Espanha nomeou coordenador

Sínodo sobre a sinodalidade já mexe… Mas ainda não em todo o lado

| 25 Jun 21

conferencia episcopal espanhola

Em Espanha, a Conferência Episcopal acabou de designar o arcebispo emérito de Saragoça, Vicente Jiménez, para assumir a coordenação do itinerário sinodal ao nível das dioceses. Foto © Conferência Episcopal Espanhola.

 

O Papa Francisco reiterou a importância dos percursos sinodais em andamento a nível diocesano e nacional, numa intervenção que acaba de fazer em mais uma reunião do Conselho de Cardeais, realizada por videoconferência.

Tais processos devem refletir-se no “movimento mais amplo iniciado nas últimas semanas pela Secretaria do Sínodo dos Bispos”, afirmou o Papa, segundo o relato do Vatican News.

As igrejas de vários países começam a dar sinais de movimentação para esse caminho sinodal que formalmente abrirá portas em outubro próximo. Em Espanha, a Conferência Episcopal acabou de designar o arcebispo emérito de Saragoça, Vicente Jiménez, para assumir a coordenação do itinerário sinodal ao nível das dioceses.

O arcebispo coordenará as equipas e referentes de cada diocese e encarregar-se-á da síntese a enviar depois à Secretaria Geral do Sínodo, depois de debatida pelo episcopado. Essa síntese será também apresentada num encontro nacional de leigos e bispos, previsto para 30 de abril de 2022.

Esta fase diocesana do Sínodo dos Bispos, refere o site da Conferência Episcopal,  prevê a escuta de todo o povo de Deus, “com particular atenção aos mais afastados”.

Em Portugal, não é conhecido qualquer comentário ou opinião de responsáveis da Igreja quanto ao caminho sinodal apontado pelo Papa e pela Secretaria Geral do Sínodo, nem se conhecem ainda movimentações para pôr o processo em andamento.

O Sínodo terá a sinodalidade como tema: “Por uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão”.

 

Direitos humanos, paz e casa comum: como se reescreve um Papa?

Ensaio

Direitos humanos, paz e casa comum: como se reescreve um Papa? novidade

As intervenções de um Papa na Assembleia Geral das Nações Unidas (AGONU) aconteceram em cinco momentos da História e resultaram de um estatuto jurídico reconhecido internacionalmente ao líder máximo da Igreja Católica, incomparável quer relativamente aos líderes das outras religiões, quer aos das nações. Isto, por si só, é relevante a nível da política e das relações internacionais.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This