Fase continental

Sínodo: processo de “diálogo sem precedentes na história da Igreja”

| 26 Ago 2022

A Roma chegaram já pelo menos 100 sínteses da primeira fase da consulta sinodal das previstas 114 conferências episcopais católicas. Na imagem, a Basílica de São Pedro, na Cidade do Vaticano. Foto © Xosema, CC BY-SA 4.0 , via Wikimedia Commons.

A Roma chegaram já pelo menos 100 sínteses da primeira fase da consulta sinodal das 114 previstas das conferências episcopais católicas. Na imagem, a Basílica de São Pedro, na Cidade do Vaticano. Foto © Xosema, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons.

 

Pelo menos 100 das 114 conferências episcopais católicas fizeram já chegar a Roma as respetivas sínteses da primeira fase da consulta sinodal, “Um diálogo sem precedentes na história de Igreja” à escala planetária que deverá ter envolvido, até agora, em números redondos, 20 milhões de pessoas.

Estes dados foram divulgados esta sexta-feira no Vaticano pelo cardeal Jean-Claude Hollerich, que é relator-geral do Sínodo dos Bispos, além de presidente da Comissão das Conferências Episcopais da Europa, numa conferência de imprensa acompanhada pelo 7Margens, que se destinou a fazer um ponto de situação da realização do Sínodo sobre a Sinodalidade e apresentar a segunda etapa do processo – de âmbito continental.

O encontro com os jornalistas foi presencial e por videoconferência e contou com a participação dos três membros do secretariado-geral do Sínodo, que é presidido pelo cardeal Mario Grech. 

“Há um ano, recordou este purpurado, o Sínodo era uma folha em branco. Neste tempo decorrido, fez-se uma auscultação inédita no interior da Igreja Católica e fora dela e houve espaço para o discernimento dos pastores. O caminho feito mostrou uma igreja viva e uma comunidade que celebra a alegria do Evangelho”, disse. “Mas não temos a ilusão de que o princípio da consulta se tenha aplicado com o mesmo vigor em todas as dioceses”- acrescentou o cardeal, numa alusão evidente a bispos e padres que se mantiveram reticentes neste processo.

O cardeal Hollerich falou, a seguir, do “impressionante entusiasmo” que sentiu na multiplicidade de grupos sinodais que se constituíram nos contextos mais diversos. Agradeceu a todos os que participaram, sublinhando também o papel dos institutos religiosos, de movimentos e associações e até de vários dos dicastérios da Cúria. “Yes, the Church is in Synod” [Sim, a Igreja está em Sínodo], exclamou, referindo as centenas de milhares de encontros sinodais e as 110 mil respostas resultantes desses grupos, mas sublinhando a riqueza desses contributos.

“As nossas paróquias não poderão ser as mesmas depois de terem passado por esta experiência”, acrescentou o cardeal que é também arcebispo do Luxemburgo.

Ambos os vice-presidentes do secretariado-geral, o bispo Luis Marin e a religiosa xaveriana Nathalie Becquart, exprimiram uma avaliação global amplamente positiva, que fizeram quer a partir dos muitos contactos, presenças e ações no terreno, quer através da leitura das sínteses que foram chegando. 

Luis Marin mostrou-se convicto de que a Igreja está já “num processo irreversível, com diferentes velocidades, cheio de nuances e esclarecimentos necessários, mas sem retorno”. 

Nathalie Becquart, por sua vez, acrescentou ter sentido “um grande desejo de prosseguir” o processo sinodal e enalteceu as auscultações que apostaram em nas questões das mulheres, em ambientes problemáticos como os estabelecimentos prisionais, bem como iniciativas sinodais de envolvimento das crianças. Destacou ainda o quanto a sensibilizou a participação nesta fase de do Sínodo de países que se encontram em situações muito difíceis, exemplificando com os casos da Nicarágua, Ucrânia, Haiti, Líbano, República Centro-Africana, entre outros. Terminou com a frase de um jovem que se lamentava e, ao mesmo tempo, congratulava de ter sido a primeira vez que foi solicitado a pronunciar-se sobre a Igreja.

Segue-se, agora, a fase continental que já vai poder ter por base um instrumento de trabalho (instrumentum laboris) que é a síntese geral que um grupo de trabalho está a iniciar, a partir das sínteses nacionais e de muitas outras que chegaram (e ainda irão chegar – os Estados Unidos da América, por exemplo, só enviarão a sua na próxima semana) ao secretariado geral.

Ao nível de cada continente, os bispos são convidados a dinamizar assembleias com lideranças continentais, procurando sublinhar, a partir das sínteses nacionais e do Instrumentum Laboris, as preocupações e sonhos comuns, as particularidades e os pontos que, enquanto realidade específica, gostariam de levar ao Sínodo dos bispos, em outubro de 2023.

O cardeal Grech foi bastante enfático ao sublinhar perante os jornalistas que há toda a vantagem em fazer voltar às igrejas locais tanto a síntese nacional como a síntese continental que vier a ser produzida. Isto para enriquecer a “circularidade” que deve existir entre a “profecia” e o “discernimento”, observou. Até para colmatar eventuais lacunas que os sucessivos processos de filtragem possam ter deixado em aberto, como também frisou.

No período de perguntas e respostas, um momento significativo aconteceu quando um jornalista confrontou o cardeal Hollerich com declarações que prestou em várias entrevistas, nos últimos meses, em que defendeu posições em matérias fraturantes, que poderiam colidir com a doutrina da Igreja. O cardeal relator geral do Sínodo dos Bispos aproveitou para esclarecer que entende que o que tem defendido não toca na doutrina; que, no exercício das suas funções sinodais, não tem “uma agenda própria”; e que terá, enquanto relator, uma atitude de abertura e de escuta. 

Pode (re)ver a conferência de imprensa aqui:

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This