Patriarca de Lisboa

Sínodo católico é para escutar “todos os que se queiram associar”

| 26 Out 2021

A cidade vista a partir da torre da Sé: “Escutaremos todos”, prometeu o patriarca. Foto: Direitos reservados.

 

“Escutaremos todos os que se queiram associar ao nosso caminho sinodal, sem esquecer o âmbito ecuménico e inter-religioso”, afirmou o cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, ao apresentar a forma como Lisboa vai viver o Sínodo da Igreja Católica convocado pelo Papa Francisco.

A apresentação decorreu na catedral de Lisboa, nesta segunda-feira, 25, dia em que o patriarcado assinalava o aniversário da dedicação do templo. Por esse motivo, a diocese lisboeta decidiu fazer a abertura diocesana formal do Sínodo nesta segunda-feira e não no fim-de-semana de 16-17, como aconteceu em quase todas as dioceses do nundo.

Citado pela agência Ecclesia, o patriarca afirmou que a sinodalidade é “uma realidade que define e deve definir a Igreja, em todo o tempo”. Todas as instâncias que já existem (conselhos pastorais e económicos, reuniões de vigararias, conselhos e organismos diocesanos), devem ser valorizadas, mas o patriarcado prevê ainda a formação de uma rede de coordenadores locais, nesta fase diocesana.

O patriarca referiu ainda a experiência do Sínodo diocesano de Lisboa, entre 2014-16, e que o caminho sinodal agora convocado pelo Papa irá “a par” com a preparação e realização da Jornada Mundial da Juventude, que Lisboa acolhe de 1 a 6 de agosto de 2023, que considerou poder ser um momento de alento depois da “grande depressão pandémica”.

No guia prático (ou Vademécum) distribuído pelo Vaticano, diz-se que “a finalidade da primeira fase do caminho sinodal é favorecer um amplo processo de consulta”, com atenção à “voz dos pobres e dos excluídos, não somente daqueles que desempenham alguma função ou responsabilidade” na própria Igreja.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This