Encontro do 7MARGENS

Sínodo: início de um tempo novo para a Igreja?

| 16 Mar 2022

Papa Francisco em oração no Momento de Reflexão que deu início ao Sínodo dos Bispos sobre a Sinodalidade, em Outubro 2021. Foto © Vatican Media.

 

Não se pretendia ter um retrato da situação no país, quando 130 pessoas se juntaram na noite desta segunda-feira, 14, interpeladas pela pergunta do 7MARGENS “E como estamos de Sínodo?”. O que se partilhou permitiu perceber que alguma coisa mexe, por detrás do aparente silêncio da Igreja Católica em Portugal em torno do Sínodo sobre a sinodalidade.

O encontro, moderado pelo diretor deste jornal, António Marujo, abriu com intervenções de duas convidadas: Cátia Tuna, professora da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa, e Ângela Barreto Xavier, investigadora do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. A maior parte da sessão foi, porém, preenchida com os testemunhos e depoimentos de participantes envolvidos em iniciativas sinodais, nesta primeira fase, que decorre a nível das dioceses.

Na sua comunicação, Cátia Tuna fez-se acompanhar de “vozes imprevistas” de quatro pessoas, que, na sociedade e na Igreja Católica, dificilmente teriam voz. Na sua simplicidade acutilante, elas disseram no que é que estão gratas à Igreja e o que entendem que esta poderia fazer melhor. Foi uma forma de mostrar que mais do que “objeto de discursos”, é importante que os pobres sejam sujeitos dos seus próprios discursos, contanto que haja quem os queira escutar.

Por sua vez, Ângela Xavier testemunhou sobre a “urgência” que sentiu em pôr-se em campo e envolver-se na dinâmica sinodal, na Comunidade da Capela do Rato, em Lisboa. Disse-se insatisfeita relativamente à Igreja como um todo, sobretudo nesta zona ocidental do planeta, observando que a pandemia e o escândalo dos abusos sexuais só vieram agravar a descrença na instituição e o afastamento de muitos. Neste contexto, o Sínodo, que tem sido acolhido de braços abertos na comunidade de que faz parte, pode ser um caminho para tornar a Igreja mais significativa para a vida das pessoas. Mas é preciso que ela não fique anquilosada no passado, aprenda com as mudanças que foi fazendo ao longo da história, e que se abra à plena integração dos leigos nos mecanismos de decisão, à ordenação de mulheres e ao celibato opcional do clero.

 

“Tempo para o culto mas não para a formação dos leigos”
formação de leigos foto c Nazareth man

A aposta na educação e na formação de leigos, nomeadamente com o aprofundamento da doutrina social da Igreja, foi uma das sugestões comuns a vários participantes do encontro. Foto © Nazareth Man.

 

No período do encontro em que se alargou a partilha ao conjunto dos participantes, surgiram relatos e reflexões muito diversas, com vários pontos de convergência. Em alguns casos, destacaram-se não apenas experiências bem sucedidas, mas também dificuldades e obstáculos. Na impossibilidade de pormenorizar cada caso, sublinham-se pontos relevantes dessa partilha.

Na Covilhã, por exemplo, os membros da Liga Operária Católica começaram a reunir em grupos sinodais logo a seguir ao lançamento do Sínodo, em 17 de outubro passado. Alguns dos membros estão também inseridos em dinâmicas análogas do arciprestado ou vigararia. Mas têm sentido uma acentuada dificuldade de adotar na vida da Igreja práticas de participação, por parte de bispo, padres e leigos. E não deixaram de chamar a atenção para este paradoxo: “Há tempo para todos os atos de culto, mas não há tempo para a formação de leigos.”

Em Matosinhos, uma paroquiana que pertence igualmente àquele movimento da Ação Católica e ao Graal, falou de algumas conclusões do grupo sinodal em que tem participado. Os seus membros sentiram que os grupos, serviços e movimentos presentes na paróquia não comunicam entre si, ponto que outros foram assinalando também, ao longo do serão. Um outro aspeto do itinerário percorrido: a comunidade paroquial está ainda muito fechada, havendo pouca comunicação entre os seus colaboradores mais diretos e os residentes na área da paróquia. Acham, por isso, que o caminho poderia passar por organizar grupos de duas pessoas que fossem à procura de quem chega de novo àquela zona, em gesto de atenção e acolhimento.

Já há locais onde o processo da escuta terminou e se apuraram as conclusões. É o que acontece numa paróquia de Lisboa, que definiu como objetivos do processo sinodal, a prosseguir, a contribuição para uma Igreja aberta, renovada e com uma nova linguagem, capaz de olhar e pensar o centro a partir da periferia; evangelizar o mundo do trabalho, tendo especialmente em conta as condições de vida e laborais dos mais jovens (preocupação que se estende ao que esperam da Jornada Mundial da Juventude que “não pode ser só folclore”); e finalmente, a aposta na educação e na formação (por exemplo: aprofundamento da doutrina social da Igreja).

 

Afastamento dos jovens ou afastamento da Igreja?
Papa Francisco, Sínodo

O Papa Francisco a cumprimentar jovens na abertura do Sínodo 2021-23, em Roma, 9 Outubro 2021. Foto © Vatican Media.

 

As realidades do mundo dos jovens estiveram em foco através das intervenções de dois jovens do CAB, Centro Académico de Braga, ligado à comunidade inaciana. Organizados em sete grupos com uma média de seis pessoas por grupo (“para que todos tenham oportunidade de se exprimir”), iniciaram já um pouco tarde o seu caminho. Foi sublinhado como alguns dos jovens se sentiam felizes por serem chamados a participar. Queixaram-se alguns da visão moralizante que transparece em muitos discursos eclesiásticos, assim como da linguagem com que se deparam na Igreja. Uma dificuldade particularmente sentida é a de “chegar àqueles que se afastaram dos ambientes e práticas eclesiais”.

Um destes jovens do CAB referiu que, como catequista numa paróquia bracarense, tem tentado desenvolver alguma atenção ao Sínodo, em consonância com a restante equipa de catequistas do 6º ano, propondo às crianças que conversem com os seus pais sobre o que gostariam que a Igreja fosse. O mesmo jovem está ainda a tentar introduzir a mesma questão entre membros da comunidade LGBT com quem desenvolve atividades.

Esta questão do afastamento das pessoas, e sobretudo dos jovens, da Igreja foi colocada por outros participantes, podendo ser um problema dos que se afastam, que importaria ser indagado, mas também da própria Igreja. Foi nessa perspetiva que uma professora membro do Graal colocou as coisas: “Não é tanto as pessoas afastarem-se da Igreja; a Igreja é que se distancia das pessoas, quando não cumpre a dimensão sinodal, que decorre do Evangelho.”

O pároco de Esmoriz (Ovar) disse-se muito entusiasmado com o Sínodo, ainda que tenha reconhecido que vai ser necessária persistência e luta, para prosseguir nesta direção. Para ele, que tem a funcionar desde o início uma comissão sinodal, é mais importante o processo – ou seja, este modo de estar em (e fazer) Igreja, do que os resultados, já que é pelo processo que se vai aprender a ouvir e a gostar de falar uns com os outros. Uma questão com que costuma desafiar os cristãos é esta: como servidores, porque será que estamos satisfeitos com a Igreja como ela é? Porque será que não arriscamos a largar algumas coisas para fazer outras?

Estes são apenas alguns registos das partilhas do encontro sinodal. Houve esperança e alegria de alguns, que encontram neste sínodo uma oportunidade e até um “lugar de resistência para sermos ou irmos sendo Igreja”; mas também receios e ceticismo de outros. Houve quem sublinhasse a importância de “libertar a palavra” e de aprender a reconhecer as diferenças, a partir da partilha das vivências e desejos de cada pessoa ou de cada grupo. Houve, enfim, um setubalense, veterano de antigos combates, com 95 anos, que apelou a que se olhe para além dos horizontes das organizações religiosas, que se “oiça o grito dos povos” e, sobretudo, “que se viva o que Jesus ensinou”.

“Como estamos de Sínodo?”. Aqui estão alguns sinais. Uma resposta mais completa surgirá dos relatos que a partir do final deste mês irão chegar aos coordenadores diocesanos. Deles sairão as sínteses para a elaboração de um documento no âmbito nacional. Mas o Sínodo, como o Papa tem destacado e muitas pessoas vão sublinhando, é um processo e não acaba aí. Aí apenas começa.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This