidade

O mundo não pode mais ignorar o sofrimento do povo do Haiti, uma ilha que há séculos é explorada e pilhada por nações mais ricas, apontou o arcebispo Vincenzo Paglia, presidente da Pontifícia Academia para a Vida. “O grito de ajuda de uma nação não pode passar despercebido, especialmente pela Europa.”

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This