Síria: a crise de refugiados em números

| 6 Fev 19 | Destaque 2, Direitos Humanos, Estado, Política e Religiões, Últimas

Qual a real dimensão da guerra na Síria? A Ajuda à Igreja que Sofre, instituição católica internacional dependente do Vaticano, produziu um conjunto de infografias sobre a emergência social que se vive no país. O 7MARGENS apresenta a seguir algumas delas, acrescentando alguns dados sobre a dura realidade vivida neste país. 

A urgência de assistência humanitária

É já o oitavo ano de guerra na Síria e, segundo o UNOCHA – Gabinete das Nações Unidas para Coordenação de Assuntos Humanitários, são os civis que continuam a suportar consequências de grande parte do conflito. Há 13 milhões de pessoas com necessidade de assistência humanitária e 5,7 milhões à espera de assistência imediata. 

A maioria das necessidades da população advém diretamente da violência, sendo as deslocações múltiplas e prolongadas e a pobreza crescente os maiores problemas a condicionar as vidas dos sírios afetados pelo conflito.

11,8 milhões de deslocados

É a Turquia o país com mais refugiados sírios na região, acolhendo aproximadamente 3,6 milhões de sírios. No entanto é o Líbano que acolhe, proporcionalmente o maior número de refugiados: 982 mil numa população de 4,5 milhões. 

Quando se deslocam para países vizinhos, os sírios acabam por viver em zonas urbanas e apenas 8% continua a habitar em campos de refugiados. A maioria vive no limiar da pobreza e, no Líbano, 70% dos sírios está abaixo da linha da pobreza.

A vulnerabilidade das crianças sírias

As crianças sírias são as que mais sofrem e perigos enfrentam. Além das doenças como a poliomielite e má nutrição, há relatos de trabalho infantil, crianças-soldados e casamentos infantis.

As oportunidades de ensino escasseiam já que 1,75 milhões de crianças não frequentou a escola no ano letivo de 2015/2016. O conflito também afectou a saúde física e mental dos mais jovens, a longo prazo. Qual será o impacto cumulativo destes fatores nos futuros adultos do país?

Num contexto em que menos de metade dos serviços de saúde públicos existentes anteriormente permanecem totalmente funcionais, as falhas nos serviços básicos resultam na incapacidade de atender às necessidades de saúde “normais” da população, como a vacinação e os cuidados pré-natais. 

Também o êxodo de trabalhadores especializados deixou enormes lacunas na saúde. O aumento do trauma, das questões de saúde mental e as necessidades de incapacidade física resultantes da crise têm tido dificuldades em ser enfrentados.

Custo de vida e pobreza na Síria

O preço dos produtos básicos aumentou devido à guerra, sendo o acesso a pão e outros alimentos básicos muito limitado. A menor disponibilidade de produtos alimentares e a destruição de provisões está a diminuir o poder de compra e a reduzir a capacidade de resiliência contra embates futuros.

Na Síria, a deterioração dos sistemas de gestão de água, saneamento e resíduos sólidos ainda é um desafio.

 

Fontes e siglas:

UNICEF – United Nations International Children’s Emergency Fund (Fundo das Nações Unidas para a Infância)

WHO – World Health Organization (Organização Mundial da Saúde)

WB – World Bank Group (Banco Mundial)

WFP – World Food Program (Programa Mundial da Alimentação)

 

Breves

Limpar uma praia porque o planeta está em jogo

Sensível ao ambiente, à poluição e ao seu impacto sobre o mundo animal e o planeta em geral, Sylvia Picon, francesa residente em Portugal, decidiu convocar um piquenique ecológico na Praia do Rei (Costa de Caparica, Almada), no próximo sábado, 20 de abril. A concentração será no parque de estacionamento da Praia do Rei e ao piquenique segue-se uma limpeza do areal desta praia da Costa de Caparica.

União Europeia acusada de financiar trabalho forçado em África

A Fundação Eritreia para os Direitos Humanos (FHRE) e a Agência Habeshia alertaram para o facto de o financiamento da União Europeia (UE) poder estar a ajudar na promoção de situações de semi-escravatura de militares jovens, através dos fundos para a construção de estradas na Eritreia, até à fronteira com a Etiópia, e que supostamente se destinam a combater a “migração irregular”.

Bispos do México fazem frente a Trump e ajudam migrantes nas fronteiras

Os bispos católicos do nordeste do México uniram-se para receber comboios de imigrantes que tentam entrar nos Estados Unidos da América e ficam retidos na fronteira com o seu país. Para tal estão a ser tomadas várias medidas de apoio como a criação de novos centros de acolhimento de migrantes em dioceses transfronteiriças, à semelhança do que já acontece na diocese de Saltillo.

Boas notícias

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

Dois jovens centro-africanos – Fabrice Dekoua, cristão, e Ibrahim Abdouraman, muçulmano – decidiram promover um pacto de não-agressão entre as populações dos bairros de Castores (de predominância cristã) e Yakite (maioria mulçumana), na capital da República Centro-Africana, Bangui, para tentar mostrar que é possível pôr fim à violência que assola o país.

É notícia 

Cultura e artes

As Sete Últimas Palavras

Talvez muitas pessoas não saibam que a obra de Joseph Haydn As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz foi estreada em Cádis, na Andaluzia, depois de encomendada pelo cónego José Sáenz de Santamaria, responsável da Irmandade da Santa Cova.

Laranjeiras em Atenas

Há Laranjeiras em Atenas, de Leonor Xavier (Temas e Debates/Círculo de Leitores, 2019) reúne um conjunto diversificado de textos, a um tempo divertidos e sérios, livro de memórias e de viagens, de anotações e comentários… O gosto e a surpresa têm a ver com pequenos pormenores, mas absolutamente marcantes.

Pessoas

O franciscano que é o melhor professor do mundo

O franciscano que é o melhor professor do mundo

O título de “melhor professor do mundo” foi atribuído no final de Março a um queniano de 36 anos, Peter Tabichi. O titular da distinção, frequentemente considerada como o “Nobel da educação” ou o “Nobel dos professores”, é também frade franciscano. O Global Teacher Prize tem sido concedido anualmente, desde há cinco anos, pela Fundação Varkey, do Dubai.

Sete Partidas

Uma gotinha do Tamisa contra o “Brexit”

Mas o meu objectivo número um para a visita neste sábado era o de participar na grande e anunciada manifestação contra o Brexit. Quando cheguei junto ao Parlamento já lá estava tudo preparado para as intervenções políticas.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

A Páscoa como escândalo

A falta de compreensão do sentido da Páscoa tornou-se generalizada no mundo ocidental, apesar de a celebrar, por força da tradição e da cultura. A maior parte dos que se afirmam cristãos revela enorme dificuldade em entender o facto de a época pascal ser a mais significativa no calendário da fé cristã.

Jesus Cristo, o estrangeiro aceite pelos povos bantus

Jesus Cristo é uma entidade exterior aos bantu. É estrangeiro, praticamente um desconhecido, mas aceite pelos bantu. Embora se saiba de antemão que Jesus é originário do Médio Oriente e não português, povo que levou o Evangelho para África. Parece um contrassenso?

Papa Francisco: “Alegrai-vos e exultai”. Santidade e ética

No quinto aniversário do início solene do seu pontificado, a 19 de março de 2018 (há pouco mais de um ano), o Papa Francisco publicou a Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate, “sobre a santidade no mundo atual”. Parte do capítulo V da Constituição do Vaticano II, Lumen Gentium. Aí se propõe a santidade para todos os cristãos, entendida em dois níveis: a santidade como atributo de Deus comunicada aos fiéis, a que se pode chamar “santidade ontológica”, e a resposta destes à ação de Deus neles, a “santidade ética”.

Fale connosco